Jump to content
Strawberry Orange Banana Lime Leaf Slate Sky Blueberry Grape Watermelon Chocolate Marble
Strawberry Orange Banana Lime Leaf Slate Sky Blueberry Grape Watermelon Chocolate Marble

mindflash

Senior Members
  • Content count

    13
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    1

mindflash last won the day on January 19 2013

mindflash had the most liked content!

Community Reputation

6 Neutro

About mindflash

  • Rank
    Iniciado

Profile Information

  • Gender
    Male
  • Location
    Rio de Janeiro, RJ
  • Equipamento
    Cafeteira french press Bodum Kenya, moedor manual Porlex Mini

Recent Profile Visitors

1,635 profile views
  1. Prensa francesa

    Leonardo, muito interessante esse documento. Eu tinha guardado um resto da moagem problemática e por sorte eu tinha também uma moeda de 5 cents igual da foto do documento. Tentei visualmente comparar com os padrões de moagem dos moedores fotografados e cheguei a conclusão que esse moedor da loja nunca alcançaria a moagem grossa correta para para a french press. No máximo ele moe no médio e olhe lá. Esse modelo de moedor com certeza deve ignorar a possibilidade de alguém precisar de moagem realmente grossa, pois quase todos os métodos de café usam de média pra muito fina, e a prensa não é nem um pouco popular por aqui. Não duvido que seja um bom moedor, porém não faz a moagem grossa verdadeira. Um moedor que servisse para french deveria ao meu ver ter uma moagem até mais grossa do que o necessário, para garantir uma folga de ajuste caso algum tipo de grão se afine demais. Eu dei uma olhada na máquina que o Starbucks usa e vi que é a mesma pro mundo inteiro, ela tem 8 níveis e o nível mais grosso se diz adequado para prensa, estampado na própria máquina. Se o café deles não fosse velho, eu arriscaria pra ver no que dá. Agora estou com medo de comprar nos sites um já moído e ocorrer o mesmo problema, deles moerem no mais grosso mas sem avaliar se o moedor se presta para o uso da prensa. O que deve ter de brasileiro tomando café na prensa com cor de lama e achando bom... Na Internet eu já vi relatos de estrangeiros reclamando do contrário, do café sair claro demais e parecendo chá. Ou seja, tenho certeza que o problema não é meu paladar ou o meu gosto por um café mais bem filtrado, é apenas a dificuldade de conseguir o café na moagem adequada. Já entendi que preciso do meu próprio moedor, até para saborear o café em casa com mais qualidade, mas fiquei desapontado com essa dificuldade, definitivamente não é um sistema amistoso para quem exige qualidade. Café marrom turvo com cor de lama com certeza não agrega nenhum sabor especial com os tão falados óleos aromáticos, qualquer café no filtro Melitta que eu faço fica melhor que esses da prensa com moagem incorreta. Eu li em algum lugar que os grãos devem ficar como açúcar cristal ou cuscuz marroquino, os meus passaram muito longe disso. Eu fiquei bastante curioso sobre essa questão, se alguém aqui compra café moído pra prensa nos sites como Suplicy, Martins Café e etc, e puder relatar como fica o resultado, agradeceria muito. Mas imagino quase quase todos comprem os grãos por já terem seus moedores.
  2. Prensa francesa

    Muito obrigado pelo convite e pelo esclarecimento do moedor. Se me permite uma pergunta, você aprova a moagem nesse moedor no nível 11/12 para a prensa? Pois como eu fiquei insatisfeito com o resultado do café do Armazém, e utilizando o mesmo moedor, fiquei na dúvida se é o moedor que é mais adequado para espresso, ou se o mesmo estava defeituoso/desregulado. Pelo pouco que sei de moedores industriais, lendo na Internet, existe a necessidade de fazer um ajuste no alinhamento do mecanismo de moagem (pelo menos em alguns fabricantes), e pode ser que exista um descaso em manter esses moedores ajustados e em bom estado, da parte deles. Como vocẽ conhece bem o aparelho, talvez possa esclarecer. Como eu peneirei o café e percebi uma quantidade absurda de parte fina, mesmo moído no 10, fiquei pensando em mil possibilidades: o café estava torrado demais, seco demais, os grãos pequenos demais, o moedor estava desalinhado e moeu tudo sem uniformidade, etc e tal. Tive que tomar o resto desse café no coador, pra não jogar fora, e não ficou ruim, mas ficou extremamente forte. Por isso eu acho que o problema vai além da moagem, talvez a extração longa da prensa esteja arrancando partículas demais desse café que só um filtro de papel iria segurar, o que não iria ocorrer com uma torra clara e moída direitinho, ia ficar apenas um leve fundo de sedimento na xícara, mas nada que permanecesse no corpo do café, de forma extremamente turva, como aconteceu comigo.
  3. Qual Grão você recomenda?

