Jump to content
Strawberry Orange Banana Lime Leaf Slate Sky Blueberry Grape Watermelon Chocolate Marble
Strawberry Orange Banana Lime Leaf Slate Sky Blueberry Grape Watermelon Chocolate Marble

Leaderboard


Popular Content

Showing most liked content since 12/21/2018 in all areas

  1. 16 points
  2. 10 points
    Fiz um upgrade na minha Aram: um shot mirror (na verdade um espelho de inspeção de carro). Depois de uma semana de uso não posso mais imaginar usar ela sem o espelho (e o filtro IMS). Ajuda bastante na avaliação dos shots.
  3. 10 points
    Não exatamente, @hade Isso é uma super-simplificação baseada na opinião de um técnico a respeito de apenas 1 método, focado no espresso... O sistema daqueles mós mastigadores (em português, burr deve ser traduzido por mó, de onde vem o verbo moer e a palavra moedor ) é usado em grandes moedores industriais para moer café dito "commoditie" (i.e.: de supermercado) em grandes quantidades sem muita preocupação com qualidade. Barato de fazer e manter, mantém o custo final baixo para um produto que precisa ser barato. Há ainda moedores industriais que usam sistemas de engrenagens para triturar em vez de moer, e outros que realmente usam brocas para movimentar os grãos na direção dos mastigadores. Alguns dos antigos moedores manuais de grãos (amendoin, café, soja etc.) usados em fazendas usavam também essa combinação de broca com mós mastigadores ou apenas um mó "integral" encostado em um disco perfurado que permite outro tipo de moagem (como de carnes etc). Mós planos, como o segundo jogo apresentado, são os mais populares para se conseguir bons resultados e tem vantagens e desvantagens sobre os cônicos, o terceiro conjunto apresentado no vídeo. Há também alguns erros no vídeo, pois moedores como o EK-43 da Malhkönig, considerado um dos melhores do mundo para métodos de infusão prolongada (como V60 ou Aeropress) usa mós planos refinados de alta precisão na vertical, a mesma posição dos mós mastigadores mostrados primeiro. E o Mythos, da Nuova Simonelli, usa mós planos "inclinados" (nem horizontais nem verticais). É mais fácil centralizar mós cônicos do que planos, mas a natureza da recepção dos grãos aumenta a eficiência da alimentação, o que exige maior torque para girar e também menor velocidade para não superaquecer por excesso de atrito. O cara do vídeo entendeu errado. Mós cônicos, na mesma velocidade dos planos, superaquecem muito depressa. Assim, é comum moedores de mós planos comerciais usarem um sistema de transmissão direta, em que o suporte do mó que gira é preso diretamente ao motor, enquanto os moedores cônicos tendem a utilizar um sistema de redução (correia ou engrenagens) para reduzir a rotação e aumentar o torque final. Moedores domésticos costumam precisar de um sistema de redução por conta dos motores de pequeno porte. Mas há variantes nos dois sentidos, dependendo de cada particularidade de projeto. É mais difícil alinhar mós planos, pois quanto maior o diâmetro, o que aumenta a eficiência, maior a dificuldade de mantê-los paralelos, pois maior a distância entre o ponto de apoio (centro do suporte do mó que gira) e o ponto de aplicação da força (borda dos mós). Logo, costuma ser mais barato alcançar consistência com mós cônicos do que planos, para obter a mesma qualidade final em termos de "curva granulométrica". Contudo, com a tecnologia atual de usinagem de mós, e com os materiais altamente sofisticados que podemos usar, não parece fazer muita diferença entre mós cônicos e planos, mas sim o desenho e a qualidade dos mós em si. Pode-se fazer mós mais unimodais (apenas um foco granulométrico) ou bimodais (dois focos granulométricos) a partir de variações de desenho, daí é uma questão de engenharia e investimento para conseguir consistência com a tecnologia escolhida. Muitos membros do clube poder oferecer mais informações, o @Gilberto fabrica os moedores Bravo, que são fantásticos, e estou certo de que muitos outros podem ter opiniões diferentes das minhas. Em vez de escrever um artigo sobre isso, paro por aqui, recomendando que você leia mais por conta própria e forme suas opiniões com base em diversidade e, se possível, experimentação. Boa sorte e boa pesquisa! PS: você nomeou o tópico "engenharia de moedores", então espere algumas pessoas postarem coisas bem mais técnicas do que eu...
