Jump to content
Strawberry Orange Banana Lime Leaf Slate Sky Blueberry Grape Watermelon Chocolate Marble
Strawberry Orange Banana Lime Leaf Slate Sky Blueberry Grape Watermelon Chocolate Marble

Rodolfo M

Senior Members
  • Content count

    937
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    28

Rodolfo M last won the day on December 4 2018

Rodolfo M had the most liked content!

Community Reputation

1,391 Excelente

4 Followers

About Rodolfo M

  • Rank
    Torrador hobbista
  • Birthday July 3

Profile Information

  • Gender
    Male
  • Location
    São Paulo
  • Interests
    Comida, amigos e café, não necessariamente nessa ordem rs
  • Equipamento
    Kaldi, La Spaziale Vivaldi S1, Astro 12, Bravo Mini e Debut, Kalita wave, V60, etc.

Recent Profile Visitors

1,800 profile views
  1. Olá Heitor, Eu comecei com espressos e depois migrei para os coados, história parecida com a sua. Hoje curto muito a clever, parece um Hario/melitta misturado com prensa rs. A diferença para o melitta é que você consegue controlar o tempo de infusão (como na prensa ou AP invertida). O bacana que existem diversas técnicas, todas oferecem resultados finais diferentes (o mesmo grão parece um café diferente), e os aparelhos custam muito mais barato que uma máquina de espresso. Se fosse hoje, e fosse para escolher apenas um moedor, compraria o Debut. Fiz comparações com outros moedores e preferi o resultado do Debut para coados (Vario x Breville x Astro x Mini x Debut), no final vendi o Vario e o Breville e peguei um Debut. Se não me engano, o Gil tem apenas mais 1 Debut (tinha uma pessoa interessada, não sei se reservou), se existe a possibilidade de pegar um, corre rs.
  2. Moagem vs Pressão no Tamper

    Citamos o problema do moedor pois a solução do problema dele não se resolverá mesmo que passemos as soluções para os roblemas em específico, mas vamos lá. Fazer um ristretto em uma máquina semi-automática é meio complicado pois vc precisa selecionar previamente um volume de água (ou usar uma balança e parar a saída de água no momento que atingir a BR desejada). Os filtros da prima late eram pequenos, eram de 8 e 16g, procede a informação? Caso positivo, um ristretto ficaria em torno de 8g a 16g de peso total (vide tabelinha de BR). Vc diz que está vazando quando afina muito. Significa que não vaza em outras situações? Se for isso sua máquina pode não estar avariada. Provavelmente está quase “chocando” e o excesso de pressão faz vazar por cima. Lembro que o encaixe do porta filtro não é de primeira, então é uma situação plausível. Um dos problemas do moedor de lâmina é que não tem consistência de moagem, dificilmente vc consegue regular a granulometria da moagem, então afinar ou engrossar a moagem fica muito empírico, sem controle. Padronizando a moagem, a força que vc compacta o café com o tamper, vc vai conseguir chegar em uma proporção razoável e vai tirar cafés melhores. Mas espresso perfeito será complicado.
  3. Moagem vs Pressão no Tamper

    Basicamente é o que os colegas @Fogo ruivoe @CabralJá falaram. De verdade? De um espresso nota 10 espere algo entre 4 a 5 da prima late que você não se decepcionará. Mais que isso terá que trocar todos seus aparelhos. Foi o que aconteceu comigo. Sempre tem como melhorar o processo e os aparelhos (PID por exemplo), mas fazendo uma analogia com carros, vale mais a pena gastar 50 mil em um carro de 20 mil para ele correr tanto quanto um carro que custa 70 mil ou vale mais a pena vc trocar pelo carro de 70 mil?
  4. Moagem vs Pressão no Tamper