    Alguém recomenda um lugar bom pra comprar café de torra clara, em grãos ou com moagens específicas (que não seja apenas a universal para cafeteira elétrica)? Eu vi que a Café Store e a Suplicy oferecem cafés nessa condição, mas gostaria de encontrar mais variedade e quem sabe preços melhores, pois ainda estou em fase de testes/adaptação. Um site que trabalhe com fretes mais econômicos como E-Sedex seria uma boa!
  4. Como armazenar o grão torrado?

    Eu li um artigo sobre um teste cego em que testavam um mesmo café congelado, e outro fresco. Não lembro quanto tempo o café ficou congelado, mas creio que eram o mesmo café, e o fresco deveria estar ainda em boa data, e não velho. A idéia era perceber se o congelamento em si alterava a qualidade do produto. Eles concluiram que não dava pra adivinhar se o café foi congelado ou não. Mas acho que precisa de muito mais ciência por trás disso pra comprovar qualquer coisa, como realizar o teste com diferentes torras, diferentes variedades de café, e com tempos diferentes de congelamento. Pelo que eu entendi, o ideal é congelar somente o que não for ser usado em breve, num pote que vede bem a entrada de ar, ou à vácuo, e após descongelar, não recongelar, consumir e guardar como qualquer outro café. Ou seja, creio que tenha que ir pra geladeira depois de tirar do congelador. Congelar seria útil para quem adquiriu muitos cafés e não quer arriscar deixá-los por meses na temperatura ambiente. Pra quem mora em locais com clima agradável, pode ser bem tranquilo guardar os grãos fora da geladeira, mas pra quem é do litoral, quanto mais subir o mapa, mais deveria se preocupar em não deixar nada no calor. Até que alguém me mostre que geladeira é mais prejudicial que um verão de 35 graus, eu acho que geladeira e congelador podem ajudar.
  5. Prensa francesa

    O Skerton usa o mesmo mecanismo do CM-50. O Mini tem ou um mecanismo novo, ou um modificado. O que me desinteressou nesses é o fato de ter plástico demais na construção, o que prejudica a durabilidade. Agora, existem outro moedor que tem um mecanismo diferente, que é o Kyocera CM-45, que possui o mesmo mecanismo que a Porlex utiliza no seus moedores modelo "Tall" e "Mini. O diferencial da Porlex é o corpo de aço, mas mesmo assim ainda possui um defeito, o ajuste de moagem é de plástico e se estraga com o tempo, como os outros. O aço faz um diferencial também pois diminui os problemas com estática, que faz as partículas mais finas ficarem aderidas nos de plástico. A Orphan deixou de vender o CM-50 pré-modificado, vende apenas o kit para quem já tem o CM-50. Eles agora recomendam a compra do CM-45, que pelo que entendi sofreu uma mudança desde seu lançamento e eles consideraram que funciona tão bem ou melhor que o CM-50/Skerton modificados. No entanto, é difícil achar opiniões unânimes, vejo muitos dizendo que fazem café na french com os moedores baseados no CM-45, e outros dizendo que nenhum manual presta, fora os caríssimos artesanais com a marca da Orphan.. Eu arrisquei, e vou dar meus comentários quando chegar o meu.
  6. Grãos Starbucks

    E os de torra clara deles? Recentemente eles mudaram toda a linha para abrigar essa classificação pela cor da torra. O de torra clara deles chegaria próximo de um médio? Eu gosto de espresso com acidez, então creio que minha preferência seja torra clara puxando pra média no máximo. O lance deles venderem o café com prazo de validade longo me incomoda também, pois dizem que o ideal é tomar em até 15 dias após a torra, e eles vendem com 9 meses de durabilidade. Nem o café com o rótulo Brasil que lançaram especialmente pra cá tem datas mais novas. Eu já li estrangeiros comentando que o café do Starbucks é muito torrado também. Eu acho que quem toma café de cafeteira elétrica lá, que é a maioria dos vendidos, está habituado com torra escura, mas uma proporção de café menor que a gente usa aqui. Por isso o nosso café requer mais açúcar, pois além de ser queimadão, é robusta quase sempre. Nos EUA eles tomam arábica até em lugares como McDonald's e Dunkin' Donuts, pelo que sei. Uma pena, pois seria um bom lugar quebra galho pra comprar café moído na hora.
  7. Prensa francesa