  4. 9 points
    Espresso Aram 20/40 Bravo Mini 1+4 café da Célia Roast cafés. Vídeo da extração no instagram ou face @torrafrescacafes Enviado do meu iPhone usando Tapatalk
  5. 6 points
    Ola, pessoal! Sou agrônomo, produtor e torrador de café em uma pequena propriedade nas montanhas do Espírito Santo. Geralmente, faço torras de acordo com a demanda a cada 15 dias. Trabalho com 3 tipos de café: Honey, Natural e Blend. O Honey e o Natural estão saindo R$ 12,00 (250g) e R$ 40,00 (1kg) e o Blend R$ 10,00 (250g) e R$ 35,00 (1kg). Posso enviar por Correio ou Jadlog, quem é de Vitória/ES posso entregar sem cobrar frete. Caso tenham dúvidas, entrem em contato por WhatsApp: (28) 99901-1771 ou instagram www.instagram.com/taliancafe/ Obrigado!
  6. 6 points
    @flabrada, não costumo fazer postagens questionadoras de valor nos classificados, mas um amigo novato (que decidiu que quer um Breville mas perdeu a promo de 1180 da Via Inox e de 1230 da Premier mês passado) viu seu classificado e me pediu para sondar sua base de referência para cobrar esse preço num item usado (mesmo que com apenas 1 mês de uso, não é novo e não tem caixa nem manual). Achei que vc tinha feito as modificações sugeridas pelo Gurjão no tópico do moedor, sugeri mesmo que ele fizesse uma boa contra-oferta se fosse o caso, pois vir já corretamente modificado seria um valor agregado... Bom, as escolhas são suas, o moedor é seu, certo? Vc tem a prerrogativa de cobrar o que quiser, e mesmo de ser rude no fórum, só não espere que sua reação aos comentários que fizemos entusiasme compradores entre os usuários mais experientes... E sim, o produto está temporariamente esgotado, sugeri a meu amigo que espere a Tramontina entregar o lote de importação que atrasou. Informaram que normaliza na segunda quinzena do mês que vem. Boa sorte na venda. E ao comprador, na compra. Caveat Emptor!
  7. 6 points
    Alinhador Bravo para a Aram e mais um suporte. Coleção completa rsrs
  8. 5 points
    Fiz um pão de azeitona pra inaugurar o baneton oval. O gosto até que ficou bom, mas não abriu pestana. O problema é que eu não drenei as azeitonas e quando pus (na 2ª dobra), a massa desandou. Muita umidade. Usei a Mirella, que até que segurou bem 70% de hidratação. Também pus muita azeitona, uns 25%. Devia ter sido no máximo 20%. Enfim, o pão Nº 17 abriu pestana (também no baneton oval). Hoje abri ele no café da manhã. Amanhã vai ser o primeiro pão que eu fiz, depois de dar uma revampeada na sova, que vai ter dormido na geladeira antes de assar. Também é maior (1315g). Espero que dê tudo certo, porque é pra levar pro encontro do grupo do CdC do Rio.
  9. 5 points
    Depois de alguns ajustes, moagem bem fina para extração de 60%, saiu um espresso bem interessante, azedinho bem equilibrado e bem doce, desses de torras mais difíceis para espressos... outros métodos a ver.
  10. 5 points
    Café do Thiego torrado ontem. Fiz uma abordagem de RoR sempre decrescente e visando entrar no 1C com uma RoR baixa para ter um tempo de desenvolvimento alongado sem subir muito a temperatura pós 1C. Depois volto aqui e edito a postagem para falar do sabor. Ah, usei uma fonte nova para aumentar os RPM do meu torrador STC. Com 15v consegui cerca de 112 rpm. Não sei se foi efeito placebo ou pela nova abordagem, mas achei mais homogênea a torra. Rsrsrsrs... Primeira foto ao sol de meio dia e a segunda à sombra com flash.
  11. 5 points
  12. 5 points
    Bom dia a Todos e aproveitando Feliz Ano Novo a todos os amigos do Clube!! Hoje venho aqui para relatar a primeira torra realmente que serviu como teste mesmo no novo forno. O grande amigo Igor me enviou algumas amostra de cafés sensacionais. O primeiro teste que fiz foi com um café que ele descreveu na embalagem como Lima de Leon, não tenho maiores informações e o próprio Igor está ocupado demais nos últimos tempos pra eu ficar enchendo ele rs. Bom fiz uma torra padrão, 200 gramas, 6 minutos de secagem e depois aumentei a potencia e fui até os 12 minutos. Uniformidade da torra ficou sensacional, se o café for natural então é um dos melhores resultados que já vi. Mas o melhor veio no outro dia quando provei. De fato foi o melhor café que já torrei até hoje, o melhor resultado, muita doçura, corpo...não estava tão aromatico, mas o café vai evoluir acredito, está cedo pra dizer. Bom, nunca tive um resultado desse no antigo forno nem na pipoqueira. Um café realmente prazeroso de se beber com altissima qualidade. Fique extremamente feliz com o resultado, e ainda o bom é que abriu mais possibilidades para construir perfis, pois esta torrando mais rapido por conta do maior giro do tambor e convecção. Conforme eu for torrando os outros grãos que o Igor me mandou vou postando aqui..