    Boa noite Ronald, Existe uma relação com o grau de moagem e força que vc compacta o café. Quanto mais vc compacta, mais grossa pode ser a moagem. Mas são duas variáveis, quanto mais variáveis vc tiver nesta equação, mais complicado é repetir um bom café! Então existe um padrão de força que vc aplica no tamper (em média de 10 a 20kg, vc verá que existe muita variação de opinião), o ideal é usar um tamper dinamométrico para padronizar isso. Outra questão é o moedor. Um moedor de lâminas dificilmente te dará moagens constantes. Precisa ser necessariamente um moedor de mós cônicas ou planas. Eu comecei com um kit parecido com o seu (prima late l e um moedor de lâminas Hamilton ). Nunca saiu um espresso decente. Depois eu comprei um Hario Slim, mas são 4 minutos de moagem para cada café, e no começo vc erra demais, 4, 5x para sair um café tomável. Comprei um Vario W, mas mesmo assim o resultado era ruim. Descobri nesse momento sobre os cafés especiais e com torra recente, e passei a comprar cafés especiais. O café ficou bom, mas sem aquela crema bonita. Aí descobri que a Prima Late I vem com filtro pressurizado, o que cria uma falsa crema e mata a verdadeira crema rs Depois disso achei mais fácil comprar outra cafeteira... Escrevi tudo isso para vc ver que não vai ser tão simples chegar em um espresso “perfeito”, é um caminho árduo mas extremamente divertido. Boa sorte!
  5. Cafeteira Espresso para Acompanhar Moedor Breville

    O @Cabralfalou tudo rs Sou o segundo chato a pipocar kkkkkkkkkkk (o Carneiro n conta). Já que vc tem o moedor Breville, sugiro a própria cafeteira Breville. Esteticamente são perfeitas juntas pois são da mesma linha. Mas se for para complicar, recomendo o moedor Breville para coados (Hario v60, kalita, Melitta) ou mesmo aeropress ou prensa francesa, pois o Breville sofre um pouco para moer para espresso.
  6. [COMPRO] MOEDOR MANUAL

    Pegue os dois e coloque para moer para coado. Agora regule ambos para espresso, e diga qual o procedimento que teve que fazer com cada moedor Tem a questão de construção de cada um também. Talvez “incomparável “ soe forte, mas ao meu ver é como comparar o Debut com o Mini, acredito que o Comandante esteja mais como concorrente do novo Bravo que do Mini, que acredito ser o Mini de categoria superior. @Gilberto, tá na hora de montar o tópico do moedor novo hehe
  7. Debut x mini para coados

    Pois é Bruno, mas os testes foram feitos justamente na casa do criador, o Gil rs Fiquei tão impressionado com os resultados que fiz um bem bolado com o Gil e estou pegando o penúltimo Debut que ele possui. Eu adoro uma engenharia, coisas exatas, porém vejo que as coisas “não tão exatas” como uma receita de café, que é difícil padronizar (e nos fazem malucos testando varias receitas) acabam dando um sabor especial para este hobbie.
  8. [COMPRO] MOEDOR MANUAL

    Eu acabei de fechar negócio com o Gil, para um Debut (para uso em coados, conforme o tópico que criei). Na minha singela opinião, o Comandante é até mais caro que o bravo mini, e não existe comparação entre os dois (o bravo é muito superior). Sobre o bravo “nano”, alguns de nós vimos as fotos hoje da parcial do primeiro lote uhuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu Está na dependência da usinagem de 2 peças segundo o Gil, para o lançamento ainda neste ano (vai depender exclusivamente destas duas peças agora). Então de repente não seja uma longa espera...
  9. Debut x mini para coados

    Boa noite amigos do café. Vou levantar um assunto para os amigos divagarem um pouco. A algum tempo atrás chegou em minhas mãos um café premiado, que além da qualidade do grão foi torrado pelo mestre Ensei. Fui quente experimentar o café, fiz na kalita, extração padrão de 3 minutos com BR de 6%. Ficou apenas bom. Testei outras regulagens mas o resultado era parecido. Como na ocasião eu ia avaliar (encher o bucho) as pizzas de levain do grande Gilberto, juntamente com a amiga Anita, levei os grãos para avaliação. Repetimos os testes lá da mesma forma e obtivemos o mesmo resultado. Testamos então no espresso, na VFA, moído no Debut. Ficou muito bom e achamos todos que a torra era para espresso. Porém nessa brincadeira acabamos testando o café na kalita mas agora moído no debut. Caraca, o café brilhou, era um outro café. Foi uma cara de espanto de todos que provaram. Repetimos alguns testes e comprovamos que vários cafés brilharam muito mais na kalita quando moído no debut, se comparado ao mini. Isso deu o que pensar pois existem avaliações da moagem do debut como bimodal e do mini, unimodal, e toda uma teoria que o bimodal era melhor para espresso e unimodal para coados. Depois disso o amigo Rubens adquiriu o debut também e deu para fazer mais testes. Nos testes que fizemos, a acidez fica muito mais perceptível, assim como outros aromas (como se “aflorassem”). Como muitos amigos do fórum possuem os dois moedores, gostaria que dessem suas opiniões. E caso não tenham feito esse teste, façam que vale a pena! um grande abraço a todos!
  10. Olá, eu acabei de ver seu tópico. 

