Jump to content
Strawberry Orange Banana Lime Leaf Slate Sky Blueberry Grape Watermelon Chocolate Marble
Strawberry Orange Banana Lime Leaf Slate Sky Blueberry Grape Watermelon Chocolate Marble

Leaderboard


Popular Content

Showing most liked content since 12/14/2017 in all areas

  1. 30 points
    Para não tumultuar o tópico oficial do @Gilberto, resolvi criar um tópico específico com as minhas experiências de uso do Bravo Mini. Assim aquele tópico oficial fica para dúvidas e esclarecimentos técnicos e nós azucrinarmos o Gil com pedidos absurdos e perguntas bestas só para ver se tem como ele ficar mais calvo e definitivamente nunca mais precisar ir ao cabeleireiro. Mesmo depois de MUITO incomodar o Gil, ele foi gentil o suficiente para fazer um BM para mim, e com a base. A primeira coisa que chama a atenção, é a solidez tanto do BM como da base. Tenho plena convicção que o conjunto vai ser herança de gerações futuras aqui, pois tanto o moedor como a base são extremamente robustos. Só o BM pesa 1,6 kg (já vou comentar sobre isso). Sou pediatra por profissão, mas tenho um grande apreço por máquinas e ferramentas, e com o passar dos anos criei gosto por ferramenta de qualidade. Minha esposa riu quando falei isso para ela, mas o BM me parece ferramenta de origem germânica de tão bem feito. A primeira coisa que fiz quando recebi as caixas foi abrir tudo e desmontar tudo o que não precisasse de ferramenta, e quando soltei o copo do moedor, sendo de metal, coloquei com cuidado sobre a bancada (de azulejo) para não riscar. Mas para a minha supresa, na base do copo tem um o-ring de borracha que funciona como suporte. E é esse tipo de detalhe que faz o BM simplesmente demais! Coisa de ferramenta profissional, feita por quem entende para quem entende. O acabamento tanto do moedor como da base são primorosos. Mas apesar do excelente acabamento, a qualidade das peças em termos de robustez parece coisa de padrão profissional, feitos para serem usados mesmo. Nada de peças de plásticos que dão aquele aspecto de quebrou-compre-outro que é a norma da indústria hoje em dia. Mas e funciona para moer café? É um moedor pesado, mas como podem ver, cabe na mão. Apesar do Gil chama-lo de Bravo Mini, eu acho ele bem grande, a ponto que sinceramente não acho prático para ser carregado por aí. Se fosse levar um moedor portátil, eu levaria o muito inferior Hario Mini e não o BM, simplesmente porque o trem é grande e pesado demais. Por causa do peso, achei meio incômodo de usar na mão, e olha que tenho mãos grandes. Perguntei para a minha esposa, com seus 164,5 cm (não sei porquê, mas ela faz muita questão desse 0,5 cm), o que ela acharia de usar sem a base, e após manusea-lo disse que só conseguiria usar com apoio. "Mas por que você quer usar ele na mão?", foi a pergunta que me fez em seguida. Para não me extender muito e esgotar meu dicionário de superlativos, o BM é muito bom, mas na base o BM é simplesmente f-o-d-á-s-t-i-c-o. Eu comprei o BM porque precisava de um moedor "bom para espresso". O meu Encore é (razoavelmente) bom para coados, mas apesar de ser no mínimo razoável para espresso, faz uma retenção sacripanta de pó, exigindo limpeza muito mais frequente. Por causa disso, acabava usando o bem mais prático Hario Mini, que é até bom para espresso, mas essa estória de ter de suar a camisa para tomar espresso não rola para mim. Nisso surge o Gil com o BM e base. O BM produz uma consistência na moagem que é impressionante. A foto acima é grão moído na regulagem 1v+9, que fiz para tirar um shot de espresso na Aram, usando o "Blend Clássico" da Lucca (torra de 30 de janeiro!) - fotos mais abaixo. Moí 16,1 g, e girando a manivela de forma bem suave, sem encostar na base ou no moedor com a outra mão, levei exatos 33 segundos! Ontem a noite, na mesma moagem e mesmo grão e mesmos 16 g, socando a bota levei apenas 22 segundos. Portanto ele é rápido, mais rápido até que o meu Encore. E por causa do tamanho da manivela e manípluo, mesmo sentando o cacete não cansa nem machuca a mão. Nessas duas fotos podem ver porque o meu copo não é preto como o resto do BM - queria poder ver com facilidade o pó lá dentro. Fiz essas duas fotos em seguida, mas a primeira fiz depois de tirar o copo com o máximo cuidado do moedor, sem bater em nada, pois queria pesar o resultado. Moí 16,1 g de grãos e no copo eu consegui 15,96 g. Coloquei o copo de volta no moedor e depois de umas batidas recuperei os parcos 140 mg que ficaram presos no moedor. Isso, senhores, representa apenas 1,15% de retenção. Que outro moinho faz isso? Resultado na xícara: espresso padrão (nota 8 talvez até 9 porque o Blend Clássico não é um pusta café). A impressão que tenho é que consegui tirar uns 90-95% do que esse grão tem para oferecer em um shot de espresso. Para tirar os 100% precisaria de uma cafeteira com melhor controle de temperatura. Mas sendo absolutamente sincero eu só sentiria a diferença se tivesse tirado os dois shots, um na Aram e o outro na tal cafeteira melhor, lado a lado e ao mesmo tempo. Crema grossa e persistente (só lembrando que a torra é de 30/01!) e um sabor bem equilibrado. Eu já tinha conseguido tirar vários shots nesse padrão de qualidade com esse mesmo grão, usando tanto o Encore como até o Hario Mini, mas com o BM foi rápido, sem suadeira e sem encheção de saco depois. Portanto, tenho espresso excelente em casa que é rapidíssimo de fazer até de manhã cedo (nenhuma cafeteira elétrica profisional bate a Aram nesse aspecto), mas sem cansar ou ter de ficar desmontando moinho para limpar. O BM basicamente aposentou tanto o meu Encore como o Hario Mini, pois ele faz o que os dois outros fazem, mas de forma muito melhor. A consistência de moagem é sempre fantástica, mesmo moendo mais grosso para coados. Ontem a noite moí uns 50 g (no 1v+15 a 1v+20) para V60, mas como estava de noite, nem perdi tempo de tentar fotografar, mas acreditem quando digo que o resultado também foi café moído de forma MUITO consistente. Só não usei ainda para Moka, AP ou FP. O moedor é realmente fora de série, contudo, a base é tão importante quanto o moedor. Sei lá que diabos de ventosa é essa que o Gil usa (não pego na mão de medo de nunca mais descolar), mas as quatro ventosas mantém a base absolutamente imóvel, não descolam de jeito nehum. E olha que a minha bacada é azulejo, acho que em vidro ou metal polido nunca mais descola. Firme desse jeito fica muito fácil usar o moedor, sem ser necessário nada de força - e as torras da Geórgia da Lucca (benzadeus!) sempre são mais para claras do que escuras. O Bravo Mini é simplesmente sensacional, o moinho que basicamente acaba com essa estória de ser preciso moedor específico para um método específico. É um equipamento bonito, robusto e eficiente, e ainda por cima, não depende de luz. Os meus mais sinceros cumprimentos ao Gilberto, pois criou um produto incrível.
  2. 27 points
    Agora que passou a correria da Compra Coletiva, dá pra contar um pouco da última aventura que arrumamos por conta do café. Todos os cafés dessa CC são das Matas de Minas ou de locais próximos. A Roast também anda fazendo negócios na região. Então foi pra lá que saímos na sexta dia 01/12 bem cedo pra fazermos o seguinte trajeto em 3 dias (ou pelo menos era a ideia): A: BH / B: Araponga / C: Santa Margarida / D: Coletivo Café (Venda Nova do Imigrante) / E: Guaçuí / F: Pedra Menina / G: Alto Caparaó Saímos de BH debaixo de chuva, que seria nossa companheira de viagem por boa parte do tempo. A primeira parada, depois de umas 7h na estrada, foi Araponga, estrela da vez nos concursos nacionais. Fomos recebidos pelo Paulo Henrique, seu pai e outros parentes, no escritório/laboratório de torra/tulha que a família tem na cidade. O gente boa estava acabando de preparar umas mesas de prova pra gente com cafés deles e outros produtores da região: Igor e Paulo Henrique no laboratório de torras Encontramos lá ninguém mais ninguém menos que Leo Moço, também aguardando pra provar os cafés. Fizemos duas rodadas de prova, e ficamos bem satisfeitos pelo lote 3 que havia sido escolhido pra CC, já que ele realmente estava dentre os melhores (o que veio a se comprovar quando ele ganhou o 3o lugar CD das Matas de Minas pela Emater). Tivemos a oportunidade de provar novamente o campeão do Coffee of the Year, que estava no nome da mãe do Paulo, a Sandra. Que cafezão!! Botamos as duas sacas do lote 3 no porta-mala, nos despedimos, e partimos rumo a Santa Margarida, sem saber os desafios que nos aguardavam na estrada. O caminho que fizemos passa por cima da Serra do Brigadeiro, e os cenários que apreciamos chegando na serra é dos mais bonitos que já vimos nessas nossas aventuras cefeinadas! Bate de frente com os vales do Caparaó! A foto aí não faz jus ao que a gente viu, quase não deu pra sair do carro por conta da chuva… mas é o que tem: Cenário próximo à Serra do Brigadeiro Depois de apreciar as paisagens tivemos que encarar já no escuro uns trechos beeem complicados de estrada de terra. Pra minha sorte o Igor tem experiência em trilhas um tanto mais difíceis, hehe. O registro na manhã seguinte mostra o estado que ficou o carro, causando essa cara de desgosto do gato Resultado do rally para Santa Margarida Chegamos bem tarde em Santa Margarida, e por mais inconvenientes que nos sentíssemos, fomos super bem recebidos pelo casal de produtores Rosângela e Eliéser! Nos hospedaram no improviso mas com um conforto pra ninguém botar defeito! Eu e o Igor com a Rosângela e Eliéser em sua propriedade em Santa Margarida Na manhã seguinte conhecemos rapidamente a propriedade, e foi muito legal ver o esforço que eles têm feito nas últimas safras pra produzirem cafés de qualidade. Terreiro suspenso na propriedade da Rosângela e Eliéser: uma das ferramentas usadas na busca por qualidade Como era uma quantidade maior de sacas que o casal iria nos fornecer, não teria como levar no nosso carro. Então combinamos a forma de entrega das sacas e partimos para Venda Nova do Imigrante, para participarmos de mais uma edição do Coletivo de Portas Abertas, no Coletivo Café, espaço super legal do pessoal do Have a Coffee. Este ano o evento foi bem mais completo, contando com vários cursos e palestras, rodadas de negociações, barracas com comidas variadas, etc. Encontramos com vários conhecidos, experimentamos cervejas artesanais da região, assistimos uma palestra da Raposeiras sobre torra de prova… Palestra da Isabela Raposeiras no Coletivo Café sobre torras de prova … e participamos das mesas de cupping para negociação: Uma das rodadas de prova e negociação no evento do Coletivo Café Os microlotes dos cafés provados (entre 15kg e 2 sacas) estavam sendo arrematados por valores pré-definidos pelos produtores, com um pequeno acréscimo a ser revertido para os custos do evento. Arrematamos uma saca de um pequeno produtor de Pedra Menina para a Roast. Já de noite, saímos numa chuva leve rumo a Guaçuí, pra encontrar com nosso amigo @dessidepaula. Mais uma vez lidando com estradas não muito favoráveis, chegamos bem tarde. Mas de qualquer forma, fomos recebidos de braços abertos pelo Leandro. Acordamos com uma mesa de café da manhã cinco estrelas nos esperando. Em seguida, fomos dar uma volta pelo cafezal pra ver como estava. Propriedade do Leandro Ficamos surpresos ao ver pés de Obatã Vermelho com os frutos ainda acabando de amadurecer em dezembro! E também foi curioso ver no mesmo pé cereja, flor, e frutinhos verdes. Na nossa última conversa com o Leandro, que ocorreu agora logo depois do Natal, ele comentou que esse Obatã V. já foi colhido e está seco. Ficou de nos mandar uma amostras desse café e com toda certeza tem potencial para aparecer por aqui novamente em futuro não tão distante. Cerejas do obatã vermelho, em alguns ramos se misturando com a florada da safra seguinte Voltamos da caminhada e fomo nos divertir no Probatino novinho em folha do Leandro. Fizemos vários batches, a maioria de cafés dele mesmo, e alguns de amostras que tínhamos ganhado na viagem. Torrando alguns batches no Probatino Logo em seguida já fizemos um cupping de alguns batches, e mesmo recém-torrados deu pra ver o potencial dos cafés do Leandro, e como o esforço em produzir melhores cafés está dando resultado, mesmo com tão pouco tempo. Após o almoço, o Leandro nos honrou com um convite: nessa nova fase que ele, a família e a fazenda estão vivendo no ramo de cafés especiais, ele está plantando árvores no pomar da casa como símbolos dos novos vínculos que ele está formando com pessoas do ramo. Então fomos convidados para plantar duas mudas que vão representar esse nosso laço de amizade, o trabalho que estamos realizando conjuntamente, e os projetos futuros que vamos construir. Igor e Leandro plantando uma muda como símbolo do vínculo que o café especial criou entre nós Três gerações de produtores: duas de fato, e uma estamos na torcida pra assumir o legado do pai Nos despedimos, pra seguir até Pedra Menina. Foi este o trecho mais complicado da viagem, pois saindo de Guaçuí tivemos que passar em algumas estradas bem complicadas por conta do grande volume de chuva durante a noite anterior. Em uma subida mais difícil eu tive que descer do carro pra empurrar, com lama até a canela, kkkk. Em alguns trechos, mesmo asfaltados, a estrada estava bem obstruída: Um dos muitos deslizamentos na estrada Finalmente chegamos em Pedra Menina e fomos direto pra Cafeteria Onofre, da família Abreu de Lacerda. Encontramos com o Afonso, já nos aguardando, além de muitas outras pessoas entre parentes e visitantes, já que a cafeteria sempre anda muito movimentada. Entre os visitantes com quem conversamos estava a Georgia do Lucca Cafés de Curitiba, o professor João Batista Pavesi (orientador da Caparaó Jr., empresa júnior do curso de Tecnologia em Cafeicultura, do IFES, que está fazendo um trabalho super legal com os produtores na região), e um grupo de