  13. 5 points
    Ficou bom demais. Nada de vegetal. Apenas azeite e compota de ameixa. Caramba que café gostoso na v60. E ainda vai melhorar. Já foi para o vácuo, direto para a praia.
  14. 5 points
    @Heitor Medeiros, só pra evitar ruídos, os moedores que você menciona são "comerciais" ou "profissionais", não são "industriais". Isso aqui é um moedor industrial pequeno: Mas, voltando ao foco, se estiver com a mira na melhor qualidade de moagem em termos de moedor manual, acho que o Debut é uma das melhores opções no mercado mundial. Pra nós, brasileiros, talvez a melhor por ser o mais acessível. O nível da qualidade da moagem do Debut é tão acima da média dos moedores elétricos na mesma faixa de preço que é até desconcertante. Embora seja supostamente focado no "espresso", tenho tido resultados fantásticos nos coados e outros métodos também. Mas em termos da relação custo-benefício, acho que o Bravo Mini tá numa situação privilegiada. A moagem fica muito melhor do que parece razoável pra um equipamento em sua faixa de preço. Com o suporte de mesa, fica ótimo pra uso "de bancada", reduzindo o esforço da moagem manual. Eu não descartaria um bom elétrico. Algo que não requeira esforço físico salva a pátria quando é pra fazer café pra mais pessoas. Um usado em bom estado pode ser sua solução em termos de custo acessível. O @Burny tá vendendo um Vario Home alemão (da Mahlkönig, mesmo fabricante do EK43 e do K30) aqui nos classificados, com um monte de upgrades já instalados. Acho que compensa muito mais do que o Comandante, com um valor parecido no Brasil. Depois, mais pra frente, você pode pegar um Bravo Mini ou o novo Bravo "menor que o Mini" pra ter um excelente portátil... Sobre o Cunill que vc tem agora, imagino que já tenha pesquisado e não seja seu estilo modificar equipamentos, mas essa "retenção" é fácil de resolver com uma modificação simples, retirando o dosador e instalando um "bico" ou um "funil" no lugar. Tem vários tutoriais espalhados na web, inclusive mais de um aqui mesmo no CdC. Eu mesmo uso um modelo comercial da Quamar pros espressos, um T48 Auto modificado pra ficar "doserless" com um funil de inox. Recomendo a modificação, mas nesse caso o moedor continua sendo recomendado para espresso, mesmo sem o dosador... não sei se o sistema de ajuste desse modelo alcança satisfatoriamente a granulometria pra coados. Mós planas de 59mm são bem comuns, se as suas estiverem gastas (caso tenha comprado usado) sai barato trocar. Sobre a Aram, recomendo ler o tópico próprio, lá tem prós e contras, bem como elogios dos fãs e críticas dos que tiveram e continuam tendo problemas. Caveat Emptor! Bom, apenas opiniões pra pensar a respeito... Boa caçada!
  15. 4 points
    Hoje (e ontem) no espresso saindo esse AHA de Caconde, terra do @Lisboa, achei notas de chocolate e até algum caramelo, mas nada de laranja... Bom domingo a todos!! Enviado de meu MI 6 usando o Tapatalk
  16. 4 points
    Pão Nº 19: Aos poucos vai melhorando. Esse eu já fiz um pouco mais rápido: 1h30 de autólise, 15' de sova, ao todo umas 6h25 até ir pra geladeira por um pouco menos de 12h, quando entrou no forno (25' fechado, 22' aberto). Usei Mirella e Mirella integral, com um resto de 5 Stagione Superiore que ainda tinha, a 72% de hidratação e 20% de levain. A pestana abriu bem. Fiquei apreensivo, porque a massa grudou no baneton na hora de tirar. O que não saiu direito foi o desenho do ramo de trigo, do outro lado do pão. Praticamente não expandiu.
