Jump to content
Strawberry Orange Banana Lime Leaf Slate Sky Blueberry Grape Watermelon Chocolate Marble
Strawberry Orange Banana Lime Leaf Slate Sky Blueberry Grape Watermelon Chocolate Marble

Leaderboard


Popular Content

Showing most liked content since 10/11/2018 in all areas

  1. 12 points
    Prezados! Aqueles que gostam de bebidas à base de leite provavelmente já desejaram vez ou outra que determinado leite fosse mais encorpado, mais doce ou até mais gordo nos seus cappuccinos e lattes. Porém, como todos sabem, leite é algo orgânico, e sua composição/concentração depende das condições biológicas das vaquinhas, sem falar de diversas outras questões comerciais e sanitárias. Pois bem, nos campeonatos internacionais de barista alguns concorrentes já estão utilizando uma técnica bastante conhecida daqueles que fazem destilados caseiros e pretendem aumentar a gradação alcoólica de uma bebida: a destilação a frio. Na destilação a frio, nos valemos dos diferentes pontos de fusão dos líquidos de uma mistura. No caso do leite, que é um colóide, as proteínas, gorduras e açúcares tem um ponto de fusão mais baixo que o da água. Assim, podemos concentrar o leite na medida em que desejarmos, separando uma parte da água nele contida. A técnica é muito simples e efetiva. Congela-se o leite e, uma vez congelado, coloca-se o bloco de leite dentro de um recipiente com um furo, através do qual os líquidos que derretem primeiro escorrem e se separam da fase sólida. No final, sobra quase que só um bloco de água congelado e poroso no recipiente superior, e o leite concentrado no copo de coleta. No meu exemplo, utilizei uma coqueteleira simples em que cabem 500g de leite congelado, que depois eu emborco em cima de um copo capaz de coletar o leite derretido. O rendimento varia conforme o tempo de geladeira. Pra obter uns 300g de leite concentrado, leva aproximadamente 24h. Isso pode variar um pouco de acordo com a diferença de temperatura entre o gelo e a geladeira, mas serve como parâmetro. A 60% de rendimento, como no exemplo, o leite fica muito doce, encorpado e com um leve toque mineral, por conta dos sais minerais dissolvidos. Você pode deixar diluir mais, deixando o processo correr, ou simplesmente misturar com o leite original para dar o ponto da sua preferência. Como disse, o processo é muito simples de reproduzir e o resultado é bastante interessante. Espero que curtam a técnica. Se vocês aprovarem, podemos até fixar o tópico, como utilidade pública. Abraço, Rodrigo Kirsch
  2. 12 points
    Salve pessoal, voltamos pra BH com o carro cheio e já tem vários cafés com a gente. Já outros dois cafés chegam durante a semana por transportadora. Estamos preparando uma postagem para contar da viagem e em breve o Luís vai postar para vocês. Até lá deixo um imagem ilustrativa do trabalho que fizemos no fina de semana: Saindo de Natércia com o carro que alugamos cheio! E para ir aquecendo os motores, vamos compartilhar com vocês as informações dos cafés que vão entrar na Compra Coletiva aos poucos até o dia da abertura dos pedidos, que irá acontecer no dia 19 de outubro na parte da noite. Começamos com o café que é, certamente, um dos mais raros e distintos que já entrou nas nossas Compras Coletivas. 1- Amostra FHF - Café da Ucha: Este é um café que estamos namorando faz tempo. Ano passado (2017) fizemos uma visita à fazenda da Carmem Lucia, conhecida como Ucha, em Três Pontas. Na época fomos recebidos por ela e ficamos encantados com o trabalho que ela realiza por lá. Foi, de longe, a fazenda mais organizada em termos de estrutura e de maquinário que já visitamos até hoje. Contamos um pouco sobre a visita aqui: Desde então estamos em contato com ela para pegar um café pra gente do Clube. Este ano ela mandou cinco amostras. Provamos todas e selecionamos, às cegas, a