jovens amigos moradores da região pra quem demos umas dicas sobre cafés especiais e torrefação doméstica. Mais uma grata visita ao Afonso e à família Abreu de Lacerda Depois de bater muito papo, sempre acompanhado de um cafezinho, e quando vimos que não ia demorar pra escurecer, carregamos o carro com as 3 sacas do lote do Afonso da CC e partimos para Alto Caparaó. Desta vez o Igor tinha um novo copiloto: Novo copiloto do Igor. Não gostou muito não… diz que ele era um saco! Isso já era no final da tarde de domingo. Não tínhamos mais cafés para pegar, mas queríamos muito passar em Alto Caparaó, e queríamos evitar fazer a viagem toda de volta pra BH de noite com chuva. Resolvemos então que iríamos dormir numa pousada em Alto Caparaó e voltar pra BH no final da manhã de segunda. Ao chegar em Alto Caparaó, deixamos nossas coisas na pousada e fomos encontrar com a produtora Carlizany. Fomos super bem recebidos por ela e sua família, apesar de já ser tarde. Fomos servidos com um cafezinho excelente, e a conversa estava boa e se estendeu até quase meia noite. Ouvimos os relatos sobre os esforços recentes da família para produzir cafés de qualidade, as participações nos concursos, e as dificuldades que eles enfrentam. O Tino apareceu por lá também, ele é da família do marido da Carlizany, e nos oferecemos para preparar o café dele que tínhamos levado. Foi unanimidade, todos reconheceram o potencial do café. Eles nos contaram como nos últimos anos o Tino tem alternado como campeão do concurso do Alto Caparaó com outro produtor da região, o Zé do Alexandre. Quando perguntamos pro Tino sobre possível fermentação do lote que compramos, ele confirmou o fato e nos explicou sobre o processo: os cerejas da colheita seletiva ficavam armazenados em sacos fechados no cafezal ao longo da semana à medida em que eram colhidos, e somente no sábado eles desciam o morro com os sacos para despejar tudo no terreiro. É um procedimento arriscado, mas que no caso dele acabou dando um ótimo resultado, provavelmente por conta da alta altitude dos talhões e do clima ameno da região. Nos despedimos e ficou combinado que encontraríamos com o Marcos, marido da Carlizany, na manhã seguinte bem cedo. Como combinado, o Marcos nos pegou na pousada segunda cedo e fomos fazer uma visita na propriedade do Zé do Alexandre, já que a Roast garantiu algumas sacas de seu lote campeão do município e gostaríamos de conhecê-lo. Ele nos recebeu de braços abertos, mesmo que não tivéssemos marcado a visita, e o papo foi bem interessante. Visita à propriedade do simpático Zé do Alexandre Fomos depois nos encontrar novamente com o Tino pra pegar umas amostras de outros lotes interessantes que ele colheu nesta safra. Aproveitamos para registrar o momento nessa foto que merece até ser emoldurada Expressão da felicidade que lidar diretamente com o produtor nos traz Voltamos pra pousada para tomar um café da manhã rápido, juntar nossas coisa, e partir pra BH. Depois de tantos momentos gratificantes, novos vínculos com produtores, e aprendizado, tivemos que encarar 11h na estrada por conta de desvios e retornos que tivemos que fazer pra evitar alagamentos e acidentes. Sim, aquela volta gigante no mapa passando por Ipatinga é o que realmente fizemos, pra fugir de Rio Casca que estava inundada. Chegamos em BH umas 22h bem cansados, mas com a imensa satisfação pela missão cumprida.
  3. 27 points
    Bastante tempo sem escrever, ainda que de longe, periodicamente dando uma espiada no forum. Desta perspectiva (mais afastada), observei uma tendência a postagem de afirmações e opiniões muito subjetivas e de “verdades absolutas”, “indiscutíveis”, frequentemente equivocadas e que, além de nada acrescentar confundem e levam pelo caminho equivocado aos menos experientes, dificultando e atrasando o aprendizado. Acredito que a maior parte destas “fake news” é involuntária, fruto do desconhecimento ou do deslumbramento das primeiras descobertas, achando ter encontrado o Santo Graal do café perfeito. Outros posts des-informativos, afortunadamente menos numerosos, são por conta de agendas próprias, que tentam vender “seu peixe”. O problema é que todos os posts tem um mesmo peso, o iniciante não consegue distinguir o joio do trigo, e desde que os pontos básicos dos principais assuntos concernentes a este forum foram descritos faz tempo, e “arquivados” como informações básicas, acontece que os posts que mais aparecem são os dos novos participantes (que muitas vezes não leram, não testaram ou simplesmente não entenderam o recado) e que colocam, frequentemente, com muita (falsa) “segurança” “verdades” subjetivas que assim são aprendidas pelos recém chegados. Muitos dos participantes que mais tem contribuído, são profissionais habituados ao método científico, que corretamente colocam suas experiências e observações dentro dos seus limites experimentais , explicando que o resultado descrito é valido somente nestas condições (estes grãos, moedor, método de preparo, temperatura, grau de torra, etc.), enquanto outros, sem estes conhecimentos, tendem a fazer afirmações gerais, que não se cumprem em condições diferentes. Eu sei o mal que estas “fake news” podem provocar. Já quebrei uma máquina por conta de informações equivocadas, quando iniciei a participar em fora de café, e levei bastante tempo para aprender a distinguir os participantes que sabiam do que falavam e os que não. Vejo com pesar, que diversos participantes que muito contribuíram para estes fora, deixaram de postar ativamente, imagino que muitos por ter esgotado o tema, porém outros possivelmente cansados de ter de corrigir conceitos equivocados e participar de discussões improdutivas. Fico feliz também de ver que vários valiosos colegas perseveram no “apostolado” continuando a desenvolver, aprimorar e divulgar os conhecimentos sobre este tema. Em síntese, um conselho aos recém chegados ou menos experientes: antes de adotar uma informação verifiquem que esta é realmente confiável, e seja modesto e objetivo ao postar sua experiencia, ninguém é dono da verdade.
  4. 24 points
    Galera, já empacotamos quase todos os cafés. Devemos finalizar amanhã cedo, e então começamos a montar as caixas e enviar os pedidos nos correios. Vamos dar prioridade pros pedidos que possuem cafés torrados, mas a esperança é despachar tudo amanhã. Já os envios coletivos e demais pedidos por transportadora, que são recolhidos mediante agendamento, preferimos agendar pra segunda cedo. Decidimos focar amanhã nas caixas dos correios por conta do atraso que infelizmente eles costumam apresentar nessa época do ano. À medida que formos enviando os pedidos, vamos atualizando no site com os códigos de rastreio. Pra quem tá na dúvida se a gente tá empenhado da tarefa, vai um timelapse de umas 5h hoje... e sim, sim... tem uma pausa pro café, mas é pra aumentar a eficiência do trabalho
  5. 23 points
    ECM BARISTA & EU Depois de muitos anos, finalmente tenho uma máquina de espresso em casa! Já namorava a ECM faz uns quatro anos, mais ou menos. Quando comecei com a idéia de ter uma máquina profissa, o plano original era ter uma Classika PID. Há uns três anos atrás estava tudo pronto para a máquina sair, suados caraminguás na mão e tudo mais. Mas então uma maldita chuva de pedras me obrigou a reavaliar minhas prioridades. Com isso, a sonhada máquina de espresso voltou para o fim da fila… Felizmente esse ano as coisas melhoraram e consegui firmar uma parceria com a minha Comandante Executiva Suprema (CES). Verdade, sou apenas meio-dono da máquina. E como obtive essa parceria, foi possível fazer um upgrade de Classika PID para Barista. E com PF naked logo de cara! ACESSÓRIOS A Barista vem com dois PF, de um e dois bicos, e três filtros, um simples, um duplo e um cego. Eu pedi também um PF naked que veio com um filtro grande (dá para fazer um balde de espresso). A máquina veio também com essa escovinha e um tamper de plástico a princípio sem-vergonha mas 100% eficaz. O manual é meio simplório, mas não levem isso muito em consideração pois a máquina é simples e eu sou daqueles que gosta de manual tipo bíblia. Para terem uma idéia, eu li o manual três vezes. Antes da máquina chegar. ACABAMENTO Talvez essa seja a maior característica da ECM. A máquina é sólida. É um tanque de guerra de tão sólida. O chassis dela é inteiriço e todo de aço, o que contribui para seus 23 kg. A impressão que tenho é que é aparelho para toda a vida, mesmo não sendo exatamente cuidadoso no seu uso. E eu particularmente gosto MUITO de qualquer aparelho ou ferramenta que é feito para durar. Em termos de tamanho é bem compacta, com 33,5 × 44,5 × 40 cm, portanto não é um monstro devorador de espaço na bancada. E por causa do acabamento, ela impõe presença. O acabamento da máquina é impecável. Toda cromada, ela chama a atenção, tanto pela beleza como pela fabricação. É “bem feita”, com esmero e tudo caprichado. Para quem não conhece máquinas de espresso acha que é “máquina de cafeteria”, como já me falaram. A drip tray é BEM grande, e muito importante, bem fácil de pôr e tirar. Dá para fazer muito café com flushes sem se preocupar. Li um review no Home Barista de alguém reclamando que na sua Classika PID a grade e/ou a drip tray estavam causando lambança. Na minha Barista não tem sujeira, o que acontece é apenas um pouco de respingos de água (e às vezes até de café) na frente da travessa e no bico de expurgo. OPERAÇÃO Não vou entrar em detalhes sobre como tirar um shot nela pois esse texto não é um tutorial sobre a máquina, apenas um review dos pontos que considero importante. Mas como falei antes, é uma máquina de operação simples, e qualquer um com um mínimo de conhecimento sobre espresso e café (e com um bom moinho!) faz miséria nela. Obviamente que tem alguns limites, mas 9 entre 10 usuários conseguiria tirar um espresso MUITO bom com ela. Vou citar o exemplo da minha esposa e CES. Apesar de gostar muito de café, não é nem um pouco curiosa/estudiosa/metida-a-barista-besta como seu singelo esposo. Mesmo assim, com o moinho previamente acertado (e o Super Megmaster Tamper Dinamométrico do Gil), tirou um shot excelente esses dias. E além de operação simples, é rápida. Desligada e fria (à temperatura ambiente de uns ~20ºC) até estar com a caldeira em 1 bar e grupo pelando, leva apenas de 20 a 25 minutos. E se uso de manhã cedo, quando ligo de novo na hora do almoço, leva apenas uns 10 a 15 minutos para estar pronta. Seria por causa da caldeira de cobre (2,1 l)? O tanque de água, com seus 3 litros de capacidade, tem volume suficiente para quase exigir um refil semanal apenas. E olha que estou fazendo café como um cafeicômano nessa última semana. E isso sem dó de fazer flushes entre shots e para limpar o grupo. VAPORIZAÇÃO Punk. Faz MUITO vapor. Por enquanto só experimentei mesmo, não posso dizer que usei, pois ainda estou 100% focado em aprender a parte do café. Contudo, nos poucos testes que fiz, a Barista produz bastante pressão e volume de vapor. Até me lembra o que vejo na GB5 da La Marzocco. Obviamente que aqui o fôlego será bem mais curto, mas para aerar uns dois pitchers de leite (= 4 a 5 cappuccinos) dá e sobra. O QUE EU MUDARIA Falta um cronômetro. Antes achava que era desnecessário, mas um cronômetro embutido como o que vem na Classika PID iria MUITO bem. Não é fundamental mas seria um algo a mais que ajuda no controle das extrações. Vou comprar um (modelo de garbo e elegância, obviamente) para deixar na bancada, mas adoraria um automático instalado na máquina. Algo que talvez valha a pena pensar em um upgrade é o chuveiro. Pelas fotos que vi de outras marcas, tenho a impressão que poderia haver uma melhor distribuição da água. Como a troca da tela é muito simples e (acredito que) a tela de chuveiro não é muito cara, estou considerando encomendar uma. Porém, não esqueçam que essa é a minha primeira e única máquina, portanto talvez isso seja desnecessário. PID eu sinceramente acho que não faz falta, pois termicamente é bem estável. Obviamente que alguém com paladar mais apurado vai notar diferença dos pouquíssimos graus de flutuação, mas acho que para 98% da população de entusiastas isso não faz falta. Termômetro no grupo acho que também é desnecessário. Até pensei em comprar um, pois parece ser bem fácil de instalar, mas tendo em vista a qualidade dos shots que a Barista oferece, acho que não precisa. Fora que deixa a máquina mais feia (garbo e elegância, sempre) portanto isso está fora dos meus planos por enquanto. POST SCRIPTUM Estou muito satisfeito com a máquina. Tipo porco na lama em dia de sol, sabe como? Escolhi a ECM obviamente por causa do preço e disponibilidade, mas qualidade e acabamento era a condição sine qua non. Pelas dezenas de fotos, reviews e filmes que vi das máquinas da ECM, já sabia o que esperar, mas sinceramente me espantei quando chegou. O acabamento dela não é o que eu esperaria encontrar em uma máquina muitas vezes classificada como “de entrada” lá fora. Comparado com máquinas no padrão GB5 e GS/3 da La Marzocco, a Barista não fica atrás, nem um pouco. Fora a parte de engenharia, também estou muito satisfeito com o resultado na xícara. Ainda estou literalmente aprendendo a usar, mas é comum eu tirar shots excelentes. Notei, contudo, que para tirar shot excelente não é só ligar, pôr café e levantar a alavanca. A excelência exige um certo ajuste e experimentação na hora. Mas o que importa é que se você tiver um pouquinho de conhecimento do que está fazendo vai tirar shots nota 90 no mínimo, 100% das vezes. E não posso me furtar de comentar isso. Acredito que a maioria dos casais, quando faz aniversário de casamento, vão viajar, ou pelo menos jantar fora em um restaurante de garbo e elegância. Já eu e minha esposa, que comemoramos 18 anos de casado agora dia 23/09, ao invés da viagem, compramos uma máquina de espresso. E almoçamos em casa, com as crianças .