  17. 4 points
    Ontem recebi meu kit com suporte, distribuidor e tamper Bravo do@gilberto. Recebi um e-mail da Aram dizendo que minha cafeteira ficará pronta dia 23 deste mês. Só falta o moedor! Bravo nano, Bravo pícolo, Bravo micro, Bravito, Bravinho, Nervoso, Ansioso, sei lá! Enfim, doravante designado Bravo Inominado. Enviado de meu moto x4 usando o Tapatalk
  18. 4 points
    Acompanhando agora esse trabalho todo idealizado pelo @Burny e com a ampla contribuição dos membros do fórum, incrível mesmo. Passei a tarde de hoje avaliando os gráficos, após uma imersão na interpretação de gráficos de distribuição granulométrica com Matt Perger, e vê-se que foi um trabalho e tanto! Tirando o viés relatado nas amostras do @Freedom Force, há consistência dos achados, respeitando terem partido de um operador e um moedor, representando seu modelo e resultado. O EK43 mantém sua média e moda nas menores granulometrias, seguido do Ceado. Buscando essas informações na net, vemos que o trabalho realizado aqui sai na frente de muitos foruns, fornecendo essa comparação. Meus parabens também ao @Gilberto, o Bravo Mini foi muito bem, junto com o Comandante C40.
  19. 4 points
    @Mesquita, e demais colegas que responderam, o forum é aberto para leitura sem precisar de cadastro... colocar e-mail aqui é pedir pra ser colhido por bots e incluído em infinitas listas de SPAM/digi-marketing. Se quiser evitar isso, sugiro editar removendo o e-mail e tentar contato por MP com a OP... Só sugerindo...
  20. 4 points
    Leva tempo mesmo, se olhar alguns posts atrás verá quando eu comecei com pães de fermentação natural. O levain depende de algumas variáveis que geralmente leva-se tempo até compreender e “controlar”. Não desista, continue e faça pães ao menos semanalmente. A prática ajudará a melhorar o manuseio, e seu levain vai ganhando força! Sobre fermentação, tente fazer a primeira toda em TA. Se precisar controle a temperatura colocando e retirando da geladeira entre as dobras: 30min fora da geladeira 30min na geladeira 30min fora 30min dentro Se tiver termômetros culinários facilitará o trabalho, tente manter a temperatura da massa em torno de 24/25°C. A segunda fermentação, pelo que vc me disse, está com dificuldades. Faça um teste. Depois de modelado deixe ma geladeira por volta de 18h. Logo após modelar, sem dividir tempo em TA. Ou faça 1h em TA e o resto na geladeira(10h? 9h?). Vai depender da temperatura que sua geladeira consegue manter, quanto mais frio mais tempo, menos frio menos tempo. As dicas que passei baseiam-se numa temperatura de geladeira entre 5°C a 7°. Se a massa ficar em 4° ou menos, a fermentação paralizará! Tem pessoas que fazem longas (24h) fermentações em 4°C. Se vc usa menos levain que os demais, isso também influencia no tempo. Eu uso 30%. Já fiz com 20%, mas tem que esticar ainda mais a fermentação. Ou seja: temperatura, % de levain e tempo são mandatórios. Espero ter ajudado [emoji4] Segue meus dois pães assados hj. Ambos com 75% de hidratação, um branco e outro multigrãos com 10% de farinha integral. 1h em TA (a 30°C) e mais 10h em geladeira a 6°C. Assados em panela de ferro.
  21. 4 points
    Comprado em novembro, mas só chegou essa semana. Enviado do meu iPhone usando Tapatalk
  22. 4 points
  23. 4 points
    Boa ! Está ficando melhor a cada pão. [emoji1319][emoji1319] Abaixo os meus últimos pães, os primeiros de 2019 Sent from my iPhone using Tapatalk
  24. 4 points
    Continuando a saga: Hoje torrei o café do Eduardo, na minha opinião, o café mais gostoso e aromático dessa ultima CC, a despeito do fazendeiro que o vendeu para nós ter remetido um café diferente da amostra que baseou a escolha dele (veio com muitos verdes e na amostra quase não tinha). Mas, repito, melhor café ainda assim. Verde, pelo menos, é bem tranquilo de separar depois da torra. Então, sem problemas. Fiz uma torra média clara, mas meu alvo era uma torra média. Fiquei com medo de deixar desenvolver por tempo demais e o café passar do ponto, mas o giro estava correto para o café e ele deve ser mais denso do que o que torrei ontem (Rinaldo) (tenho que começar a medir densidade). Esse, se não aparecerem notas vegetais (defeito de torra), vai ficar muito aromático, bom demais na V60. Bom, chega de devaneios: Café Log Enviado do meu iPhone usando Tapatalk
  25. 4 points
    Café aqui da terrinha que ganhei de presente: Sítio Forquilha do Rio - Espera Feliz / MG Campeão Mineiro e melhor café das matas de Minas (2018). Não sei descrever sabores, mas ficou bom, levando-se em conta que ainda estou ajustando as proporções na recente comprada Breville via Tramontina. Usei 17g de pó moído na posição 14, extraindo cerca de 36g em trinta e alguns segundos (mas contatos logo após acionar a máquina)...