    Eu estou suspeitando que o problema seja a qualidade do café. É possível que um café ruim solte partículas demais, fazendo com que o sabor desagradável fique muito pronunciado? Eu andei lendo sobre a possibilidade das micropartículas ficarem aderidas às grandes, fazendo com que fosse impossível peneirar totalmente. Acho mesmo que o moedor do local que comprei deve ter algum problema. Vou experimentar peneirar o Tassinari que tenho aqui, que vem numa moagem média mas com uma boa parte de pedaços grandes visíveis, e usar apenas o que ficar na peneira. O café está pré-moído, sei que não vai ficar maravilhoso, mas ao menos posso tentar tirar a prova. Alguém já teve essa experiência de um tipo de café ou torra alterar drasticamente o resultado que se esperava? Por exemplo, alguns cafés só ficarem bons em coador ou espresso, e ficarei ruins nos métodos prensados, por terem alguma característica que causa problemas em longa extração?
  8. Prensa francesa

    O que me faz estranhar é que esse método é muito antigo, e se permaneceu até hoje é porque deve ter alguma característica que agrada muito as pessoas. Se for necessário um moedor muito específico pra ficar ao mínimo decente, é bem provável então que ao longo dos anos as pessoas tenham apreciado café turvo mesmo, pois duvido que a grande parcela dos fãs de prensa tem esses moedores tão específicos, a ponto de nem moedores profissionais de rua servirem. Eu estou longe de chegar no nível gourmet de exigências milimétricas, pois nem tenho grãos à altura desses detalhes, só queria entender o que significa fazer um café na prensa, como ele deve ser apresentado, quais os erros mais comuns de se encontrar e que podem ser facilmente resolvidos (como escolher uma torra clara ou evitar alguns tipos de moedor), para chegar em algo que seja considerado nos padrões. Se eu realmente não encontrar nada que me satisfaça alterando as possíveis variáveis, provavelmente vou migrar para um Vario V60, pois café bem coado é dífícil de incomodar o paladar de alguém, e deixarei para ter minhas experiências gourmet apenas nas cafeterias com bons baristas, tomando um espresso que continua meu favorito. Sei que tem muitos métodos diferentes hoje disponíveis, além do AeroPress eu andei lendo sobre a prensa "reversa" que puxa o café em vez de empurrar, enfim, são métodos que divertem quem gosta do processo manual, mas como eu só quero uma maneira para extrair boas qualidades de um café premium em casa, para quando não estou em um lugar bom para um expresso, o Vario iria ser um método rápido e fácil, sem grandes possibilidades de erro. Em tese, a prensa me parecia que preencheria essas características, mas a dificuldade de moer para ela pode se provar um empecilho. A minha preocupação com o sedimento e as partículas em suspensão vai além do paladar, eu acho que é uma forma muito agressiva de ingerir café, pois irá causar uma absorção grande de cafeína, bem maior que tomar vários espressos.
  9. Prensa francesa