amostra que passou para a Seleção Coletiva nacional. A Ucha é uma das pioneiras do café especial no Brasil. Já faz muitos e muitos anos que produz café especial em sua propriedade. Inclusive ela é uma das poucas pessoas que conhecemos até hoje que relatou pra gente que 100% dos esforços que ela faz na propriedade dela é para produzir café especial. Se algo sai diferente disso é porque deu errado. Todo esforço e reconhecimento por seu trabalho a fez subir para o posto político mai alto dentro do café especial e hoje ela está como a presidenta da Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA). O café que escolhemos é da variedade Acaiá, uma preciosidade do Sul de Minas, e o processo de secagem do café é chamado de Black Honey. Pra quem nunca ouviu falar desse processo recomendamos a seguinte leitura: https://www.perfectdailygrind.com/2017/02/yellow-red-black-honey-processed-coffees-whats-difference/ Resumindo, o café é colhido e descascado a seco. Toda mucilagem presente no grão permanece junto ao café e daí o café vai para os terreiros suspensos para secar. O que define o Black Honey é que o processo de secagem dele é inteiramente na sombra. Isso propicia uma secagem beeeeem lenta. Esse processo é super trabalhoso e demorado e a chance de dar errado e do café sofrer uma fermentação não positiva é gigante. A combinação de variedade e processo de secagem faz deste café uma combinação única e rara. Aproveitem!! Segue resumo: Fazenda Caxambu e Aracaçu Três Pontas - MG Altitude: 980m Variedade: Acaiá Processo: Black Honey Produtor: Carmem Lucia Chaves de Brito (Ucha) Valor Pago à Produtora: R$ 1.200,00 a saca No aroma notas frutadas, puxando para frutas escuras e uma primeira indicação de seu processo de fermentação. Na xícara uma bebida complexa, muito doce, frutada e com uma finalização intensa e duradoura. Valor do kg do café VERDE: R$32,80. Bem, por enquanto é isso. Amanhã voltamos para falar de outros dois cafés. Att, Igor
  3. 10 points
    Salve. Entrei pro clube dos proprietários deste incrível moedor. Alias, Isso não é um moedor, é um tanque de guerra. Partir para a modificação agora para doserless. Abraços
  4. 8 points
    Recebi minha Robot hoje. Já que esse é o tópico do Kickstarter da Robot e não propriamente de review da Robot, que entendo que por questão de organização devia ser separado, quero fazer algumas considerações sobre a experiência do financiamento coletivo. Primeiramente, acho que a Cafelat e o Paul Pratt estão de parabéns por esse ter sido, fácil, o projeto de financiamento coletivo mais bem sucedido que eu participei em todos os aspectos: desde a fase de financiamento, passando pela fase de desenvolvimento e produção até o processo de entrega. Tudo muito bem documentado, organizado, publicado, programado e, principalmente, cumprido. A primeira impressão do produto é excelente. Mesmo a embalagem já demonstra cuidado, com tudo bem protegido e organizado, com papelão de ótima qualidade. Já sobre a máquina, passa uma impressão sólida, produzida com materiais de primeira, sem economia de matéria-prima ou de acabamentos. A impressão é de um produto muito mais caro do que o que foi efetivamente pago. Além dos acessórios que acompanham, o Paul teve o cuidado de mandar o-ring e gaxeta sobressalentes. Acho que muita gente devia estudar esse case pra ver se aprende alguma coisa sobre financiamentos coletivos e como ser sério e respeitoso com os backers. Naturalmente que a Cafelat vinha desenvolvendo esse projeto há alguns anos e que o financiamento coletivo teve mais a ver com a viabilização da linha de produção, mas na realidade isso é o que menos importa. Eu não me importaria com eventuais atrasos ou contratempos, desde que eu fosse mantido justificadamente atualizado, o que felizmente não foi necessário. Por enquanto era isso.