  26. 4 points
    O visual ficou legal. Devia ter cortado mais de leve, mas enfim.
  27. 4 points
    Acho que este foi o último do ano!!! [emoji869][emoji3590] Enviado do meu iPhone usando Tapatalk
  28. 4 points
    Esse aqui, a partir do minuto 3:18 pode ajudar. Enviado do meu iPhone usando Tapatalk
  29. 4 points
    Esse fiz questão de vir aqui indicar. Café da Célia, torrefação Roast cafés. Enviado do meu iPhone usando Tapatalk
  30. 4 points
    Finalmente uma pestana! Como nada é perfeito, eu me enganei e em vez de deixar 25 minutos com a tampa fechada e 25 com ela aberta, ia deixar 45 minutos de cada jeito. Depois de 45 minutos, abri a tampa. Tava já bem corado. Quando deu uns 20 minutos de tampa aberta, começou um cheiro de queimado e eu achei por bem tirar do forno. A casca ficou super dura e chamuscada em uns pontos. Mas o miolo ficou legal. Acho que o que tava deixando a massa grudenta era o levain mesmo. Comecei agora o pão 7. Elevei a hidratação pros 70% originais, mas baixei ainda mais o levain, de 20% para 16% da massa de farinha adicionada. Vou repetir o que fiz ontem que parece ter dado certo. Obrigado a todos que ajudaram. Vou continuar postando o progresso aqui.
  31. 4 points
    @Fer.pr https://www.flickr.com/photos/148785676@N08/shares/T4em00 @Muniz O prototipo foi anodizar, testes em janeiro para dar seguimento.
  32. 3 points
    Pessoal, estou vendendo uma Astoria San Marino Compact de 1 grupo toda revisada e pronta para trabalhar, a maquina é toda em aço espelhado, caldeira 2 litros heat exchanger de inox, varias válvulas de controle, pressão e segurança, tanque interno, saída de água quente e vapor independentes da caldeira de extração, boa para tiragens baixas ou uso domestico, qualquer dúvida estou à disposição. Parcelo em 12x via mercadopago e despacho pelo mercadoenvios. https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-1165469948-maquina-de-cafe-expresso-astoria-san-marino-compact-_JM
  33. 3 points
    Dei uma olhada e tem varias máquinas de 1 grupo a gás que são fabricadas atualmente. Wega, Astoria, Kaldi, Bezzera, Francino e Rancilio aparecem de primeira. Provavelmente tem que importar, não é barato porém não é bicho de 7 cabeças. Adaptação de moedor manual para pedal, em Coffee bike parece ser simples.
  34. 3 points
    Ahhhhh as levers a gás, quem me dera ter uma.....
  35. 3 points
    @Wellington Azevedo, dada a naturalidade com que você mencionou "uma bateria de 12V", assumo que não seja da área de elétrica ou eletrônica... se for, perdoe-me pela excessiva simplificação a seguir... Um conversor de 12V para 115V ou 220V que suporte uma máquina básica de espresso precisará oferecer no mínimo 1200W RMS... Poucas máquinas operam abaixo dos 1100W ou 1150W. Para sua informação, uma bateria de carro 1.0 costuma oferecer 45A/H (fornece 12 Volts com corrente de 45 Amperes por 1 Hora) , e 1200W em 12V "puxa" 100A, o que implicaria em a bateria operar por apenas 25 a 28 minutos, se a bateria for boa e aquentar essa corrente constante. E isso é pouco mais do que o tempo necessário para aquecer uma máquina doméstica pequena e tirar uns 2 ou 3 espressos. E a natureza das baterias automotivas não é compatível com carga alta constante, foram feitas para dar um "pico" na partida e depois operar com corrente mais baixa, alimentando os dispositivos e luzes do veículo paralelamente ao carregamento simultâneo oferecido pelo Alternador. Para para seu tipo de aplicação, deve-se utilizar no mínimo baterias chumbo-ácidas estacionárias, como as que se usam em No-Breaks e sistemas de armazenamento de energia alternativa (solar, eólica etc.), que são mais caras que as automotivas. Para suportar um período de 6h contínuas de operação sem recarga, você precisará disponibilizar 7200W de energia convertida total, lembrando que há perdas em relação à energia armazenada, nenhum conversor tem rendimento de 100%. Na verdade, os conversores simples de "onda PWM" costumam ter rendimento próximo de 50%, e os melhores chegam a 72%. Se você comprar um conversor de potência nominal de 2500VA dos mais baratos, ele deve fornecer 1200W constantes sem queimar, se bem ventilado. Isso implicaria em precisar de um banco de baterias e pelo menos 15KW para aguentar 6 horas operando uma máquina de espresso simples e um pequeno moedor também simples. Esses 15 mil Watts seriam mais eficientes com um conversos DC-AC (corrente contínua