  6. 23 points
    Opa pessoal, essa semana inaugurei minha cafeteria , depois de uns bons meses planejando e tirando algumas duvidas com o @Fernando - 1268 Café. Agora vocês possuem mais uma opção quando visitarem Vitória! Todos são muito bem vindos https://www.instagram.com/tulhacafeteria/
  7. 23 points
    Salve amigos amantes da torra doméstica, neste tópico vamos compartilhar com vocês tudo do processo de torra dos cafés da Compra Coletiva e aproveitamos também para abrir um espaço exclusivo para que as discussões sobre como torrar esses cafés ocorram. Pra começar, temos muita coisa pra compartilhar, o processo para o café chegar torrado na casa de vocês foi muuuito longo. Para não nos perdermos nessa discussão e para tornar o texto mais organizado, vamos deixar cada assunto bem separadinho. Nossa ideia é a seguinte. Neste post vamos escrever sobre o processo para desenvolver os perfis de torra e sobre as dificuldades que enfrentamos e como conseguimos superá-las. Vamos falar ainda sobre como foi torrar esses cafés e passar algumas orientações para ler os logs que vamos compartilhar. Somente em um segundo momento é que vamos compartilhar os perfis que escolhemos para cada café e comentar sobre a razão das escolhas que fizemos. Além, é claro, de contar um pouco sobre algumas peculiaridades de cada grão. Modelando os Perfis de Torra: A rotina para desenvolver os perfis que utilizamos para cada um dos cafés foi a seguinte: 1- Fazer uma torra de prova: Utilizamos o Ikawa para fazer as torras de prova. Como o Ikawa é super ágil para torrar, conseguimos desenvolver mais de uma curva de torra com ele para cada café, o que acabou ajudando bastante. Mas caso não tivéssemos um Ikawa em mão, uma torra de prova neste momento já seria o suficiente, uma vez que nosso objetivo é conhecer o café. 2- Provar os cafés: Em um segundo momento montamos uma mesa de prova com todos os cafés torrados e fazemos uma rodada de cupping. Neste momento nosso objetivo é observar quais são os traços sensoriais de cada café. Mesmo já conhecendo os cafés, pois já havíamos provado todos, gostaríamos de saber se os cafés que chegaram correspondem realmente às amostras que provamos anteriormente. 3- Modelar a torra: Aqui é parte mais complicada e que exige mais experiência do mestre de torras. Vamos dar uma pincelada somente e depois podemos voltar nesse assunto caso vocês queiram. Bem, uma vez que já conhecemos os cafés e já sabemos o que queremos destacar de cada um, precisamos tomar decisões sobre como vamos modelar as torras. Essas decisões são orientadas basicamente por dois fatores: pelo sensorial que já foi analisado pela torra de prova (e por outras torras quando necessário) e pelas características do grão (umidade e densidade). Em geral, quando um café é muito complexo, com boa densidade e sem defeitos, o caminho que escolhemos é de fazer uma curva muito parecida com uma curva de prova, pois ela tende a destacar tudo o que o grão tem para oferecer, sem “esconder nada”. Quando temos um café menos complexo, com baixa densidade, o caminho geralmente é outro, partimos para uma curva com taxa de variação de temperatura (ou RoR - Rate of Rise) decrescente. Independente do caminho que tomamos, as escolhas que fazemos para modelar nossos perfis de torra são sempre guiadas pela taxa de variação de temperatura (RoR). Isso vai ficar bem mais claro quando começarmos a explicar os caminhos que tomamos na hora de torrar os cafés desta Compra Coletiva. 4- Escolher a temperatura final: Uma vez que já modelamos nosso perfil de torra, ou seja, já sabemos exatamente a forma como vamos torra cada café, daí partimos para a escolha da temperatura final. Neste momento fazemos a torra exatamente do jeito que estabelecemos e tiramos amostras para analisar qual a melhor temperatura final para determinado café. Novamente abrimos o café em diversas xícaras para realizar mais uma rodada de cupping e determinar a temperatura final que queremos para cada café. É incŕivel a diferença que alguns graus trazem na xícara, é possível encontrar dois perfis sensoriais bem diferentes para o mesmo café, com a mesma abordagem, variando somente 1 ou 2ºC na temperatura final. 5- Torrar os cafés: Tudo converge para este momento, onde realizamos a torra planejada. Aqui fazemos a torra da forma como modelamos e finalizamos sempre na temperatura final previamente estabelecida para cada café! A temperatura final é super importante, mesmo que por algum motivo a torra ocorra um pouco diferente do que foi planejado, finalizamos sempre na temperatura final que escolhemos para o café. Dificuldades encontradas: Tivemos uma série de dificuldades, mas todas decorreram de um pequeno detalhe, precisávamos torrar 240kg de café em 3 dias!!!! O torrador que tínhamos a disposição era um Atilla com capacidade máxima para 15kg, mas para utilizar todo seu potencial tomamos a decisão de torrar com 8kg somente, que representa 53% da carga máxima recomendada pelo fabricante. Entretanto, nunca tínhamos torrado com essa capacidade, geralmente fazemos batches de 5 ou de 3kg nesse torrador. Acontece que quando colocamos 8kg no torrador, descobrimos que ele não conseguiria executar, com essa carga, o perfil que havíamos planejado para os cafés anteriormente. Tivemos então que reajustar os perfis e alterar a carga. Isso complicou bastante o nosso trabalho! No fim conseguimos executar os perfis planejados com pequenas alterações, mas tivemos que levar o torrador ao seu limite com as cargas que utilizamos, que variou de 5 a 6kg. Vocês poderão observar nos logs que vamos compartilhar que utilizamos todos os recursos que o torrador oferece. No final desta postagem explico sobre esses recursos passando algumas orientações para leitura dos logs. Além dos recursos do torrador, tivemos que utilizar duas estratégias chaves para atingir nosso objetivo (só lembrando, torrar 240kg de café em três dias): primeiro, utilizamos a temperatura inicial mais alta e bem próxima da temperatura de saída dos grãos, pois assim o tempo de espera entre as torras é menor, otimizando nosso tempo. Segundo, o tempo total das torras não poderia ser muito grande, pois a diferença de uma torra de 10min para um torra de 15min seria realmente um limitante para nosso objetivo. Foi uma experiência extraordinária torrar esses cafés para vocês, mas realmente não sabemos se é algo que pretendemos repetir futuramente. Foi bastante estressante ter que tomar decisões rápidas por conta do curto período de tempo que tínhamos para torrar e o trabalho para realizar as torras foi gigantesco, muito maior do que havíamos pensado. Para que tenham uma noção, contando as torras que fizemos para desenvolver os perfis, foram 48 batches no total! Na terça feira, dia 12/12, passamos 11hrs seguidas torrando. Além disso, fazendo um balanço pessoal das torras, não ficamos 100% satisfeitos com os resultados. Gostaríamos realmente de ter mais tempo para modelar melhor os perfis e principalmente ter mais tempo para realizar as torras com calma. No fim, ficamos ao menos com a satisfação e a sensação que fizemos o melhor que foi possível fazer dentro de todas limitações que encontramos e realmente esperamos que esteja a altura de vocês. Orientações para leitura dos logs. Os eventos que irão aparecer nos logs são os seguintes: Rotação do tambor: toda vez que tem um comentário seguido de “rpm” isso significa o giro do tambor. Exemplo: 65rpm. Controle elétrico do exaustor: é o controle do giro do ciclone, aparece em comentários de alteração do fluxo de ar o intervalo de variação é de 900~2700. Controle mecânico do fluxo de ar: é, em porcentagem, o quanto aberto ou fechado está a válvula borboleta que fica presente na tubulação que liga o tambor ao ciclone que controla o fluxo de ar. Aparece também em comentários de alteração do fluxo de ar, entretanto o intervalo de variação é menor, geralmente de 50 a 100. Chama: é a pressão de gás que está indo para os queimadores. Aparecem nos comentários como GAS e são números que variam de 0 a 33, sendo 33 o limite da máquina, ou seja, 100% de toda carga térmica proveniente dessa fonte. Combinações no início da torra: O primeiro comentário de cada torra contém as informações de entrada, por exemplo, 900/70/50. Isso significa que o giro do ciclone estava em 900, a rotação do tambor em 70rpm e a válvula borboleta estava 50% aberta. Logo em seguida há sempre um comentário sobre a chama de entrada. Por enquanto é isso aí galera. Vamos deixar vocês com algumas fotos agora e daqui a pouco voltamos para contar dos cafés. Ikawa mandando ver nas torras Xícaras sem fim... Provando e provando os cafés. O segredo de uma boa torra está aí. Testando as temperaturas finais. Com o café do paulo avaliamos as temperaturas de 201ºC até 206ºC. Um pouco da nossa rotina de torra, foto sem glamour mesmo para mostra o trabalho. Enquanto um café é torrado, o batch que já esfriou vai sendo embalado. Jogo rápido pra preservar o máximo possível de cada café!!