  5. 8 points
    Salve pessoal, Estamos na estrada desde sexta para buscar os cafés. Já estamos com três que vão entrar na Compra Coletiva e os outros dois vão chegar durante a semana por transportadora! Logo logo tem postagens sobre os cafés e sobre a viagem. Estamos tão envolvidos no processo todo que nem postamos nada no instagram... Esquecemos... Como ainda estamos viajando e visitando fazendas, vamos tentar postar um pouquinho do que tá rolando por lá nos próximos dias. Grande abraço, Igor
  6. 7 points
    E aí pessoal blza? Estou no Paraná, e visitei hoje o sítio do Sr. Evilasio. Ele é um dos primeiros produtores premiados do Paraná, e um dos primeiros a fazer micro lotes fermentados, controlados e etc. Fiquei bem impressionado com os processos que faz e o controle que ele tem de tudo. Bom. Ele me deu duas amostras, um CD e um natural de dupla fermentação. Este último micro, micro nano nada de lote me prometeu caso queira apenas 20 kgs do café, por tanto preciso provar logo e decidir comprar ou não. Aí que entra vocês! Sábado que vem, quero convidar a todos. Mais uma vez vou abusar da hospitalidade do amigo Erick do café MUMU e vamos fazer um cupping aberto, grátis lá para experimentar estes dois cafés. A partir das 14:00. Para compor a mesa, vou levar também um Maragogipe, e o Erick vai disponibilizar um pouco ( faltam apenas poucos kgs para acabar ) do SUDAN RUMÊ. Então tende a ficar uma mesa bem bacana pra gente provar. Assim, podemos decidir com mais segurança com base no gosto de mais pessoas se o café é bom mesmo é de dá pra comprar mesmo. E aí o que acham? Bora? Qualquer coisa só chamar aí! Vou deixar 3 fotos de hoje. Enviado do meu iPhone usando Tapatalk
  7. 7 points
    Depois de um ano usando minha Aram, resolvi criar coragem e desmontá-la por completo. A coragem para desmontá-la veio do fato de que a vazão da água durante o expurgo caiu drasticamente. Eu abria a válvula e a água caia lentamente. Apenas um detalhe sobre a minha máquina. Em maio desse ano ela sofreu um upgrade com relação à versão original do Catarse. Foi trocada a "tampa" da máquina, por onde coloca-se a água e onde o eixo do pistão se apoia. Originalmente a tampa era de latão, e o atrito com o eixo gerava um desgaste de material, provocando a famigerada "aramalha" (limalha de metal). A peça foi substituida por uma nova, feita de inox e com a castanha em bronze. Atualmente, essa peça não mais é usada. A Aram passou a ser fabricada com um eixo de rosca trapezoidal e castanha em algum material que eu não sei qual é, mas acredito que enfim tenha atingido o resultado ótimo nesse ponto. Também foi trocado o conjunto do pistão em si e trocado o eixo roscado. Voltando ao assunto, acabei descobrindo o problema na minha Aram que estava provocando a restrição no fluxo de água no expurgo. O oring da válvula do pistão está danificado. Eu acabei mantendo o mesmo oring, porque não tenho outro. Apenas o coloquei invertido, com o defeito para baixo. Vou entrar em contato com a Aram para verificar se eles disponibilizam orings para reposição. Na minha opinião, a peça que toca esse oring tem a quina muito viva. Somada a pressão da extração, a peça acaba cortando a borracha. Então temo que o problema de desgaste desse oring volte a acontecer cedo ou tarde. Segue abaixo álbum no imgur com todas as fotos do processo de desmontagem. As fotos estão todas com descrição. tags: aram disassembly, repair, teardown
  8. 7 points
    A minha chegou ontem: Tem o mesmo problema da Aram, não conseguindo extrair quente na minha altitude. Enchendo o filtro com água 2x a extração vai com uns 90 C. Para quem mora ao nível do mar é melhor. Funciona bem. Só que faz muita lambança para se extrair um segundo espresso seguido. A única vantagem em relação a Aram é que se perde menos tempo e água nos pré aquecimentos. De resto a Aram é bem mais interessante. Fica na coleção, mantendo a Mini para os cafés diários.