para corrente alternada) com entrada em 48V e saída em 220V. Logo, sua máquina e moedor precisariam operar em 220V, algo incomum nos USA. Pode ser em 110V, mas tudo fica mais caro, precisando de fios mais grossos e gerando mais perda nas tomadas (que esquentam). Vamos focar nas baterias. Na minha opinião, a bateria estacionária de melhor custo-benefício (R$ vs A/H x T - potência com qualidade e durabilidade) no mercado atual é a Freedom DF1000 de 12V e 70A/H. Se colocar 4 baterias dessas em série, elas forneceriam 48V com capacidade de 70A, ou seja, 3360W. Para armazenar 15KW em 48V, você precisaria, com um mínimo de folga, de 5 bancos paralelos de 4 baterias em série cada, num total de 20 baterias que totalizariam 16,8KW, suficiente pras 6 horas de máquina e moedor operando na bike com um conversor de rendimento de 50%. Um sistema autônomo para 6 horas de operação precisaria então de 20 baterias que pesam 14,7Kg cada, com os cabos e conectores isso vai passar fácil de 300Kg, E ao custo médio de 300 reais por bateria, seria mais R$ 6.000,00 só de baterias, lembrando que elas duram entre 24 e 36 meses, dependendo da qualidade dos ciclos de carga e descarga. Um conversor como sugeri pode variar entre R$ 2000 e R$ 4800, dependendo da qualidade e rendimento. Isso vc pode trazer de fora, pois se comprar máquina e moedor em 110V, o conversor vendido aí já vai ser compatível. Recomendo no mínimo esse aqui: https://www.amazon.com/Reliable-Compact-Inverter-Converter-Gernerator/dp/B073S3B9BP/ que deve aguentar na boa e é bem barato (U$ 300). Ah, se você montar o esquema com 12 baterias, por exemplo (tem de ser múltiplos de 4 com essa DF1000 de 12V) você deverá ter menos de 4 horas garantidas, mas com esse conversor que linkei da Amazon, se as especificações estiverem corretas e forem honestas, pode passar de 6 horas. Mas é uma aposta. Só pra você considerar os custos e se programar. Talvez assim dê pra entender porque coffee-bike e similares no Brasil dependem de alguém "alugar" uma tomada... Boa sorte!
  36. 3 points
    Ah, sim... a Twin, se não usar um bom aterramento, tende a dar problemas na eletrônica. Ainda mais do Brasil, e principalmente os modelos 110V. Em 220V, com um bom protetor de linha e aterramento dentro das normas, essa placa não dá defeito fácil, não. O problema é o hábito de "espetar na tomada" sem os devidos cuidados, inclusive com o mal-hábito de cortar pino ou usar adaptadores para eliminar o aterramento. Daí é difícil. Sobre o PID, francamente, sou de opinião completamente diferente. A caldeira ser pequena não torna a temperatura mais estável apenas com termostato. Pelo contrário, dado o pequeno volume de água, a temperatura da água que entra vai fazer o conjunto variar ainda mais em função da temperatura ambiente. Tem de surfar diferentemente dependendo da variação de temperatura do ambiente. Era assim com minha Baby Class. A caldeira pequena e os elementos poderosos embutidos no alumínio (em vez de imesos na água) mudam o perfil de programação do PID, ficando num meio termo entre o Termobloco (como na Infuser) e a caldeira "padrão" (como na Silvia ou nas Classic com caldeira de aço), mas ainda assim um elemento excelente de controle de temperatura, dispensando o Surf por completo. Por ter caldeira para café e Termobloco para vapor, sou da opinião de que a Twin com PID duplo, ou com dois PIDs, faz frente à badalada Crossland em termos de funcionalidade e qualidade de extração. Confesso que só usei a Crossland algumas vezes durante uma visita a um colega, mas não vi ganho na extração em relação à Twin modificada de outro amigo em comum que temos, com PIDs da Auber instalados por ele mesmo, OPV ajustável da Rancílio instalado por mim. Depois que a eletrônica começa a dar problema, o termofusível salva o conjunto quando queima... só trocando a placa e corrigindo a instalação elétrica pra ter sossego depois disso. sobre preço, depende de aparecer... varia bem. Dá uma olhada no tópico do LUW, ele importou uma ECM Barista (HX) direto de fora, saiu mais barato do que comprar uma ECM Classika (SBDU com PID) aqui no Brasil. O Márcio @Carneiro tava vendendo uma Oscar reformada por ele, com os restritores de fluxo e outros badulaques da NS Musica, o que essencialmente transforma a Oscar numa máquina muito, muito boa. Já modifiquei uma seguindo o "manual" dele e ficou excelente. As feitas por ele devem ficar ainda melhores, na minha