  8. 22 points
    Pessoal, aqui a preparação da comparação granulométrica dos meus moinhos, que já prometi um tempo. O que fiz? Comprei um café honesto, torra média, de torra razoavelmente recente: Com esse café calibrei os meus moinhos para tirar um espresso de 32,0g (na prática +/- 0,2g) de bebida, usando 16,0g de pó, em 25s. A máquina foi a minha Bezzera Unica (pressão 9bar, temperatura 93oC, filtro VST duplo). Usei o alinhador e tamper Bravo para padronizar o bolo. Seguem as regulagens dos moinhos. Bravo Debut Bravo Mini Aergrind Mahlkönig Vario 2, mós de cerâmica Eureka Mignon MCI Não inclui o Vario com mós de aço no teste, pois tenho ele regulado para moagens mais grossas e uso ele na prática só para coado. Assim ele vai fazer parte da segunda parte desse teste para coados. Provei todos os espressos (finais) e fiz anotações, mas o objetivo desse teste é cruzar as minhas preferências de moinho para torras diferentes com a unimodalidade/homogeneidade da moagem dos moinhos. Aqui o resultado de duas horas de brincadeira e 500g de café: Logo mais aqui sobre os resultados. A medição vai ser feita com um granulometro profissional, usando câmeras de alta resolução, com faixa de medição de 1 a 1500 um, não com cascatas de peneiras, como a Socratic faz.
  9. 22 points
    Então, agora os resultados. Repeti as medições três vezes e os resultados são quase idênticos. Vou só mostrar a última medição aqui. Do ponto de vista metodológico teria muito para escrever, p.ex. que em cada amostra de 6g de pó foram analisadas na faixa de 10-12 milhões de partículas em 15.000 fotos. Tb é importante ressaltar que considero essas medições bem exatas, para os meus moinhos, mas que os meus moinhos não necessariamente são representativos para cada modelo/empresa. Como recebi alguns pedidos de incluir o Vario com mós de aço no teste, fiz isso tb, embora uma moagem para espresso demora quase 1min com ele e assim quase vira inviável. Bom os resultados: Eixo y é a contribuição média para o volume da amostra, x o diametro médio das partículas em escala log (veja tabela para uma descrição melhor). Aqui uma versão cumulativa desse gráfico (eu acho mais fácil para entender; é importante considerar a escala log, assim pequenas diferenças no fim das curvas tem um efeito enorme na granulometria): E um resumo da analise (diametro, esfericidade, simetria, e razão largura:comprimento das partículas): Algumas conclusões pessoais (entre muitas conclusões possíveis): 1) Usei um café de torra média+, já passou do ponto que eu acho agradável no espresso, a torra matou a acidez e tinha bastante sabor de torra e amargor. Com os moinhos que entregam uma moagem mais homogênea, e assim um diametro médio menor de partículas (Vario com mós de aço, Eureka) esse café ficou muito nojento. Já com os moinhos com moagem mais heterogênea (Debut, Aergrind) esse café ficou quase bebível. Claro que o efeito com torras claras é outro ... 2) Na comparação Bravo Mini - Debut, o meu Mini claramente entrega uma moagem mais homogênea do que o Debut. Gosto mais do Mini para torras claras e do Debut para torras médias. Já suspeitava que tem a ver com a granulometria, agora tenho certeza. 3) Nenhum dos meus moinhos é unimodal (tipo EK43), mas justamente os dois que acho mais interessantes para torras claras (Vario com mós de aço e Eureka) são mais unimodais (ou com moagem mais homogênea) do que os outros. 4) Observando algumas das imagens que o equipamento fez, achei nenhuma diferença notável na forma das partículas entre os moinhos. Como os índices de esfericidade e simetria, e a razão largura:comprimento tb foram bem parecidos entre os moinhos, creio que a forma geral das partículas não faz muita diferença. Já a superfície microscópica que as cortes de mós diferentes causam pode ser uma outra história... Abçs, Burny ****************************** EDIT: Consegui fazer os gráficos no formato da Mahlkönig (volume total de classes logarítmicas de tamanho). São histogramas apresentadas como curvas, e assim meio duvidosas, mas interessante para comparar:
  10. 21 points
    Opa! hoje foi correria, 1/2 das contas da cafeteria vencendo e produção da cafeteria a mil. Obrigado a todos que torceram!! o bravo mini e a kruve foram essenciais, fiz todos os testes no mini, foram mais de 50, e a kruve para deixar a moagem mais uniforme possível. de 40g saiu 30g para fazer o café, uns 4g de fine e 5g de grão em 500 microns segue a receita: método invertido 40g de café. Moer grosso (pouco mais grosso de açúcar cristal) (bravo mini: 2v + 5) peneirar até chegar em 30g (usei peneira kruve de 900µm) Na Aeropress, adicionar os 30g de café peneirado e acrescentar 200ml de água em 83 graus. Esperar dar 30 seg e mexer delicadamente por 10 seg (1x por segundo) Escaldar o filtro e tampar a Aeropress. Quando atingir 1:30, virar a Aeropress e pressionar por 30 seg. Acrescentar 40ml de água quente (80-83 graus) aproveitar o café!
  11. 19 points
    Oi pessoal, estou de volta, pelo menos até a próxima promessa que eu fizer, rsrsrsrs
  12. 19 points
    Kinu M47 - Primeiras Impressões Faz tempo que não posto aqui, mas não podia deixar de escrever essa breve resenha porque - pelo menos ao que parece - sou dos únicos que tem um Kinu M47 por essas bandas. Recentemente havia vendido meu Bravo Mini pra comprar um moedor de característica mais portátil, ou seja, menor e mais leve, pra usar em viagens. Nesse meio tempo surgiu a oportunidade de comprar o Kinu M47, que é mais ou menos do mesmo porte do Mini, e não pude resistir. Idiossincrasias à parte, o fato é gosto muito de testar tantos equipamentos de café quanto possível, em especial moedores, de modo que vou passar minhas primeiras impressões. Ressalto que são primeiras impressões mesmo, pois estou com o moedor há uma semana apenas. Os moedores Kinu são fabricados na Alemanha pele Graef, embora eles tenham abrido uma empresa na Flórida com o nome Kinu Grinders, possivelmente pra alavancar vendas nos EUA. A princípio, o protótipo foi desenvolvido na Romênia por uma empresa pertencente o grupo Graef que fabrica instrumentos dentais e moedores de especiarias. Por isso, as primeiras vendas se deram para o leste europeu, mas depois a Graef assumiu os negócios. O moedor tem 20,15cm de altura, 50mm de diâmetro e pesa 1,15kg, sendo praticamente todo construído em aço inoxidável. Não é, portanto, exatamente portátil. Pro meu gosto é um moedor muito bonito, de um design bem limpo e funcional, ao estilo alemão. Parece também muito robusto e resistente. Como o nome do modelo sugere, M47, utiliza mós cônicas de 47mm, de aço 63HRC, com tratamento "black fusion". Não pude confirmar essa informação, mas li por aí que as mós são fabricadas pela Italmill. Não sei se tem a ver com o tratamento das mós, mas eles geram relativamente pouca estática, o que é um aspecto positivo. O Kinu M47 tem uma borda em forma de funil que coleta os grão na seção superior, tendo capacidade de 40g de grãos e de 30g no recipiente coletor de pó, segundo o manual. Não tem tampa como o Bravo Mini. Embora não seja uma necessidade, caso se faça uma moagem com muita energia é possível que um grão escape por ali, como já me aconteceu algumas vezes. Não chega a ser um problema, mas fica a nota. O sistema de ajuste se dá por meio de um seletor que fica logo abaixo do apoio da alavanca. São 50 ajustes possíveis por volta, sendo que cada passo altera a distância das mós em 0,01mm. Para fazer o ajuste, é necessário afrouxar um parafuso de ajuste que fica na parte superior e que também faz a fixação da alavanca, colocar o seletor na posição desejada e voltar a apertar o parafuso de fixação. Embora o procedimento todo seja bastante simples e fácil, está longe de ser tão direto e rápido como é o do Bravo Mini, que é dos melhores sistemas que conheço em moedores manuais. Junto ao corpo do moedor, no local onde se dá a pegada, há uma espécie de gatilho que eles batizaram de "anti-rotational knob", que é uma grande sacada. Ele impede ou dificulta que o moedor gire em falso na mão que o segura. Esse dispositivo, juntamente com o diâmetro do corpo de 50mm, que é bastante confortável, faz com que a força exercida pela mão e punho para segurar o moedor durante a moagem seja relativamente pequena, de forma que a moagem se dá muito naturalmente. Também a alavanca é compensada em relação ao plano de apoio do moedor, de forma que torques estranhos ao plano de giro da alavanca são minimizados na mão que segura o moedor. Ergonomia muito bem pensada. Segundo o manual, o moedor leva de 30 a 40s pra moer 18g de café pra espresso. Hoje moí 22g pra espresso em 44s e 22g pra V60 em aproximadamente 30s, o que dá pra ter uma idéia da performance de moagem. Não é rápido quanto um grande cônico, mas ao fim das contas é um bom compromisso entre velocidade e facilidade de moagem. O recipiente coletor de pó é fixado por 4 imãs de neodímio que fazem muito bem o papel de fixar o copo ao corpo do moedor. O único porém em relação ao copo coletor é que no ângulo agudo formado entre a face da base e a seção lateral tendem a reter um pouquinho de pó. A quantidade que tende a se depositar ali é mínima, mas como é uma área de acesso difícil sem uma haste ou algo assim, esse é um pequeno aspecto negativo. Quanto a qualidade de moagem, é um aspecto bastante difícil de mensurar objetivamente. E o aspecto subjetivo é, obviamente, subjetivo e sujeito a toda sorte de viés de quem escreve. O que posso dizer é que fiquei muito bem impressionado. O conjunto de moagem é montado em cima de 4 rolamentos, com base, segundo o manual, no "morse cone principle", o que garantiria boa centralização do conjunto. Anuncia o fabricante que a tolerância do alinhamento é da ordem de 0,02mm, o que é um excelente número na hipótese de isso ser verdade para toda a linha de produção. No ajuste 0, com as mós faceadas, as superfícies não se tocam. Nos testes de coado que fiz, os resultados foram bastante positivos. Quantidade moderada de fines e poucos boulders, o que se refletiu em xícaras com sabores bastante definidos. Por fim, paguei pelo moedor o equivalente a 299 dólares, mais 56 dólares de VAT, pois o produto foi enviado para o interior da Alemanha e um amigo trouxe para mim de lá. Não é um moedor barato, mas o preço está de acordo com produtos de qualidade superior. Falando em produtos high-end, sei que muitos devem pensar em uma comparação com o Bravo Mini, que seria o mais óbvio moedor manual a ser inserido nessa categoria aqui no Brasil. Todavia, o Gilberto é um grande amigo, e acredito não ter a isenção necessária pra fazer juízo de mérito entre esses moedores, especialmente quanto à qualidade de moagem. Tenho especial interesse no sucesso do Gil, fui um forte incentivador (e vendedor) do Bravo desde o primeiro protótipo, e hoje fico feliz em constatar que é um sucesso. Vou me limitar a opinar acerca da pegada e facilidade de moagem, em que penso que o Kinu leve vantagem. Por outro lado, o sistema de ajuste do Gilberto é muito mais sofisticado que o do Kinu, ficando na frente nesse aspecto. Conforme eu lembrar de um outro aspecto do Kinu M47 que mereça destaque, farei atualizações dessa breve resenha. RodrigoKS - Terça Expressa
  13. 19 points
    Montei hoje um suporte para v60/Melitta. Cabem 3 v60-01 ou 2 v60-02, ou Melittas 100/102. Para quem quer fazer, precisa de cano de cobre 1,5: 8 x 2.4cm 2 x 32cm 4 x 6.4cm 4 x 10cm 4 curvas 90graus 8 Ts 4 capas Colei tudo com superbonder. Infelizmente o meu celular agora não reconhece mais o meu fingerprint rsrs
  14. 18 points