  9. 4 points
    Amostra YWO - Café do Caio O Caio faz parte da quinta geração da família a produzir cafés na Fazenda do Serrado, em Carmo de Minas. Agrônomo por formação, ele é responsável por boa parte de toda evolução e inovação no manejo do solo e das lavouras que a Fazenda do Serrado vem fazendo nos últimos anos. Possui também experiência como trader na área de café e já morou nos Estados Unidos. Sobre a propriedade, do total de 59 hectares, 34 são dedicados ao cultivo do café de diferentes tipos e o beneficiamento é feito na própria fazenda. A variedade que se destaca é o Bourbon Amarelo, que encontra na localidade condições ideais para crescer e apresentar o seu melhor potencial. A fazenda do Caio é uma das participantes do Programa de Qualidade Sustentável Nespresso, desenvolvido pela CarmoCoffees com os produtores parceiros da região de Carmo de Minas desde 2011. Através dessa parceria, eles perceberam a importância de utilizar adubação orgânica e diminuir a geração de resíduos, melhorando a condição ambiental da propriedade. Já tivemos a honra de visitar a Fazenda do Serrado e ver o trabalho que fazem por lá. É perceptível todo cuidado com a lavoura e com o café tanto na colheita quanto no pós colheita. Sobre o café que o Caio reservou pra gente, segue um resumo: Fazenda do Serrado Carmo de Minas - MG Altitude: 1200m Variedade: Bourbon Amarelo Processo: CD Produtor: Caio Valor Pago ao Produtor: R$ 1.100,00 a saca No aroma mel e frutas amarelas. Na xícara uma bebida delicada, com doçura limpa, notas de mel e um leve frutado na finalização. O corpo desse café é alto e em combinação com sua doçura e traços frutados acreditamos que pode ser um excelente café para um espresso origem única. Valor do kg do café VERDE: R$31,00
  10. 4 points
    Dando continuidade: Café do Eduardo - Entrando no lugar do Café do Cleverson (amostra YHS) Desde que começamos a organizar as Compras Coletivas um dos nossos sonhos é conseguir um café da região de Cristina. Os cafés de lá são reconhecidos mundialmente, tendo dominado por vários anos seguidos as primeiras colocações do Cup of Excellence (um dos campeonatos de qualidade café mais importante). Acontece que entrar nessa região sempre se mostrou muito complicado. Provavelmente por conta da fama internacional que a região tem, muito dos cafés de lá vão direto para o exterior. Para conseguir um microlote pra gente foi necessário ir até lá buscar umas amostras. Fizemos isso no final de agosto e na época conhecemos o Cleverson e o Eduardo, jovens irmãos de 22 anos e 19 anos respectivamente, que são produtores do Sítio Vargem Alegre. A história do Sítio Vargem Alegre começa os pais dos jovens produtores, Sebastião Daniel e a sua esposa Hilda Cândida da Silva. Antes de trabalhar com o café eles faziam o cultivo do arroz na região. Entretanto, com a queda nos preços da cultura e com a escassez da água, surgiu em 1988 a necessidade de partir para uma nova cultura, o café. No início começaram com o café convencional, mas o custo da produção era muito alto devido a topografia da região e a falta de mão de obra. Desta forma, em 2012, passaram para a cultura de café especial como prioridade na propriedade, sendo ela a responsável por boa parte da renda da família na atualidade. Mas nem sempre foi assim, eles contam a história que em 2015 o Sr. Sebatião Daniel da Silva, quis vender um pedaço de terra com café para levantar um dinheiro para pagar umas contas. Na época, com 19 anos, o Cleverson pediu para o pai para assumir essas terras que ele ia vender e tocar o café desse talhão, o pai aceitou. No primeiro ano que ele assumiu a lavoura choveu bastante na época da pós colheita e isso acabou complicando um pouco a qualidade dos cafés. Já no ano seguinte, em 2016, tudo ocorreu bem e a colheita e secagem dos cafés aconteceu conforme planejado pelo Cleverson. Nesse ano o café colhido por ele nesse talhão ficou com o segundo lugar no Cup of Excellence com 90,34 pts e a saca do café foi leiloada a 14mil reais. O valor do lote todo desse café superou o que o pai estava pedindo em 2015 pelas mesmas terras