    Paulo, o café Tassinari eu consigo em Itaipava, distrito de Petrópolis. Tem um mercado lá chamado Armazém do Grão que revende o café dele em grãos ou pré-moído. Fica na estrada União e Indústria só que no sentido Petrópolis-centro, entrando em Itaipava pela BR-040 é só pegar a direita sentido Petrópolis-centro em vez de pegar à esquerda para Itaipava, fica logo ali. E não sei se ainda existe, mas o Paulo Tassinari tem uma escola do café ali em Itaipava mesmo, no Shopping Arcádia (embaixo da Pousada Arcádia), parece que vendiam o café ali também e moíam na hora, mas eu nunca fui ali e não sei se ainda existe ou como funciona, talvez só abra quando tiver gente fazendo curso. E eu ouvi falar que ele é servido em alguns lugares aqui no Rio também, na rede de sanduíches especiais chamada Focaccia. E pelo que li no outro tópico, você está falando do Espresso Brasil no Leblon, certo? Eles vendem grãos e moem na hora ou você está sugerindo que eu converse com o dono para ele me ajudar a moer o café que eu tiver? Ruston, interessante essa dica, mas se eu realmente tiver que fazer isso pra me agradar o sabor da French Press, eu prefiro coar tudo num Melitta (ou quem sabe num Vario V60?) depois de deixar os 4 minutos de infusão na moagem grossa, ou seja, abandonar o sistema French Press e fazer um misto de infusão longa com filtragem. Pelo que vocês estão falando, mesmo com tudo perfeito, grão de torragem clara ou média, moído grosso sem muita pulverização, é normal o café ficar mais turvo e deixando sedimento no final, capaz de encher uma colher de chá no fundo de uma caneca que estava cheia? O café que eu comprei no Armazém do Café estava muito torrado pro meu gosto, eu acho que preciso testar com um de torra clara pois talvez a extração dos 4 minutos seja longa demais para essa torra, eu testei com 3 melhorou um pouco. Imagino que o Porlex pode me decepcionar, mas em todo caso eu poderia usá-lo para café filtrado, ainda sairia mais barato pra mim que importar um moedor elétrico de bom nível. Creio que ao menos é melhor que um de lâminas. O moedor do Armazém do Café parece ser bem profissional, é daqueles que encaixam o saco embaixo, ou seja, para revenda mesmo. Eu tentei achar na internet e o mais parecido que encontrei foi um Mahlkönig, não sei se é essa marca, mas pelo que li é em tese um excelente moedor. Li também que a moagem para espresso requer um mix de pó médio/fino pra ficar bom, será por isso que a moagem grossa ficou tão misturada com pó fino? O meu problema é que eu não tenho com o que comparar o resultado, tudo que encontro na internet à respeito, é bem superficial, as pessoas falam que se o sedimento for muito, que tem que moer mais grosso e tal, mas ninguém explica qual a quantidade de sedimento que fica no fundo de uma xícara bem feita na prensa. O que está me incomodando não é o último gole, eu já testei várias vezes tomando só metade da jarra, desperdiçando o resto, tomando só os primeiros goles da xícara que eu enchi e decantei por 2 minutos, etc, e acho que o que está acontecendo é uma mistura de extração longa demais, com um gosto mais de terra, como se tivesse muitas partículas microfinas em suspensão, ou seja, o sedimento seria só a parte visível que se depositou no fundo, enquanto o resto está sendo ingerido. Talvez seja isso que agrada o pessoal que curte a prensa, não sei, mas comparando com meu filtro Melitta, feito com água na temperatura certa e controlando o tempo de extração, eu prefiro o filtrado. Eu experimentei filtrar o café da prensa e o filtro ficou bastante cheio de pó ultra fino estilo café turco, então eu estou concluíndo que ou o moedor do Armazém estava estragado, o que pode ser bem provável, pois pode estar sem manutenção, todo estourado por conta de mal uso das funcionárias e falta de regulagem, ou é normal que uma boa parte do café seja pulverizada durante a moagem (talvez 10-20%?) que seria o motivo do meu café de prensa estar ficando com "gosto de café turco". Eu vou encomendar da Internet um café já moído pra prensa desses sites recomendados por vocês, para fazer mais experimentos. O último experimento que eu fiz foi peneirar esse meu pó e creio que consegui tirar uns 10 a 20% de pó fino dele, e acho que o café deu uma leve melhorada, mas ainda forma um sedimento visível. Se eu descobrir que o problema é realmente uma mistura de torra escura demais e um moedor que cria uma parcela enorma de micropartículas, acho que uma torra clara com uma moagem grossa mais uniforme vai criar apenas um sedimento normal, que não vai incomodar se os últimos goles da xícara forem dispensados. Eu aproveitei o pó fino que ficou e fiz um café coado com ele, ficou bem forte, mas saboroso, melhor que na prensa, por isso estou suspeitando que essa torra seja totalmente inadequada pra extração longa e que esse seja um fator influente na presença de sedimento excessivo e boa parte em suspensão.
  10. Cafeterias no RJ

    Eu já tinha visto a Expresso Brasil no Leblon, mas nunca imaginei que pudessem servir um café especial ali, vou experimentar. Essas de rede realmente são complicadas, pode ser até que tenham um bom treinamento, máquinas ajustadas, grão bem controlado, mas na hora que enche de clientes os funcionários fazem tudo que é proibido e pecaminoso com o café. Só citei elas pois eu realmente não conheço algo do nível do Cafuné para recomendar, e foram as menos piores, de tão ruim que são as outras. Dá pra fazer um tópico de cafeterias desastrosas.
  11. Prensa francesa