    Aqui estamos mais uma vez compartilhando um pouco do que vivemos em nossas viagens! Dessa vez vou precisar ser mais sintético [edit: não consegui… kkk], pois a dose é dupla! Isso porque em menos de 2 meses visitamos a região da Mantiqueira de Minas duas vezes! A primeira vez foi entre 16 e 19 de agosto, durante o evento das fases nacionais dos campeonatos de barismo, em São Lourenço. A segunda vez foi no último fim de semana, 12 a 14 de outubro, com o objetivo principal de buscar 3 dos 5 cafés que farão parte da Compra Coletiva 2018. Mantiqueira #1 Chegamos já no final da tarde de quinta, depois de muito chão. Nossa primeira parada foi na sede da CarmoCoffees, empresa negociadora e exportadora de cafés especiais de Carmo de Minas. Fundada em 2005, a empresa tem parceria com vários produtores da Mantiqueira, e promove projetos de incentivo à produção de cafés especiais. Fomos recebidos pelo Paulo César, um dos gerentes e Q-grader, que nos apresentou as instalações, de cair o queixo... só de vermos o pessoal enchendo mais de uma centena de xícaras de cupping com amostras usando uma pistola de água quente estilo bomba de posto, vimo que a coisa ali é pra valer! Depois de rodar um pouco, fizemos uma mesa de cupping. E ali provamos pela primeira vez o Café do Rinaldo, da Fazenda Furnas! E já entrou pra nossa lista de competidores pra primeira fase de seleção da Compra Coletiva, junto com alguns outros, como do Sr. Niquinho. Nos despedimos e fomos para São Lourenço. O resto do dia foi dedicado a tomar uma cervejinha artesanal junto com o pessoal que já estava ali pros campeonatos. Alguns velhos conhecidos, uns que a gente ouve falar o tempo todo mas ainda não conhecíamos pessoalmente. Na sexta, passamos boa parte do dia no evento. Assistimos a 1ª fase inteira do Brewers Cup, visitamos os estandes, encontramos com velhos amigos produtores e baristas. Conversamos com gente que tinha vindo de beeem mais longe que a gente pra participar dos campeonatos, tipo Manaus! O pessoal de Curitiba tava presente em peso. Na parte da tarde, visitamos a primeira fazenda, a Fazenda do Serrado em Carmo de Minas. Dali viria a amostra de mais um café da Compra Coletiva! Fomos muito bem recebidos no meio de uma chuva pelo José Antônio e seu filho Caio. O Caio faz parte da quinta geração da família a produzir cafés na propriedade. Agrônomo por formação, ele é responsável por boa parte de toda evolução e inovação no manejo do solo e das lavouras que a Fazenda do Serrado vem fazendo nos últimos anos. Possui também experiência como trader na área de café e já morou nos Estados Unidos. A fazenda do Caio é uma das participantes do Programa de Qualidade Sustentável Nespresso, desenvolvido pela CarmoCoffees com os produtores parceiros da região de Carmo de Minas desde 2011. Através dessa parceria, eles perceberam a importância de utilizar adubação orgânica e diminuir a geração de resíduos, melhorando a condição ambiental da propriedade. A chuva deu uma trégua e antes de anoitecer conseguimos dar uma volta rápida pela propriedade de caminhonete. Deu pra conhecer um pouco do trabalho que fazem por lá. É perceptível todo cuidado com a lavoura e com o café tanto na colheita quanto no pós-colheita. E foi a primeira vez que eu presenciei uma florada! Estava acontecendo em um talhão bem novinho, mas tá valendo… Voltamos pra São Lourenço pra mais uma noite de interação com o pessoal dos campeonatos. Essa costuma ser a melhor parte dos eventos... é o momento em que a gente mais cria vínculos com outros apaixonados por café que nem a gente. Sábado foi dia de acordar cedo e partir pra Cristina! Esse é um nome bem familiar no mundo de cafés especiais... dali é o recorde de pontuação pra um lote de leilão, e sempre vemos cafés de lá no Cup of Excellence, ano após ano. Fomos visitar o Sítio Vargem Alegre, e quem nos recebeu foi o Cleverson e sua família. Cleverson é um garoto prodígio... com 22 anos já é um Q-grader, e investe cada vez mais em sua formação no universo do café especial. Desde que começou a participar ativamente na gestão da propriedade com seu pai, aos 19 anos, eles vêm colecionando prêmios, constantemente produzindo lotes que superam os 90 pontos. O Sítio Vargem Alegre é um exemplo de propriedade que não produz quantidade, mas sim qualidade! O cuidado que eles têm no manejo, colheita e pós-colheita é impressionante. Focados no processo natural, os melhores lotes são secados em terreiro suspenso. Nos últimos tempos eles andam investindo na construção do próprio armazém, e estão finalizando também o próprio laboratório de torra e prova! Além de poder receber compradores ali, eles também têm o intuito de ajudarem outros produtores vizinhos a identificar lotes com potencial. Iniciativa louvável. Fomos levados num divertido passeio de trator pela propriedade. Fomos subindo cada vez mais. Passamos por talhões que já haviam sido colhidos, depois por aqueles com cerejas no ponto pra colher, obviamente aproveitando pra apanhar um fruto de vez em quando pra chupar a poupa super doce. Depois de umas ladeiras que só de trator mesmo pra subir, chegamos nos talhões mais altos, já acima dos 1300m, em que os frutos ainda estavam verdinhos. E a vista dali... ahhhhh que vista! Ao voltarmos pra sede do sítio, o Cleverson separou rapidamente algumas amostras que tinha ali. Uma delas iria parar na seleção coletiva da CC, com um perfil sensorial incrível! Dali, partimos para Pedralva, para visitarmos o Abelardo, produtor do Sítio da Divisa, amigo e parceiro nosso da Roast. Já não dava tempo de rodar conhecendo os talhões, mas conhecemos os terreiros de concreto e suspenso e a infraestrutura de maquinário sensacional que ele montou a baixo custo para poder maquinar seu próprio café e o de seus meeiros. Dormimos em Pedralva e seguimos no domingo cedo para Heliodora. Ali tivemos uma das experiências mais marcantes das nossas últimas viagens. Fomos recebidos por Celso Vieira Júnior, gerente regional do Senar em Lavras, que tem uma propriedade ali em Heliodora, herança de família. Celso anda fazendo um trabalho muito legal de orientação e incentivo na produção de café especial com seus meeiros e outros produtores da região. Para a ocasião ele preparou um super evento: convidou seus meeiros e vários desses produtores para um encontro com a gente. Foram horas de bate-papo e duas grandes mesas de cupping, com amostras do pessoal que o Celso havia torrado previamente. Vários ali estão apenas começando a se interessar pela produção de cafés de qualidade. Pudemos trazer um pouco da nossa visão do negócio, algumas sugestões de como eles poderiam focar seus esforços para produzir especial, e a importância do pequeno produtor fazê-lo em épocas de baixa cotação da saca. Ouvimos de cada um relatos de experiências, dúvidas e desafios na produção e venda dos cafés. Ampliamos mais nossa compreensão de como é estar lá na ponta inicial da cadeia produtiva... ser pequeno produtor não é fácil! A conversa continuou durante as rodadas de cupping em seguida. A maioria estava meio tímido... mas conseguimos arrastar um ou outro pra mesa de prova. O produtor não precisa ser Q-grader, mas precisa provar os próprios cafés, ter uma noção da qualidade da bebida, e dos defeitos na xícara! Isso que vai permitir um trabalho contínuo de melhorias. Recolhemos algumas amostras, uma iria entrar na seleção coletiva, nos despedimos, e partiu BH! Mantiqueira #2 Essa segunda viagem foi mais curtinha... fomos sexta, voltamos domingo. O objetivo principal era pegar as sacas dos lotes selecionados pra CC. Para isso, alugamos um furgão, já que ficar viajando com o carrinho do Igor já se mostrou uma ideia não muito prudente... Sexta chegamos em Carmo de Minas, reencontramos com o Caio, da Fazenda do Serrado. Pegamos com ele as sacas da CC, e nos levou pra um festival de um santo tradicional da cidade, que arrecada fundos pra APAE de lá, onde passamos o resto do dia batendo papo com o pessoal. Sábado cedo fomos para Cristina, para uma visita de retorno ao Sítio Vargem Alegre. O Cleverson não estava lá, estava em São Paulo fazendo um curso de instrutor de Q-grader! Mas fomos super bem recebidos por seu irmão, Eduardo, e seus pais. Eduardo está com 19 anos, mas está seguindo os passos do irmão... está se capacitando cada vez mais e também pretende se tornar Q-grader. Depois de uma ótima conversa na cozinha, com direito a café 90 pts e um biscoitinho pra acompanhar, fomos carregar as sacas da CC no carro. Juntamos para uma foto, e nos despedimos. O próximo destino foi Pedralva, onde reencontramos o Abelardo em sua propriedade, e também sua filha Juliana, proprietária da Mió Cafés Especiais, no RJ. Pegamos algumas sacas reservadas para a Roast, e fizemos uns testes de rebeneficiamento de um microlote em seus maquinários. Quase pegamos um chuvão, mas demos sorte das nuvens passarem logo em direção a uma cidade vizinha. Partimos para nossa última parada. Chegamos em Natércia já de noite. É uma cidadezinha de apenas 5000 habitantes. Ali está o Sítio Alto da Serra, de onde provamos algumas amostras ainda da safra passada no início do ano que nos surpreenderam. Para este ano eles mandaram 5 amostras e no fim foi selecionada para a CC um lote bem pequeno e exclusivo, somente 2 sacas e meia foram produzidas e cedidas inteiramente pra gente. Quem nos recebeu foi a dupla Felipe e seu cunhado Thiego. A família é proprietária do sítio, e os dois são jovens empreendedores, sócios proprietários das marca de café Fruto Mineiro, que comercializa café verde produzido no sítio e café torrado deles e de alguns produtores parceiros na região. No domingo de manhã, começamos visitando a sede do Fruto Mineiro, onde fica o escritório, torrefação e centro de operações. Batendo papo, fomos preparando um v60 atrás do outro, experimentando vários lotes que eles tinham. Com a estrutura ali, eles também ajudam outros produtores da região, descascando, medindo umidade, torrando e avaliando os cafés dos produtores parceiros. Em seguida, fomos visitar o Sítio. Na propriedade atualmente produzem 3 varietais, catuaí vermelho, catuaí amarelo e obatã. A colheita é 100% manual, podendo ser feita com o auxílio da derriça ou seletiva. O café é colhido a mais de 1200m de altitude. Alguns lotes selecionados secam no alto da propriedade, já outros lotes descem todos os dias até a residência do Thiego, um sítio na entrada da cidade. Os lotes que descem secam em grandes terreiros suspensos sob o olhar cuidadoso da dupla, que foi o caso do lote da CC. Subimos a serra num uninho guerreiro, até chegar em talhões a quase 1300m. Ali em cima está o maior potencial na produção de especial, e Felipe e Thiego começaram apenas recentemente a focar esforços ali, desde que criaram o Fruto Mineiro. Replantaram alguns talhões, esqueletaram outros, pretendem plantar em breve umas variedades diferenciadas em áreas livres... então tudo indica que muita coisa boa ainda está por vir nas próximas safras. A vista dali de cima também é de perder o fôlego! Após descer pra casa do Thiego, almoçamos uma panelada de frango caipira sensacional. Após um cafezinho, partimos pra BH debaixo de uma chuvinha, daquelas tranquilas, ao contrário das que pegamos ano passado no Caparaó. Voltamos com a suspensão do carro lá embaixo, e com a sensação de dever cumprido, torcendo pra Compra Coletiva ser um sucesso!
  15. 18 points
    Chegou hoje, direto da Itália. Enviado de meu SM-G800H usando Tapatalk
  16. 18 points
    Meu cantinho móvel para receber os amigos!!! Enviado de meu ASUS_Z012DC usando Tapatalk
  17. 18 points
    Depois de muitas considerações, eu importei uma ECM Classika PID. Vou fazer um post em outro tópico, explicando o processo de forma mais detalhada, mas de forma resumida foi o seguinte. Comprei na Clive Coffee junto com um kit gratuito numa promoção de Thanksgiving. Mandei entregar na Planet Express, que mandou para cá via FedEx International Economy. Gostaria de agradecer e muito ao @Cabral, sem a ajuda dele, essa importação certamente não teria saído do papel. Foram muitas considerações e dúvidas, e ele passou todo o conhecimento dele, não só sobre máquinas, mas como de importação. Essa foi a primeira importação que fiz e tudo deu certo. Agradeço também ao @carlos eduardo, foi ele que me "apresentou" a Classika e também me aturou nas reuniões do CdC durante essas considerações. A Classika da Clive já vem com a válvula joystick, PF naked e um tamper da ECM. O kit essencial da Clive. Pela promoção, veio incluído sem custo adicional.
  18. 18 points
    Aí o registro do momento temido pelos funcionários da agência do bairro, em que chega um doido em fim de expediente trazendo uma montanha de caixas pra despachar, kkkk
  19. 17 points
    Algumas novidades no cantinho. Suportes de PF (desenho próprio): Novo (velho) moinho (Zwanger Favorite 2AT) de +/- 60 anos. Ao lado dele o Bravo Debut parece pequeno: E um bule elétrico da AliExpress:
  20. 17 points
    Fiquei com preguiça de pesquisar, mas acho que nunca mostrei aqui onde faço minhas bebidas cafeinadas: E aqui é o mesmo local mas quando eu recebo café bom, tipo o que o @Lisboa Santos muito mais do que gentilmente me presenteou: Se prestarem atenção vão notar que infelizmente falta algo aí: um Bravo Mini.