que produziram o café premiado. Desde então eles colecionam premiações! Agora sobre o café que pegamos para a nossa Compra Coletiva. Inicialmente havíamos provado um Bourbon Vermelho, que foi a amostra que buscamos no final de agosto. Esse foi o café que mandamos para a Seleção Coletiva, era a amostra YHS. Entretanto, antes de posicionarmos sobre o nosso interesse nesse café, Eduardo o colocou em um concurso de qualidade da região, o BestCup organizado pela CarmoCoffees. Acontece que esse lote ficou em segundo lugar na competição com mais de 90pts e foi leiloado a 6,5mil reais a saca. A gente havia oferecido 1,8mil na saca, então nem preciso dizer que a negociação desse café melou, né? Para não ficarmos sem um café do Sítio Vargem Alegre, provamos de última hora três amostras que enviaram para a gente de um outro café, um Catuaí Amarelo. Acabamos selecionando uma dessas amostras, o lote 03. Desse lote só foi produzido 3 sacas e tudo foi inteiramente reservado para a gente. Como é um café com um a pontuação um pouco inferior ao que provamos inicialmente, acabamos por oferecer um valor inferior também, de R$1.500,00 na saca. Segue o resumo do café que pegamos: Sítio Vargem Alegre Cristina - MG Altitude: 1320m Variedade: Catuaí Amarelo Processo: Natural Produtor: Eduardo Daniel da Silva Valor Pago ao Produtor: R$ 1.500,00 a saca Café muito aromático, tanto o cheiro do grão verde quanto do torrado. O aroma desse café torrado remete a frutas amarelas. Na xícara notas de chocolate e damasco. A sua acidez é citrica, seu corpo é alto e cremoso e sua finalização limpa e agradável. Este é o que chamamos de um café natural correto, ou seja, que não passou por nenhum processo de fermentação induzida ou espontânea exagerada. Valor do kg do café VERDE: R$38,10
  11. 3 points
    Finalmente chegou. O ruim é que o que tinha em 220v era tomada padrão europeu e o plugue é mais espesso, vou ter que procurar um adaptador que encaixe. O bom é que pelo que li, ela já é rápida em 110v, em 220 tem o dobro da potência. Espero que funcione bem. Cerca de 55 dias até a entrega. Sem imposto. Com taxa de despacho. Enviado de meu Moto G (5) Plus usando o Tapatalk
  12. 3 points
    Segue a mudinha depois de plantada!
  13. 3 points
    Como curiosidade, no último preparo de coado isolei bem a balança e coloquei a chaleira aberta em cima com uns 800ml de água a 90C. Perdi 1g de água em 47s. No coado o efeito é potencializado pelo papel, que aumenta muito a área de contato com o ar.
  14. 3 points
    Ruben, respondendo no tópico certo agora, uma parte do problema pode ser causada pelo aquecimento do sensor que, aliás, é um fenômeno comum a todas as balanças digitais; porém, estando bem isolada termicamente a base balança, também a evaporação causa uma nítida supressão da massa líquida. Portanto, pode ser algo relativamente normal isso que vc está observando. Você pode comparar a contribuição da evaporação pro fenômeno usando algum recipiente que conduza calor e que tenha tampa (pote de vidro, por exemplo). Encha de água quente e deposite sobre a balança, uma primeira vez aberto, e de outra fechado. Provavelmente você notará diferença. No caso do coado, normalmente a área de contato com o ar é grande, o que maximiza o efeito da evaporação.
  15. 3 points
    A partir de certo ponto só sobra praticamente água, Sérgio. Depende até que ponto que você leva o processo e depende também do seu objetivo com o processo. Pro meu, interessa apenas o sabor em detrimento da composição analítica, e o método se mostrou consistente nas vezes que repeti. De qualquer forma, muito provavelmente o leite também não tem exatamente a composição que consta na embalagem. Agora, se a aplicação exigir conhecer exatamente essa composição, para uma aplicação culinária mais precisa, pode não servir. Eu poderia ter derretido a água que sobrou e provar, por exemplo, mas não fiz. Pra cappuccino, que foi a proposta, acho desnecessário. Mas isso sou eu. A técnica está aí, e afinal sobra só leite, do mesmo leite que você utilizou, sem nenhum elemento estranho. O bacana dela é a simplicidade.