opinião... Eu mandaria msg pra ele pra ver se já vendeu (link pro anúncio: Se quiser nova, acho que a máquina mais interessante pra quem quer uma HX e não quer investir numa ECM/Rocket/Bezzera/etc, conformando-se com algo inicialmente simples que depois possa dar upgrades por modificações. é a Oscar II, que você encontra na Elektros por 556 euros, e com frete EMS da 687 Euros já enviado e segurado (no Brasil vira Correios, logo imposto menor do que Courier) + imposto e taxa dá (hoje) uns R$ 5.500,00 entregue na sua casa... e com a guia de importação legalizada na mão. ) Se vaporizar leite não for tão importante, e preferir estabilidade térmica, a Bezerra Unica PID na Elektros é uma opção quase imbatível... Dá pra mandar por EMS tb. Com seguro, frete e impostos, entregue em casa, fica (hoje) uns R$ 7.600,00 importando legalmente. Uma HX no nível da ECM Barista é a Bezzera Magica S MN, que no mesmo sistema EMS, com tudo incluso, chega legalmente na mão do brazuca por aproximadamente R$ 9.500,00. Se quiser HX com PID (tem quem goste, eu não gosto), a Bezzera Magica S MN PID chega aqui por mais ou menos R$ 10.600,00 legalmente por EMS/Correios. Pra finalizar, a Dual Boiler com PID da Quick Mill, modelo QM67, que hoje tá sem estoque, sairia + ou - R$ 12.500,00 importando pelos Correios/EMS legalmente. Todas essas máquinas linkadas (sublinhadas) usam bomba vibratória. As mais leves talvez dê pra escolher com bomba rotativa e ainda ser leve o bastante pra mandar por EMS, mas as HX e Dual Boiler não dá, passam do peso limite.
  37. 3 points
    Vixi.... Hj que vi esse tópico. Tenho os seguintes hobbys Café Off road jeep Náutica Cachorros Som - receiver Culinária Carros antigos ... Jeep Kombi e Chevette Antiquário Acho que só. Por enquanto.... Kkkkkkk
  38. 3 points
    Desculpa desenterrar o tópico, mas estou com um Obatã fermentado que adorei! Parabéns pelos cafés!
  39. 3 points
    @victorpandolfi, se vc mora em prédio, como os elevadores são trifásicos (380V) ou no mínimo bifásicos (220V) a caixa de entrada de seu apartamento deve ter 220V disponível, seria apenas o caso de conectar e puxar fiação, deve sair mais barato do que um transformador de uns 1500W a 2000W reais (ou 4KVA a 6KVA em padrão "brazuca" de vender transformadores). Se for casa, você pode pedir para a COPEL instalar 220V na sua residência. Embora tenha custo e tarifa diferenciada, usar dispositivos de alta potência em 220V costuma reduzir as perdas e baixar significativamente a conta de luz. Num plano de longo prazo, migrando todo parque de dispositivos, vira economia. Vale muito mais a pena usar chuveiros, torneiras elétricas, condicionadores de ar, refrigeradores, aquecedores, máquinas de café, fornos, fritadeiras, panelas elétricas, secadores etc em 220V. Menos perdas nos fios e conexões com a corrente cortada pela metade (já que a tensão dobrou, a corrente divide por 2, mantendo o mesmo produto de potência), além de poder usar fiação menos espessa em algumas situações. De modo geral, a conta de energia cai mais do que é cobrado na tarifa do bifásico.
  40. 3 points
    Amigos, para mostrar em imagens como calibrar o ponto zero da tremonha interna eu teria que desmontar todo o meu moedor, de novo...coisa que não queria fazer nesse momento. Mas, é o seguinte: abrindo o moedor vocês irão encontrar uma tremonha de rosca q serve de ajuste para a mó inferior. Essa tremonha é girada (ajustada) pelo botão externo da lateral do moedor, conforme a indicação do display digital. O giro dessa tremonha é limitado por 2 parafusos, onde 1 fica no ponto zero e outro fica no ponto sessenta. A partir daí, para recalibrar, você retira esses 2 parafusinhos e, em seguida, gira a tremonha com a mão, colococando-a no ponto zero da forma que desejar. Feito isso, marca o ponto zero recolocando 1 parafusinho no novo ponto, em seguida, gira o botão até a marca do sessenta no display, e coloca o segundo parafuso no novo ponto sessenta. Falando assim, parece complicado, mas é simples, juro! Kkkkkkkkkkk Lembrando: você consegue mudar totalmente a faixa de ajuste com esse procedimento, porém, moagem uniforme não é mto o forte desse aparelho...são muitas roscas e encaixes que terminam com uma tolerância de folgas alta. Forte abraço a todos, Edugurjão
  41. 3 points
    Acabo de fazer mais dois testes de perfil. Ainda longe do ideal, acho. Mas ele sai delicioso em todos os testes, então fica difícil.