  21. 16 points
    Olá, estou passando uns "dias de fazenda" e a medida do possível tentarei postar algumas fotos do dia-a-dia da colheita por aqui, espero que gostem! Colhedeira entrando na rua Café recém chegado no terreiro Foto de drone da lavoura com colhedeira ao fundo Vista aérea de drone, pegando terreiro de concreto e de chão bem lá atrás Café recém chegado no terreiro, falta esparramar melhor ainda Terreiro enchendo (Y). Ao fundo da pra ver um café mais novo, é desse talhão que saiu o lote do café que estou vendendo sob a marca Razena, um Catuaí 144, primeira colheita ano passado. Esse ano ele esta carregado de novo, a colheita lá será manual novamente, acredito que vai sair um café muito bom dali! Colheita manual iniciou hoje, café Catuaí 144, segunda colheita dele. Na área a esquerda tem um café recém plantado (mal da pra ver que tem café), á direita tem um café novo sendo colhido à mão (dá até pra ver os panos na parte de baixo da foto) e mais a direita o café mais antigo, sendo a parte de baixo da foto café Topazio e no talhao da parte de cima da foto café Catuaí 144.
  22. 16 points
    Depois de uma longa espera, de uma longa trajetória, finalmente realizei meu sonho de ter um torrador STC. Para encurtar a história: Murilo Lins comprou um STC, porém devido a um desalinhamento do motor que ocorreu durante o transporte, ele travou. Murilo estava sem tempo para fazer o reparo final (após uma tentativa que acabou por queimar o motor), então acabou deixando o torrador parado. Eu havia entrado em contato com Guilherme Torres a procura de um e fui informado sobre essa situação. Após algum tempo conversando com Murilo, ele muito gentilmente resolveu me vender a unidade dele. O STC foi enviado para Guilherme fazer os reparos e atualizações (motor mais potente, tambor sólido, trava rosca nos parafusos, etc) e acabou de chegar para mim. Ou seja, viajou de Recife para Brasília e de lá para Aracaju. Fiz duas torras até agora, ainda tenho muito aprendizado pela frente. Mas para quem veio do torrador do Beto , são muitas novidades. Fui muito feliz com meu primeiro torrador, mas queria ter mais controle sobre vários aspectos da torra. Junto do torrador comprei o exaustor também, muito recomendado por Guilherme para ter um conjunto para a vida toda. Uma grande diferença que já notei foi o aroma da torra... Como temos um fluxo de ar com exaustão, não tenho mais aroma de fumaça. Enfim, foi um grande upgrade. Agora queria agradecer imensamente aos dois que proporcionaram tudo: Murilo, por ter sido muito gentil em aceitar me vender, sem essa atitude nobre, eu não teria conseguido adquirir. E Guilherme, por ter dado uma assistência INCRÍVEL. Na verdade nem sei como descrever a imensa prestatividade dele. Me mandou diversos vídeos, áudios e textos explicando o funcionamento, o passo a passo das atualizações, aspectos técnicos. Sempre muito solícito. Obrigado, pessoal!!!!!!! Agora vou tentar fazer jus a tanto trabalho e estudar ainda mais sobre torra e colocar em prática. PS: desculpem a bagunça, mas tirei foto com tudo no chão mesmo.
  23. 15 points
    Prezados! Aqueles que gostam de bebidas à base de leite provavelmente já desejaram vez ou outra que determinado leite fosse mais encorpado, mais doce ou até mais gordo nos seus cappuccinos e lattes. Porém, como todos sabem, leite é algo orgânico, e sua composição/concentração depende das condições biológicas das vaquinhas, sem falar de diversas outras questões comerciais e sanitárias. Pois bem, nos campeonatos internacionais de barista alguns concorrentes já estão utilizando uma técnica bastante conhecida daqueles que fazem destilados caseiros e pretendem aumentar a gradação alcoólica de uma bebida: a destilação a frio. Na destilação a frio, nos valemos dos diferentes pontos de fusão dos líquidos de uma mistura. No caso do leite, que é um colóide, as proteínas, gorduras e açúcares tem um ponto de fusão mais baixo que o da água. Assim, podemos concentrar o leite na medida em que desejarmos, separando uma parte da água nele contida. A técnica é muito simples e efetiva. Congela-se o leite e, uma vez congelado, coloca-se o bloco de leite dentro de um recipiente com um furo, através do qual os líquidos que derretem primeiro escorrem e se separam da fase sólida. No final, sobra quase que só um bloco de água congelado e poroso no recipiente superior, e o leite concentrado no copo de coleta. No meu exemplo, utilizei uma coqueteleira simples em que cabem 500g de leite congelado, que depois eu emborco em cima de um copo capaz de coletar o leite derretido. O rendimento varia conforme o tempo de geladeira. Pra obter uns 300g de leite concentrado, leva aproximadamente 24h. Isso pode variar um pouco de acordo com a diferença de temperatura entre o gelo e a geladeira, mas serve como parâmetro. A 60% de rendimento, como no exemplo, o leite fica muito doce, encorpado e com um leve toque mineral, por conta dos sais minerais dissolvidos. Você pode deixar diluir mais, deixando o processo correr, ou simplesmente misturar com o leite original para dar o ponto da sua preferência. Como disse, o processo é muito simples de reproduzir e o resultado é bastante interessante. Espero que curtam a técnica. Se vocês aprovarem, podemos até fixar o tópico, como utilidade pública. Abraço, Rodrigo Kirsch
  24. 15 points
    Boa noite galera! Até que enfim o novo forno saiu do forno! O Novo Forninho Brothers Coffee Roaster PRO contempla as melhorias que os usuários do modelo básico do forninho sempre me pediram pra fazer: um motor mais potente e mais rápido, todo construído em metal, um amostrador de grãos, resistências melhores, correção dos problemas que o forno apresentava, dentre algumas outras melhorias estruturais. No momento ainda estou estipulando o valor para o forno. O novo motor é um monstro, usa fonte externa e não custa barato. O Amostrador é feito com aluminio polido,inox e madeira de lei (Garapeira) que tem dureza para aguentar o calor na lateral do forno por onde sai o calor produzido pelo mesmo. Foi um problema achar um bom motor e os materiais para as melhorias, depois que achei, foi outro problema adaptar e fazer tudo. Foram dois meses trabalhando duro nisso, muitas horas, correria, grana com ferramentas, materiais, partes do forno estragadas e substituídas por partes de outros fornos novos que ficarão inutilizáveis, enfim... Mas ficará abaixo dos 900,00. Terei no momento um total de 12 Fornos para venda, dos quais só montarei sob encomenda. Pedirei cerca de 20 dias para a montagem pois preciso comprar o motor e algumas peças antes. -Nos meus testes o forno não perde absolutamente calor nenhum mesmo que o amostrador permaneça aberto durante todo o processo da torra, inclusive pode ser aberto para o fluxo de ar aumentar quando desejado. -A abertura do amostrador serve também para a introdução dos grãos com auxilio de um funil sem a precisão de tirar o tambor, não perdendo assim calor no inicio da torra. -A adaptação do novo motor abre a possibilidade para testar torras com uma maior quantidade de grãos, já que o torque e rotação maior ajuda na força e no tempo da torra e troca de calor, e as resistências chegam a 300 graus em potência quase máxima. - Problemas como o travamento repentino do tambor foram resolvidos já que o torque é o dobro do motor original, além de ser todo em metal -O Forno tem se mostrado interessante também para a torra de amêndoas de Cacau e estou montando um para uma profissional da área testar. Agradeço imensamente aos Mestres Igor Almeida, Guilherme Torres, Fogo Ruivo, Alex de Lima, a todos os usuários do Brothers Coffee Roaster e que ajudaram muito com dicas e sugestões. Obrigado ao Fórum Clube do Café por tudo que aqui aprendi e pelas oportunidades de mostrar nossos projetos sempre.
  25. 15 points
    Salve pessoal, voltamos pra BH com o carro cheio e já tem vários cafés com a gente. Já outros dois cafés chegam durante a semana por transportadora. Estamos preparando uma postagem para contar da viagem e em breve o Luís vai postar para vocês. Até lá deixo um imagem ilustrativa do trabalho que fizemos no fina de semana: Saindo de Natércia com o carro que alugamos cheio! E para ir aquecendo os motores, vamos compartilhar com vocês as informações dos cafés que vão entrar na Compra Coletiva aos poucos até o dia da abertura dos pedidos, que irá acontecer no dia 19 de outubro na parte da noite. Começamos com o café que é, certamente, um dos mais raros e distintos que já entrou nas nossas Compras Coletivas. 1- Amostra FHF - Café da Ucha: Este é um café que estamos namorando faz tempo. Ano passado (2017) fizemos uma visita à fazenda da Carmem Lucia, conhecida como Ucha, em Três Pontas. Na época fomos recebidos por ela e ficamos encantados com o trabalho que ela realiza por lá. Foi, de longe, a fazenda mais organizada em termos de estrutura e de maquinário que já visitamos até hoje. Contamos um pouco sobre a visita aqui: Desde então estamos em contato com ela para pegar um café pra gente do Clube. Este ano ela mandou cinco amostras. Provamos todas e selecionamos, às cegas, a amostra que passou para a Seleção Coletiva nacional. A Ucha é uma das pioneiras do café especial no Brasil. Já faz muitos e muitos anos que produz café especial em sua propriedade. Inclusive ela é uma das poucas pessoas que conhecemos até hoje que relatou pra gente que 100% dos esforços que ela faz na propriedade dela é para produzir café especial. Se algo sai diferente disso é porque deu errado. Todo esforço e reconhecimento por seu trabalho a fez subir para o posto político mai alto dentro do café especial e hoje ela está como a presidenta da Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA). O café que escolhemos é da variedade Acaiá, uma preciosidade do Sul de Minas, e o processo de secagem do café é chamado de Black Honey. Pra quem nunca ouviu falar desse processo recomendamos a seguinte leitura: https://www.perfectdailygrind.com/2017/02/yellow-red-black-honey-processed-coffees-whats-difference/ Resumindo, o café é colhido e descascado a seco. Toda mucilagem presente no grão permanece junto ao café e daí o café vai para os terreiros suspensos para secar. O que define o Black Honey é que o processo de secagem dele é inteiramente na sombra. Isso propicia uma secagem beeeeem lenta. Esse processo é super trabalhoso e demorado e a chance de dar errado e do café sofrer uma fermentação não positiva é gigante. A combinação de variedade e processo de secagem faz deste café uma combinação única e rara. Aproveitem!! Segue resumo: Fazenda Caxambu e Aracaçu Três Pontas - MG Altitude: 980m Variedade: Acaiá Processo: Black Honey Produtor: Carmem Lucia Chaves de Brito (Ucha) Valor Pago à Produtora: R$ 1.200,00 a saca No aroma notas frutadas, puxando para frutas escuras e uma primeira indicação de seu processo de fermentação. Na xícara uma bebida complexa, muito doce, frutada e com uma finalização intensa e duradoura. Valor do kg do café VERDE: R$32,80. Bem, por enquanto é isso. Amanhã voltamos para falar de outros dois cafés. Att, Igor
  26. 15 points
    Bom, tá aqui meu cantinho do café, um na sala e outro na cozinha. Na cozinha não tive tanto espaço quanto eu gostaria (quando construir minha casa terei um lugar mais dedicado!) mas dá pra curtir bem!