  16. 3 points
    Recebi ontem no fim do dia, já fiz várias compras desse vendedor no AliExpress, envia rápido, tem bom preço e vende boas marcas; ótimos produtos! Definitivamente recomendo!!! Comprei um Sifão Hario deles também, chegou beleza! Paguei 10,5 Trumps, está 12 hoje, mas tinha uma pequena 'promo'. Quase toda a loja tem frete grátis. https://pt.aliexpress.com/item/Resistente-Ao-calor-Vidro-V60-Gama-Servidor-360-580-780-ML-Chaleira-Garrafa-de-gua-de/32858344618.html?spm=a2g0s.9042311.0.0.548db90aqkhgj4 Agora ... morri nos 15 mangos que os correios cobram para existir. Enviado de meu MI 6 usando o Tapatalk
  17. 3 points
    @Murilo Lins, comprei o kit de 4 bicos da Rocket e um adaptador, pois o sistema deles é invertido em relação ao ECM. Testei com todas, desde 1 furo até os 2 tipos de 4 furos, e o "especial" de 4 furos foi o que gerou turbilhonamento mais fácil em recipientes grandes, além de aquecer muito mais rápido. Contudo, notei que a pressão cai mais depressa do que o sistema de aquecimento e reabastecimento da ECM conseguem manter em equilíbrio. Se tiver de aquecer muito leite, vai acabar precisando parar pra esperar a caldeira recuperar pressão. O bico de 2 furos é balanceado pro sistema, dá pra ficar vaporizando sem parar, pois a máquina preenche a caldeira e o elemento térmico é capaz de manter o aquecimento forte o suficiente pra compensar a perda da pressão do bico original. Hoje quase não uso os bicos de 3 e 4 furos da Rocket, só quando quero fazer meus testes "Professor Pardal" ou algo assim. Já o de 1 furo eu uso bastante quando quero fazer apenas 1 Cappuccino ou 2 Machiattos, que requerem pouco leite, pois é bem mais fácil alcançar a textura certa em um recipiente menor com pressão reduzida. @LUW, acho que os bicos da Bezzera funcionam direto na ECM. Se for comprar, não compre sem olhar se é compatível, foi uma dor de cabeça fazer um adaptador pros bicos da Rocket funcionarem na minha.
  18. 3 points
    @LUW, você chegou a experimentar com a bandeja acrílica sobre a balança, como nas fotos abaixo? Talvez caiba na sua máquina se colocar "de lado".
  19. 3 points
    Sina da minha vida: é só eu comprar que baixa o valor
  20. 2 points
    Para aquisição segue canais para contato: Facebook: https://www.facebook.com/joao.tampers Instagran: @joaojctampers Wattzapp: 01199503-2075 E-mail: jctampers@gmail.com
  21. 2 points
    É do Gil? Até injeção na testa... [emoji1][emoji1][emoji1] Enviado de meu SM-A520F usando o Tapatalk
  22. 2 points
    Um amigo me deu uma ótima ideia de fazer uma mini extensão com um lado fêmea de 20A e o lado macho de 10A, padrão das tomadas de casa. Ele fez isso numa cafeteira que comprou, cujo plugue era mais espesso. Enviado de meu Moto G (5) Plus usando o Tapatalk
  23. 2 points
    Tá aí... Enviado de meu Moto G (5) Plus usando o Tapatalk
  24. 2 points
    Nem sei do que se trata, mas se tem fila deve ser bom. Estou na lista né Gil?
  25. 2 points
    Rsrsrs, @Cabral, vou ver, se não estiver eu coloco , rsrsrs , assim fica os R$ 800,00.
  26. 2 points
    Eu estou assim, vou aguardar o 2º turno na expectativa do EURO chegar a R$ 4,00, se não chegar vou comprar no valor que estiver, consegui fechar parcialmente o custo e terei que vender a R$ 950,00 se não conseguir reduzir alguma coisa, de qualquer forma todos que entraram na fila comprarão pelos R$ 800,00 planejados.
  27. 2 points
    Espresso1: Bourbon Amarelo do Octavio Café. Muito acido, limão tahiti no espresso, Falta equilibrio! vamos tentar no v60 ver se melhora! Espresso2: Bourbon Amarelo REI DO CAFÉ - Santos/SP Encorpado, licoroso, acidez balanceado, tostado caramelo na medida. Coado : Grão fermentado SANTO GRAO - `` AZEITONA´´ Muito surpreendente, recomendo! Alias eu nem sabia que SANTO GRAO tinha a linha de café especiais.