    Pessoal, vamos falar das experiências com prensa francesa nesse tópico. Eu adquiri a minha Bodum numa loja da Starbucks aqui no Brasil, e agora estou aguardando a chegada do meu moedor para poder experimentar com mais cuidado. Eu usei um pouco com o café Tassinari lá de São José do Vale do Rio Preto - RJ (divisa com Petrópolis), que vem numa moagem média, mas o resultado é que fica muito pó fino passando também e faz aquela lama preta. Experimentei ir numa cafeteria aqui do Rio chamada Armazém do Café, aonde eles moem grãos pro cliente, mas também não prestou, e olha que peguei quase a moagem mais grossa da máquina. Não entendi bem se a culpa é do grão ou do moedor deles, avaliando o resultado à olho nu dá pra ver que ficou uma boa parte em partículas grandes como deveria ser, mas tem muita parte fina. Sinceramente estou na dúvida se é normal isso, se estou sendo exigente demais, mas me dá a impressão que o café está com pó demais passando, às vezes da pra ver muito sedimento no final da xícara, que daria pra encher uma colher. Se alguém tiver dicas sobre a moagem que usa ou de lugares pra adquirir café moído grosso (de preferência no Rio capital) por favor compartilhe. Eu vou experimentar um moedor manual, que muitos dizem não ser bom para french press, mas achei menos arriscado para ir conhecendo, antes de adquirir um moedor de nível mais elevado. Até o momento tem me dado a impressão de que fazer café nesse estilo no Brasil dá um belo trabalho, pois não é qualquer moedor que serve.
  12. Cafeterias em BH

    Posso usar esse tópico para falar de boas cafeterias no estado de MG? Recentemente estive em São Lourenço, cidade turística no Sul de Minas, bem próximo de produtores de café, e tive a imensa felicidade de me deparar com duas cafeterias excelentes, que fazem espresso maravilhoso. Uma delas é a Barista Café (se não me engano), que fica numa rua próxima ao Parque das Águas, em frente à uma das entradas da Galeria Fonte Luminosa (quem conhece a cidade vai saber achar). Nessa cafeteria trabalham baristas premiados, e o espresso é fantástico, além de ter bebidas feitas à partir do produto. Outra maravilhosa cafeteria na mesma cidade é uma que leva a marca Unique, que é também revendedora de blends torrados em grão e moídos. Esta fica na rua do calçadão, onde estão os principais bares da cidade. Cafeteria muito chique e cheia de coisas boas além do café, que é excepcional e feito numa La Marzocco. Finalmente o Brasil está valorizando seu café, e o Sul de Minas está bem representado. Imagino que outras cidades devam estar recebendo o mesmo tratamento, quem conhecer e puder divulgar, estou curioso.
  13. Cafeterias no RJ

    Olá pessoal, vou abrir esse tópico para falarmos de boas cafeterias no estado do Rio de Janeiro. Na capital, a melhor cafeteria que eu conheço é a Cafuné, localizada na Barra da Tijuca, no Shopping Cittá América. O local é agradável, funcionários são simpáticos, e os donos são baristas. Eles tem uma La Marzocco e usam grãos premium de várias regiões, vão mudando com frequência. É o melhor espresso que eu conheço. Normalmente servem espresso com uma acidez pronunciada, que eu aprecio bastante. Outros lugares onde o espresso pode ser bem servido, mas não com o mesmo cuidado, são nas cafeterias Franz Café e Rubro Café. Eu só posso falar pelas que tem no Shopping Rio Design Barra, também na Barra da Tijuca. As experiências que tive nessas duas foram positivas, pois o espresso tem mais qualidade que a água queimada que normalmente servem nas cafeterias por aí. Existem outras unidades mas não tenho como avaliar se é comum servirem boas xícaras. Não sou grande conhecedor, mas sei diferenciar o espresso bem tirado do que é normalmente servido nas cafeterias, até em muitas que são chiques. Tenho curiosidade de descobrir outros lugares que sirvam um café honesto, pois no geral as máquinas são operadas por moças mal pagas e sem treinamento, que fazem qualquer coisa para encher uma xícara e jogar na cara do cliente, que jamais reclamaria pois está acostumado com o mesmo tipo de tratamento nas outras cafeterias.
×