  27. 15 points
    Salve pessoal, tudo certo? Em geral, seguindo com o roteiro dos últimos anos, o mês de abril costuma ter uma Compra Coletiva. Como vocês já estão observando, não movimentamos nada até agora. A razão é que temos novas ideias que gostaríamos de implementar nas futuras C.C. e gostaríamos de expor elas para vocês. Principalmente, gostaríamos de abrir em espaço para discussão, queremos escutar todos, afinal, a compra é coletiva! Vamos direto ao ponto, dizendo quais são as duas mudanças mais substanciais que gostaríamos de propor. Em um segundo momento vamos explicar um pouco sobre as razões que nos levaram a propor essas alterações, explicando tudo com mais detalhes. São elas: Retornar às origens, fazendo a Compra Coletiva com cafés verdes somente! Alterar as datas das Compra Coletivas, a primeira C.C. de cada safra seria adiantada para setembro/outubro e pegaria os cafés das regiões que colhem primeiro (Sul de Minas, Bahia etc). A segunda Compra Coletiva de cada safra seria atrasada para janeiro/fevereiro, pegando os cafés de regiões que colhem mais tardiamente. Retornar às origens, fazendo a Compra Coletiva com cafés verdes somente: Vamos voltar um pouco no tempo para sustentar essa proposta. Quando assumi a organização da Compra Coletiva, no segundo semestre de 2014, tudo era feito na base de formulários e planilhas. Os pedidos não eram muitos e a quantidade de membros participantes era pequena. Para ilustrar, a primeira Compra Coletiva que organizei foi de 2 sacas e meia e teve a participação de 43 membros do CdC. De 2014 para a 2º CC de 2017, tudo foi saindo um pouco do controle. A quantidade de café demandada foi aumentando e também a quantidade de membros participante. Para começar a dar conta do trabalho foi necessário abrir um site e automatizar a coleta dos pedidos. Além disso, não era mais possível fazer tudo sozinho e mais gente teve que entrar na parte da organização para ajudar. Isso tudo foi gerando custos maiores e o café foi ficando cada vez mais caro. A última Compra Coletiva foi a maior de todas até agora. No total foram 13 sacas de café que compramos coletivamente, isso resulta em 780kg de café verde. Desse total, destinamos mais de 240kg para torrar, entre desenvolvimento de perfil e pedidos. O trabalho foi gigantesco e ficamos praticamente um mês inteiro trabalhando quase que exclusivamente com isso. Para que tenham ideia da magnitude do que foi a 2ª Compra Coletiva de 2017, vamos abrir ela em alguns números. Para não sobrecarregar o tópico, vou postar um link com um resumo de alguns números: https://docs.google.com/spreadsheets/u/1/d/e/2PACX-1vQyxH_jNhTYkCOhVLsA2vbnqQdDgxlszKDw7oVc6s1gZRalYbHDYvxHTH5il1KHxeqfVxyT48Mm2oFS/pubhtml?gid=0&single=true Gostaríamos que vocês observassem o montante que foi movimentado e também o que resultou para a gente após aquele trabalhão todo (quem acompanhou o tópico lembra do que estamos falando). Ressaltamos que nossa ideia nunca foi que a Compra Coletiva fosse lucrativa, sempre trabalhamos com as menores margens possíveis, afinal, a ideia da Compra Coletiva é difundir a cultura da torra doméstica pelo Brasil e levar bons cafés torrados a preços acessíveis, não dar lucro. Entretanto, em vista da magnitude que tudo tomou, não é mais sustentável manter a estrutura toda da forma como está. Mesmo que não fiquemos no negativo, o que sobra não cobre nossas horas trabalhadas. Muito menos nos dá segurança para cobrir eventuais riscos que assumimos ao pagar a maioria dos cafés adiantados com nossa grana (por exemplo, se houver muita desistência de compra e ficarmos com café encalhado ou se acontecer algo com algum dos cafés na nossa posse). Sobre as horas trabalhadas, o que mais onera é logística necessária para fracionamento e envio do café torrado. Esse trabalho para fracionar o café torrado o mais rápido possível e enviá-los é enorme! Vejam que nem estamos falando da parte de torrar o café, isso dá muito trabalho também, mas pode ser facilmente ser terceirizado (como já foi feito em outras duas ocasiões). Estamos comentando sobre a dificuldade e enorme responsabilidade de manusear o café torrado, que a cada segundo que passa sem chegar na casa de vocês envelhece um pouco mais. Pensando nisso, conseguimos ver três possíveis caminhos: Aumentar mais os custos, a fim de que o montante final resultante fosse o suficiente para pagar, no mínimo, as nossas horas trabalhadas. Acabar com a Compra Coletiva do CdC nacional e incentivar, compartilhando os contatos que temos, mini compra coletivas regionais. Manter uma Compra Coletiva centralizada e acabar com o café torrado, retornando assim às origens das CC. Não achamos que o primeiro caminho seja a solução, uma vez que isso não estaria de acordo com a filosofia toda por trás da Compra Coletiva. Ao mesmo tempo, também não acreditamos que o segundo caminho seja a solução neste momento, apesar de apostarmos fortemente que a regionalização das CC seja uma boa solução no futuro quando a cultura da torra doméstica estiver mais difundida Brasil afora. Desta forma, o que resta neste momento é propor o retorno de Compras Coletivas com somente cafés verdes. O que me dizem? Alterar as datas das Compra Coletivas: A principal motivação para propor essa mudança é tirar a Compra Coletiva do mês de dezembro. Essa época festiva é terrível para esperar uma encomenda pelos Correios, todos sabem. Agora a grande pergunta é: Por que não fizemos isso antes? Bem, até pouco tempo atrás acreditávamos que os melhores cafés eram colhidos tardiamente e que só teria café TOP pra comprar no mês de novembro/dezembro. Acontece que rodando mais regiões e conversando com mais produtores, vimos que não é bem assim. É possível sim comprar excelentes cafés logo no início da safra. Hoje temos contatos para isso, coisa que não tínhamos antes, e estamos confiantes que podemos fazer uma Compra Coletiva espetacular logo em setembro/outubro. O que acham? Todos concordando, adiamos a próxima Compra Coletiva para Setembro/Outubro. E tem um detalhe importante que estava quase esquecendo de comentar também. Nós fomos expulsos do local onde estávamos operando nas épocas de Compra Coletiva.... ehehehhee... a última compra coletiva fez uma bagunça grande demais e botaram a gente pra correr. Precisamos achar um canto novo pra armazenar os cafés e fracionar tudo, kkkkkk... Até setembro conseguimos um local novo! Grande abraço, Igor
  28. 15 points
    Modificando novamente o cantinho, desta vez com fotos das bagunça no interior do armário e gavetas, já que minhas fotos que estava hospedado em um site de fotos agora o serviço é pago, só esta a base da Aram pois a minha ai da está no processo longo e complexo do concerto rss Esta aqui vai para meu cantinho do café em meu Gabinete onde trabalho estou com dó de deixar parado demais e ressecar as conexões de borrachas e silicones Quem quiser café [emoji477]️ só tocar o sino [emoji931] rss Primeira gaveta Segunda gaveta Terceira gaveta de bagunça [emoji849] Algumas coisas para o Levain Parte o de fica o filtro para conexão rede hídrica da ECM Grãos crus essa parte do armário esta cheio juntamente com o torrador Gene Aqui onde fica os cafés torrados e alguns acessórios Xícaras Mais xícaras e canecas Torrador aqui do HTF Esquentando as xíxaras [emoji7][emoji7] Filhota ja sabe o que é bom rss Futura barista [emoji7] Extração de um Colombiano que torrei Ainda falta tirar foto do cantinho do café [emoji477]️ na cozinha pois essas acima é um ambiente exclusivo da casa para o café, na cozinha tem outro balcão com a Jura e quadros, falta tbm fotos da sala de Home Cinema que tbm tem apetrechos para café e a nespresso [emoji477]️ e por último em minha sala no trabalho que também tem tralhas de café, é isso aí o hobby só aumenta [emoji50] Enviado do meu iPhone usando Tapatalk
  29. 14 points
    Olá pessoal! Nessas últimas semanas, eu e o @riozebratubo estivemos trabalhando na automação de um torrador. Nossa base foi usar uma pipoqueira elétrica e o código que o @lipe_oa divulgou nesse tópico. Nossas principais inspirações foram o vídeo que postei anteriormente (https://youtu.be/BZEuagSot7E) e o torrador de amostras ikawa (https://www.ikawacoffee.com/for-professionals/). Desde então fizemos muitas modificações de software e hardware, esbarramos em muitos problemas e aprendemos muito no processo (arduino, eletrônica, etc). Nosso projeto ainda está um pouco distante de terminar, mas nós gostaríamos de dividir com vocês nosso avanço até agora. No estado atual, nosso torrador já pode: - captar a temperatura dos grãos - controlar a potência da resistência (heater) - controlar a potência do ventilador (fan) - fazer uma torra manual controlada via Roastlogger - fazer uma torra automática controlada via Action Table (sequência de ações de acordo com a temperatura) - fazer uma torra automática controlada via PID (ainda com algumas imperfeições) Algumas fotos... Alguns dos componentes usados Visão da bancada de trabalho Não economizamos nos dissipadores Curva de temperatura no modo automático via Action Table Curva de temperatura no modo automático via PID (as "barrigas" são as imperfeições que ainda precisamos melhorar em nosso projeto) Agora segue um vídeo do torrador funcionando no modo PID Pretendemos criar novas features e melhorar as que já existem. No futuro queremos criar um tutorial detalhado de todo o projeto, caso alguém queira replicar em casa. Antes disso, se alguém quiser falar sobre o projeto, saber detalhes, tirar dúvidas ou nos ajudar, só falar com a gente! Valeu, galera!
  30. 14 points
    Dei uma atualizada com os quadros e tbm equipamentos novos, mas uma foto informal, tudo meio bagunçado, hora que tiver tempo tiro umas fotos legais, tem muita coisa guardada desde máquinas a moedores, acho que vou ter que começar a me desfazer de algo senão to perdido rsss
  31. 14 points
    Chegou minha base, qualidade excepcional e muito bonita, valorizou mais ainda o cantinho Enviado de meu MI 6 usando Tapatalk
  32. 13 points
    Opa, cheguei. Então , na verdade o Mini tem a regulagem que é simples, intuitiva e pratica, e de fato uma construção robusta. O Comandante é um ótimo moedor , respeitando suas particularidades, vamos falar um pouco das regulagens: O Comandante tem 12 clicks em 1 volta, considerando que o passo da rosca é de 0,70 mm no eixo original, a mo interna para avançar 1 mm, terá dado 18 clicks, o MINI em um 1 mm de avanço , tem 45 marcações, ou seja 1 click no Comandante equivale a 3 saltos na numeração do Mini, para quem faz expresso sabe que 3 saltos do MINI não é legal para expresso. Isto tanto é verdade que eles fizeram um novo eixo, vendido como acessório, com metade do passo da rosca , 0,35 mm , para facilitar a vida para quem faz expresso, desta forma ele teria em um avanço de 1 mm, 36 clicks, ainda sim menos que o MINI, mas já suficiente para tirar um bom expresso. Tudo legal, vamos fazer um coado com este eixo, o coado precisa de +_ 1,75 mm de avanço nas mos , com o eixo para expresso são necessários +_ 5 voltas completas, para um French , 7 voltas. Sem dúvida ele tem uma portabilidade, e pegada , muito melhor que o Mini, desde que o Mini não esteja instalado em sua base, rsrsrsr, mas isto falando do Mini, pois o novo MOEDOR estes pontos serão equivalentes. Na verdade um produto é o que é, pelo que ele te proporciona no geral, no caso do moedor, pela moagem, pela qualidade construtiva, pela beleza, pela portabilidade , talvez não nesta ordem, mas enfim, a soma de tudo te faz ser muito ou um pouco menos satisfeito com o seu produto. o Comandante hoje é o moedor manual que mais vende no mundo, mas este caminho levou tempo, a versão 1 e 2 foram mal avaliadas é só na última versão que se chegou a um produto que acabou agradando, considerando isto sinto-me feliz em ter conseguido um resultado , talvez não o melhor, mas ter um produto onde quase que a totalidade dos que o tem sentem-se feliz por tê-lo.
  33. 13 points
    Olá pessoal, desde fevereiro deste ano eu estou à frente do fórum como administrador e como responsável por pagar as contas do clube. Quando o @Ruston Louback me passou bandeira, ele sugeriu algumas possibilidades de monetizar o forum para ajudar nos custos operacionais. Uma das formas que pensamos na época foi formalizar as cobrança pelos banners de anuncio que são exibidos por aqui. Acabou que não levamos isso adiante. Então vamos passar para o plano B, que é pedir a ajuda dos membros. Mas antes, vamos compartilhar com vocês as despesas que temos hoje. São elas: Hospedagem - Custo mensal de R$ 44,80 Domínio - Custo anual de R$39,90 Privacy Protection Service - custo anual de R$27,80 Certificado SSL - Custo anual de R$99,00 Licença do IP Board - Ruston paga esse com o dinheiro do google ads. Dessas despesas, eu fiquei responsável por pagar as quatro primeiras. O Valor total anual é de R$704,30. Para ver os comprovantes de pagamento: link aqui. Nossa ideia aproveitar da estrutura da Compra Coletiva que irá acontecer ao longo dos próximos dias para levantar esse valor para custear as despesas com o fórum. Vamos compartilhar com vocês 70 cotas de participação no valor de R$10,00 cada para que os membros interessados possam contribuir com a manutenção do fórum. Quem comprar a cota estará automaticamente participando do sorteio de 10 sacarias de juta de 30kg novinhas que vieram com os últimos cafés que compramos para a Compra Coletiva. Essas sacarias estão marcadas com a logo do clube. Quem quiser comprar mais de uma cota terá mais de uma chance de participar no sorteio; Caso o ganhador da sacaria esteja participando da Compra Coletiva, a mesma será enviada junto aos cafés verdes; Caso contrário o ganhador deverá arcar com as despesas de envio. As cotas serão liberadas no site da Compra Coletiva que vamos divulgar hoje mais tarde. O sorteiro será realizado no dia entre os dias 24 e 25 de outubro. Voltamos com mais novidades depois. Grande abraço amigos, Igor
  34. 13 points
  35. 13 points
    Boa tarde moçada.... Meu cantinho terapêutico atualmente. Abração turma!