  28. 2 points
    Grande @Gilberto estamos ansiosos para ver o Prototipo ai do novo Bravo. Mas Gil e @Mesquita assim não querendo desanimar não, mas as expectativas do dolar é para 3,70 pos-eleição podendo bater 3,60. Se o euro acompanhar a escalada (proporcional) vai bater de 4,20 a 4,10 (cenario otimista e olha que la ainda tem o Brexit, que ta osso tambem). Tomara que estejam enganados e os deuses do café nos ajudem!!! hehehe Abraços.
  29. 2 points
    Bom dia galera do clube do café, Sou novo aqui no fórum, e gostaria de uma ajuda de vocês! Ganhei uma "muda" de pé de café esse final de semana. Ela esta meio grande já e eu queria plantar ela em um vaso. Gostaria de recomendações de tamanho de vaso, solo, adubos que eu deveria usar! Sou novato em cuidar de plantas. Segue uma foto da mudinha. Abraços.
  30. 2 points
    Valeu @Carneiro, @Rodolfo M e @LUW! Realmente, comprar do exterior, pelo menos os livros são só os 15 xinglings dos correios! Queria aguardar uma futura edição, fora que o doleta tava pela hora da morte, mas colegas aqui me mandaram um link para um material muito bom, valeu @Marcos Sampaio! De todo jeito quando sair uma nova versão do livro devem publicar digital também, daí facilita. No site do Rao está por 47 e frete 20. Abraços a todos! PS: @Carneiro vi uma foto sua esses dias ...
  31. 2 points
    @Simo, tenho prata sim, qual sua máquina ? @EduardoAlemao, estou meio atrasado, o protótipo vai ficar pronto este mês. As mos não comprei ainda , vou esperar o EURO chegar a R$ 4,00 para comprar as mos, vou esperar até 1 semana depois das eleições.
  32. 2 points
    Pode comprar sem medo. Os caras são sérios e a qualidade é excelente. Enviado de meu SM-A520F usando o Tapatalk
  33. 2 points
    Isso mesmo Miguel, é do pessoal do Fruto Mineiro. Cara, o café da Ucha por se tratar de um fermentado pode ser um pouco difícil de torrar. Já os outros não devem apresentar muitas dificuldades. Entretanto é meio cedo ainda pra afirmar isso com convicção. A gente mesmo torrou esses cafés de uma a duas vezes no máximo até agora e focamos em fazer uma torra de prova somente. A ROAST Cafés vai aquirir um pouco de café junto a Compra Coletiva para torrar exclusivamente para os membros do fórum. Os cafés serão disponibilizados exclusivamente no site a partir do dia 29/10. Mais detalhes sobre a comercialização dos cafés torrados pela ROAST, assim como das outras torrefações, serão disponibilizados aos poucos por aqui.
  34. 2 points
  35. 1 point
    Aqui esta tudo a pleno vapor , ou quase, rsrsrsrsr
  36. 1 point
    Pra café solúvel, um dos processos possíveis é liofilização, mas envolve sublimação e é bem diferente. O objetivo da destilação é separar uma mistura de líquidos. Mas existe uma etapa do beneficiamento de café solúvel que envolve a concentração do extrato de café e que antecede a remoção da água... Não sei qual o processo para essa etapa. Na realidade é uma operação complexa.
  37. 1 point
    Se eu puder sugerir, use um adaptador daqueles de modelo antigo para o novo uns tempos, funcionando sem problema, passa a faca e coloca um plugue do modelo novo. Faço com todos eletrodomésticos nacionais quando do modelo antigo saíram da garantia. Os importados uso uns dias e passo a faca para colocar uma tomada brasileira de qualidade (pial, etc.).
  38. 1 point
    Mais um feliz proprietário de um MD40: Recebi ontem, o vendedor disse que as mós foram recem trocadas (moeu cerca de 3kg com ela), e foi todo limpo e aspirado antes de me enviar - pelos testes que fiz até o momento, parece procedente a informação. Esse bico impresso em 3D eu pretendo substituir, pois não tem abertura pra eu varrer/aspirar a retenção que fica no duto. Estou cotando pra imprimir o modelo postado pelo Lisboa - mandei o arquivo pra algumas empresas e estou esperando o orçamento. Uma dúvida: a regulagem deve ser feita com o moinho ligado, certo? Mas precisa ter café, ou posso fazer com ele vazio?