  42. 3 points
    O café é bão dimais Mesquita. To curtindo bastante ele.
  43. 3 points
    Hum... na verdade acho U$ 131+ bem caro, @johnny... na Amazon tá 99 dólares fora de oferta. tava 59,90 no banner da queima de final de ano. https://www.amazon.com/OXO-Conical-Burr-Coffee-Grinder/dp/B07CSKGLMM/ Não conheço o moedor, mas 15 faixas de ajuste é pouco e acho improvável que sirva pra espresso. Talvez fique aceitável ou mesmo bom pros métodos de infusão mais lenta (coado, prensado etc) que aceitam moagens mais grossas e são menos exigentes com qualidade de moagem (exceto prensa francesa, que fica cheio de "lama" se o moedor gera muitos fines). Pra importar, pagando impostos, não acho que valha a pena. Com essa verba de 131 e pouco que você tá pensando, mais frete e impostos, chega nos 1200 reais fácil... dá pra pegar coisa melhor por aqui: se quer um elétrico, um Tramontina-Breville pra todos os métodos, inclusive espresso, ou um Baratza Encore (motor mais forte) se não tiver interesse no espresso - o Encore não é recomendado pra espresso e tem manos ajustes que o Tramontina-Breville. Se puder ser um manual, um moedor Bravo Mini, fabricado pelo @Gilberto aqui do CdC, sai pouco mais do que isso e é absurdamente melhor do que todos que mencionei. E tem o novo "mini-mini' que tá pra sair, será menos de 1000 reais, pelo que parece, e vai dar baile nesses elétricos todos.
  44. 3 points
    Grande Alex, valeu, os meus chegaram, mas viajei e não deu tempo de torrar e testar um pouco. Mas logo que voltar vou torrar uns batches! Valeu de novo! Enviado de meu MI 6 usando o Tapatalk
  45. 3 points
    @hade Bem vindo ao CDC!!! Cara tem uma seção no CDC só de moedores, pode procurar por lá que provavelmente vc achará bastante coisa mesmo. Mas tentando te dar uma luz no seu questionamento, os ditos moedores mesmo, trabalham com mós cônicas ou flats (ai depende do fabricante/modelo/material/etc). Não posso te dizer qual é melhor que qual, até porque vai depender do material que as mós serão feitas, processo de "entalhamento" das mós, fabricante e outras variáveis. Tem esse video que pode te ajudar a ver as diferenças: Ok! Mas dá uma vasculhada na seção de moedores que tu vai achar bastante coisa boa e produtiva.
  46. 3 points
    Olá Heitor, Eu comecei com espressos e depois migrei para os coados, história parecida com a sua. Hoje curto muito a clever, parece um Hario/melitta misturado com prensa rs. A diferença para o melitta é que você consegue controlar o tempo de infusão (como na prensa ou AP invertida). O bacana que existem diversas técnicas, todas oferecem resultados finais diferentes (o mesmo grão parece um café diferente), e os aparelhos custam muito mais barato que uma máquina de espresso. Se fosse hoje, e fosse para escolher apenas um moedor, compraria o Debut. Fiz comparações com outros moedores e preferi o resultado do Debut para coados (Vario x Breville x Astro x Mini x Debut), no final vendi o Vario e o Breville e peguei um Debut. Se não me engano, o Gil tem apenas mais 1 Debut (tinha uma pessoa interessada, não sei se reservou), se existe a possibilidade de pegar um, corre rs.
  47. 3 points
    Estou construindo o estoque dos cafés da praia. Cada dia um pequeno bach para proporcionar a brincadeira da criança aqui. Hoje torrei o café do Caio da última CC. Complicado torrar apenas 100g, mas acho que estou pegando o jeito de, utilizando o controle da direção do ar no torrador, fazer a curva desejada. Aí vai Foto tirada em luz ambiente (dia de sol) Log
  48. 3 points
    Estava muito bom como sempre, e olha que foi de ultima hora ein !!!! Feliz natal e boas festas para todos !!!!
  49. 3 points
  50. 2 points
    Eu já ouvi falar de tomar café no estilo "raiz", mas vc tá levando isso muito a sério @fabreder!!!! prefiro moer e usar água antes de colocar na xícara...
×