  36. 12 points
    Bem, vou passar uma lista numerada com as pessoas que ajudaram. Caso não tenha achado o nome da pessoa no fórum, me ajudem a identificá-lo. A ideia ao compartilhar a lista é numerar os participantes e exibir que realmente só foram disponibilizados 70 cotas. Deixo então meu muitíssimo obrigado a todos que contribuíram para manutenção do fórum neste ano de 2018!! Valeu pessoal!!! Vou providenciar umas tags de colaboradores para todos. Aguardem.... E sobre o sorteio das sacarias, vamos sortear números de 1 a 64. Deixo o link aqui para sorteio assim que tiver organizado tudo. Grande abraço, Igor 1~2- @João Vitor Ribeiro 3- @Marcos Sampaio 4~5- @Will_Azin 6- @cassius 7- @Heitor Gomes 8- @EduardoAlemao 9- @Fernando Lopes 10- @Machado 11- @Álvaro Ford 12- @Seu Zé 13- @Márcio Martignoni 14~23- @sergio.m 24- @Mortari 25~28- @Fernandolucas 29~31- @Ruben 32- @rbata 33- @Fogo ruivo 34- José Eduardo Querido 35- Nelson Mendes 36- Tiago Andrei 37~39- @Gilberto 40~41- @riozebratubo 42- @Mesquita 43- @helderbarreto 44- @Allexlimaa2 45~46- @GuilhermeB 47- @Edugurjao 48- @Cristiano 49- @paulohvs 50- @Paulo Gomes 51~57- @Miguel de Paula 58- @MarcoC 59~60- @MReis 61- Fernando Kaida 62~64- @Vitor Costa 65- @viniesp 66~70- @LUW
  37. 12 points
    Boa noite, amigos, Faz um par de dias que tenho falado aqui sobre uma La Pavoni Professional, ano 1996, que tive a sorte de encontrar abandonada em garagem e comprei-a no intuito de devolver-lhe a vida. A máquina em si, não tinha avarias, estava, literalmente, largada ao relento, sem filtro e sem tela do chuveiro. Logo que trouxe ela pra casa, comecei o desmonte e a limpeza devidos, pensei que seria um trabalho curto mas, logo percebi que as vedações da máquina estavam ressecadas e endurecidas, muito mais pela falta de uso, mesmo, pois não apresentavam sinais de achatamento (gaxeta do grupo, por exemplo). Embora esse estado de ressecamento, a máquina estava funcionando como um relógio suíço, nenhum vazamento, termostato disparando exatamente em 1,2 e 0,8bar, para desligar e ligar a resistência. Além disso, havia uma água bem suja e com odor forte na caldeira da máquina, que devia estar ali há anos. Assim, decidi desmontar logo tudo e substituir todas as vedações. Aos passos que ia fazendo o desmanche, fui observando que várias alterações "upgrades" poderiam ser feitas na máquina, e ergui mãos à obra. Parti para a internet e encomendei logo um jogo completo de vedações da máquina, bem como, filtro e chuveiro do grupo. Porém, tive a ideia de mandar fazer todas as vedações (exceto as do grupo) em teflon maciço e, acabei por deixar as vedações originais que comprei pela internet, em borracha, guardadas como peças reservas...comprei o teflon em tarugos e levei ao torneiro mecânico para confecção, seguem umas fotos: Pesquisando pela internet, vi um upgrade que achei interessante, voltado ao isolamento do grupo/caldeira via lâmina de teflon. Como eu já estava trabalhando com este material, resolvi fazer eu mesmo essa peça, manualmente. Feita com 1.6mm de espessura : Outra alteração que vi, possível e viável, foi a substituição do pistão do grupo, que era de um tipo "plástico", e mandei fazer um idêntico em bronze maciço. Peça que foi feita comprecisão extrema pelo meu torneiro mecânico e, depois, foi polida por mim: Na parte de baixo, nas ligações elétricas, todo o cabeamento ganhou proteção extra com termocontrátil: Fiz também uma mudança bem interessante do sistema da alavanca, com a retirada dos eixos e do rolete originais, de ferro, substituindo-os por eixos de inox 440c maciço e por 3 rolamentos japoneses, também em inox. Os rolamentos também foram incrementados por 2 arruelas de proteção em laminado de fibra aramida que, além de proteger os rolamentos contra a entrada de água e resíduos, irá proteger também as peças cromadas contra os arranhões ocasionados pelo movimento da alavanca. Tudo devidamente lubrificado com graxa de teflon...o movimento da alavanca ficou acentuadamente macio e leve: As peças de aparência externa receberam tratamento de limpeza e polimento simples, deixando-as com aspectos de novas: Os cabos de plástico preto do porta filtro e da alavanca, bem como, as torneiras da caldeira e do vapor, também foram polidos e ficaram brilhando. Entretanto, como a máquina já havia me dado bastante trabalho e estava ficando bem bonita, aproveitei minha pré-disposição para trabalhos manuais em madeira e resolvi fazer um extensivo upgrade visual nela, todo em madeira, com cabos, torneiras e sub-base, incluindo uma base alinhadora de calcamento: Acima, vejam que a torneira do vapor ganhou travamento em parafuso alen. A torneira grande ganhou uma peça de inox 440c com dupla rosca macho e um base de 3mm entre eles, uma rosca entra na madeira e a outra na caldeira. A sub-base ganhou pés de ventosa em borracha com sistema antivibração. Abaixo, algumas imagens da máquina pronta: E um video em 360º dela que postei no youtube: Bom pessoal, é isso, relato extenso, espero que gostem do resultado. Tem me rendido ótimos espressos com exatas 30g de líquido e boa crema. Forte abraço a todos, Eduardo Gurjão
  38. 12 points
    Mais um utensílio para ajudar na busca da xícara perfeita!! Enviado do meu iPhone usando Tapatalk
  39. 12 points
    Comprei recentemente um Eureka Mignon MCI (modelo 2017) semi novo, e estou testando se ele pode substituir o meu Vario II com mós de cerâmica, que uso para os cappus do café da manhã quando não tenho saco para usar moinhos manuais. O Mignon é um pouco menor do que o Vario, mas mais pesado (5kg vs 3,7kg). Tb acho o Mignon mais bonito. Do ponto de vista da ergonomia etc. acho a regulagem stepless do Mignon mais agradável, mas o timer digital do Vario melhor. Embora o timer do Mignon funciona bem, é mais trabalho manual, tipo try and error. O Vario tem mós planas de cerâmica de 54mm, o Mignon de aço de 50mm. Medi a retenção nos dois moinhos (moagem de uma dose definida com o moinho limpo, medindo a diferença grão-pó) e no meu Vario ficam entre 2,1 e 2,6g no moinho, no Mignon entre 1,5 e 2,2. O Mignon tb “pipoca” menos moendo por dose. Já a aparência do pó é diferente. O Vario entrega pó bem solto. O pó do Mignon é meio empelotado e precisa de WDT para ficar plano (o alinhador Bravo resolve tb): Com o mesmo peso de pó no portafiltro, e uma extração parecida (tempo e peso na xícara) o bolo do Mignon é menor. Estou na dúvida o que isso significa, talvez que a moagem dele é mais homogênea, ou o contrário? Agora mais importante, o sabor. Com os três grãos que testei, o sabor das extrações com moagem no Mignon parece mais limpo, destacando notas frutadas e doçura, mas com um pouco menos corpo. Vou testar os dois lado ao lado por um tempo para ver se isso é um padrão geral. Em geral acho que o Mignon é uma alternativa boa para quem procura um pequeno moedor para espresso e tem um pouco de espaço na mala numa viagem. Como novos modelos do Mignon saíram recentemente, o preço para o antigo incl. caiu e é bem interessante no momento.
  40. 12 points
    Salve pessoal, O dia de hoje celebra o início da colheita em grande parte das regiões cafeeiras do Brasil. É um marco de passagem, pois se inicia uma nova safra. É um momento para celebrar. Para comemorar este momento e o lançamento do nosso site ROAST Cafés (roastcafes.com), estamos librando uns kits com preço promocionais e limitados. Montamos 4 kits com um bom desconto: Kit Coffee Lover - 4 pacotinhos de 250g com torra para coados da nossa seleção atual completa; Kit Dupla Coado - 250g do Café do Eliéser + 250g do Café da Elza; Kit Dupla Espresso - 250g do Café do Eliéser + 250g do Café da Elza - Ambos com torra para espresso; Kit Entusiasta da Torra - 1kg de de cada um dos nosso cafés Verdes para que você possam torrar na sua casa. O link para acessar direto a página da promoção: https://roastcafes.com/categoria-produto/kit-promocao/ Esta promoção é limitada e os pedidos só serão aceitos até às 23:55 do dia 26/05 ou enquanto durar o estoque. Grande abraço, Igor
  41. 12 points
    Fiz ontem as primeiras análises. Misturei as amostras (16g de pó por moinho) bem e dividi em 3 subamostras, pois o aparelho precisa de pouco material. Isso já foi errado pois a diferença entre as 3 subamostras de cada moinho é enorme. Creio que acontece uma estratificação vertical durante o transporte (partículas mais finas no fundo do pote). Um teste rápido com o Aergrind mostrou que moer 3 doses de 5g e analisar cada vez a dose completamente resolve. Assim as medições ficam idênticas. Achei interessante que o pó mostra tanta heterogeneidade interna. Segunda vou refazer o teste sem subamostragem. Mas algumas tendências já foram bem claras, p.ex. que pó com menos volume é mais homogêneo/unimodal. Isso foi uma dúvida que eu sempre tinha quando analisando a altura do bolo no portafiltro (comparando moinhos).
  42. 12 points
    Cansei de me irritar com moedor de pimenta. Nos últimos 6 anos tive uns 4. Uns caros, uns baratos... Agora consegui um bala. Comprei um Porlex Mini JP20 e modifiquei. Copo de baixo trocado por um tubo de madeira. Troquei a alavanca por uma simétrica, deixando-o compacto e para que não desequilibre na mesa. Também há um pino passante/removível para que a alavanca nova não saia fácil. Só falta mandar a pimenta moída para Socratic Coffee medir a distribuição das partículas (kkk)
  43. 12 points
    Eureka Mignon MCI, seminovo. Agora vamos ver se ele pode substituir o Vario como moinho padrão para o cappuccino do café da manha.
  44. 12 points
    TRAGO EXCELENTES NOTÍCIAS!!!!! A CARMOMAQ FARÁ NOSSO TORRADOR CARMINHO! SURPRESA! MAS POSSO ADIANTAR UMA INFORMAÇÃO..... TERÁ EXAUSTÃO INDEPENDENTE! A FABRICA NOS ATENDERÁ E TEREMOS UM TORRADOR DE 1 KG NACIONAL DIRECIONADO AOS COFFEE LOVERS! NAO SABEM COMO ESTOU FELIZ DE REALIZAR ESSE PROJETO GALERA.... JURO QUE VCS NEM IMAGINAM. HJ VOU ENCHER A CARA DE COCA PRA COMEMORAR!!!! HAHAHAHAHA VAMOS EM FRENTE SEMPRE! ABRAÇOS GALERA.
  45. 12 points
    Queniano Kirimiri de Embu, 20 dias de torra
  46. 12 points
  47. 12 points
    O Bravo Mini está quase, devo confessar que não foi fácil desta vez, na próxima semana devo completar todas as peças, na verdade a Usinagem ficou devendo uma peça de cada produto, e desta forma não podia vender nada, mais o incêndio da anodização, os correios que sumiram com minhas peças que foram para o tratamento dourado e outras coisas mais. Mas o que importa é que ficará pronto, rsrsrsrs .
  48. 11 points
    Presente de família. Um lataozinho de 4 litros de 120 anos de idade que foi da minha bisavó. Vai aconchegar os cafés ultraespeciais.
  49. 11 points
    Companheiro para o Bravo Mini e para a Aram agora peguei em mãos com o grande Gilberto o não menos incrível Bravo Tamper! Enviado do meu iPhone usando Tapatalk
  50. 11 points
    Faz tempo que não atualizo essa foto [emoji846] entrou Bravo Mini, Aram, chaleira elétrica, Brodher Roaster ( Air frier )... Enviado do meu iPhone usando Tapatalk
×