  39. 1 point
    Bacana Vini. Realmente tive muita sorte. O Eduardo de Vinhedo me vendeu ele com as mós zero km, e com o mini Hopper. O moedor está impecável. Já fiz uns 15 espressos com ele e é incrível sua repetibilidade. Realmente o mazzer é um ícone no mundo do café. Estou satisfeitíssimo. Abração
  40. 1 point
    Muito massa ! Essa planta tem no mínimo dois anos. Boa sorte vai contando pra nós os acontecimentos
  41. 1 point
    Salve @André Santos Savini!! Você já deu uma lida nesse tópico do Rodolfo ?? Ele é bem legal...só não mostrou como fica na xícara!! Mas já da pra ter uma noção..
  42. 1 point
    O álbum está embutido no post. Talvez não apareça no tapatalk, não sei. Vou tentar deixar o link aqui: https://imgur.com/a/MwDdtl4
  43. 1 point
    Se vocês procurarem por milk freeze distillation, vão achar publicações sobre o assunto, inclusive com algumas respostas para as dúvidas que surgiram. A técnica não é exatamente novidade, apenas a aplicação que sim. Minha intenção com o post, repito, é apresentar mais uma técnica pro arsenal do barista, sem maiores preocupações com a físico-química do processo. Mas essas informações existem.
  44. 1 point
    Jovens, lhes digo: Dois últimos pitacos ... 1 - 'De vez em quando' (tipo a cada seis meses) usem um spray 'limpa contato' (exemplo esse do link ou esse do Mercado Livre) nas balanças de vocês. Faço isso em controles de garagem, balança e controle de vídeo game. Ele limpa e previne oxidação dos contatos, soldas, placas, etc. 2 - Sugiro mandar fazer em uma loja que trabalhe com acrílico uma bandeja que se adeque ao que você quer exatamente, eles cortam e dobram e não fica caro. Aqui perto de casa eu tenho uma assim, se quiser posso mandar fazer de acordo com sua especificação e despacho pc. Pode ser o tamanho da bandeja superior onde ficam as xícaras, por ex., isola, previne respingos, e tals. Abrax, boa sexta na quinta pra vocês.
  45. 1 point
    @Marcos Sampaio, essas balanças grandes não cabem por causa do bico de expurgo (saida da vávula de expurgo? não sei o termo correto) que desce por trás. Com a bandeja ou mesmo o anteparo elas ficam com um tanto para fora, e ferra a pesagem pois não ficam planas. @Cabral, sendo sincero, eu li isso da água evaporando mas só testei quando ela chegou com a xícara diretamente em cima, não me toquei de colocar um anteparo. De modo geral eu sempre ponho algo entre a xícara/bule e a base de pesagem, justamente pelo medo do calor acabar danificando a balanca (para a Hario usava aquele coaster que vem junto na Clever). Para essa nova usa a bandeja pequena. A bandeja grande uso para guiardar debaixo da cafeteira, que fica melhor para puxar para fora. E pensei em isolar somente o corpo da balança, sem mexer na bandeja de pesagem, mas não sabia como remover a bandeja sem estragar. Burny, qual é essa?
  46. 1 point
    Sobrando não está, mas mandar os filhos para a faculdade é superfluo.
  47. 1 point
    Mas importar é só frete, não paga impostos.
  48. 1 point
    @carlos eduardo .. já de madrugada, Gil continua tentando finalizar as 2500 peças, agora com estímulo positivo de colegas foristas. Segura o home!
  49. 1 point
    Recebi a base do Mini. Gostei bastante, bem robusta e firme, nem mexe durante a moagem. Entrega foi relâmpago, Gilberto enviou ontem de tarde e recebi as 15:00.
  50. 1 point
    Segue imagens da base do Bravo Mini com o suporte em madeira, o suporte da foto ainda é o protótipo, o definitivo pego no inicio da semana, e tenho que lixar, ...... ajustar .....
×