    Não sei se o meu moedor é a melhor indicação. Valeria a pena se fosse a preço de banana, mas ele é praticamente novo e apesar do tempo do post, ele ficou na caixa sem uso, e o valor do novo acabou subindo desde então. Eu tenho ele, um Breville, um astro12 da Spaziale e o que eu realmente uso, um bravo mini. Um moedor do porte do astro12 seria ideal para você. Sempre aparece uns na faixa dos 2k, o modelo eletrônico. O Vario W eu indicaria para uso residencial em espressos (ou coados, com a mó de aço).

    Comparando a vida útil do Sette com o Vario, aposto no Vario pois o próprio manual do sette fala de desgaste de algumas peças conforme o uso. Mas isso penso ser secundário (para uso residencial). Já no comercial pode acabar sendo o que o Fogo Ruivo falou, n durar 1 ano.

    Isso daí, boa sorte na compra!

  11. opa, tenho interesse no vario, ainda está a venda?

    1. Rodolfo M

      Rodolfo M

      Olá, sim está à venda.

    2. fsswagner

      fsswagner

      aceita oferta? o produto foi precificado ano passado.

    3. Rodolfo M

      Rodolfo M

      Olá Wagner, qual seria sua oferta?

  12. Vai acabar chegando em um Leite desnatado? Rsrsrsrsrsrs Ja tentei vaporizar Leite desnatado, é uma droga rs
  13. Ótima dica, já pensei em outras utilidades gordas que não o capuccino kkkkkkkkkkkkkkkkk Sobre o controle do resultado, fica a cargo do paladar de cada um, afinal essa é a graça. Saber exatamente o que se tem é ótimo para a repetibilidade mas acaba um pouco com a graça. Deixaria por exemplo de ser “arte culinária “ e seria apenas receita culinária. Sobre o sabor do gelo que sobra, com certeza não será água pura, pois muita coisa ficará dissolvida nela (tanto que água com açúcar ou sal necessita de uma temperatura menor para o congelamento). Por estes motivos e outros (composição de cada leite, que varia em cada lote, etc) saber exatamente o que se tem é praticamente impossível. Lembro que a um tempo atrás lançaram aqueles aditivos para água, o colega @Lisboa Santosaté chegou a testar. Mas se n me engano não foi aprovado para concursos. Seguiria essa linha de pensamento de “adicionar”. Para mim particularmente, alterar as técnica para obter um determinado resultado na xícara (moer mais grosso, deixar menos tempo em infusão... é uma arte!) Esse processo do Rodrigo segue essa linha. Adicionar elementos acaba perdendo um pouco dessa graça.
  14. Leitura recomendada da semente à xícara

    Grande @Mesquita Eu fiquei fazendo uma força pra lembrar deste tópico, vi a data de setembro e achei que enfim a caduquice me pegou... mas foi em 2017 ..., por enquanto abaixo o geriatra e continuo apenas com o oftalmo kkkkkkkkkkkkkk Não li o livro do Scott Rao, mas como o @Carneirobem pontuou, importação de livro é tranquilo. Nesse gap de 1 ano, li algumas coisas sobre o assunto. Hoje entendo mais o porque não existe um livro do gênero. Simplesmente porque se fosse um livro bom, teria que ter vários volumes!!! E mesmo assim, provavelmente, estaria incompleta! Para começar, teria que definir onde você gostaria de começar. Antes eu pensava apenas sobre a espécie do grão, localidade, clima e altitude, tipo do solo. Hoje sei que existem as linhagens genéticas de uma mesma espécie, indicada mais para um ou outro local. E também as “experiências “ que estão sendo feitas hoje em dia, tentando aclimatar espécies de outras localidades (exemplo: o guesha ou gueisha aqui no Brasil). Um bom lugar para você procurar são as bibliotecas digitais das universidades. Eu andei lendo alguma coisa que achei nas bibliotecas de lavras e do Paraná. Vale a pena essa pesquisa.
×