Jump to content
Strawberry Orange Banana Lime Leaf Slate Sky Blueberry Grape Watermelon Chocolate Marble
Strawberry Orange Banana Lime Leaf Slate Sky Blueberry Grape Watermelon Chocolate Marble

Schiavon Bruno

Senior Members
  • Content count

    20
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    2

Schiavon Bruno last won the day on January 11

Schiavon Bruno had the most liked content!

Community Reputation

29 Neutro

About Schiavon Bruno

  • Rank
    Iniciado
  • Birthday 11/10/1985

Contact Methods

  • Website URL
    https://www.instagram.com/espressovegano/?hl=pt

Profile Information

  • Gender
    Male
  • Location
    Qualquer lugar que tenha bom café
  • Equipamento
    Água e café.

Recent Profile Visitors

127 profile views
  1. Como armazenar o grão torrado?

    Sobre este tema compartilho esta postagem de um blog IL CAFFÈ ESPRESSO ITALIANO, mantido por vários profissionais do café da Itália e pelo pessoal da Espresso Academy de Firenze, a fim de contribuir com o tópico. http://www.ilcaffeespressoitaliano.com/2016/il-nostro-test-come-conservare-il-caffe-frigo-freezer-o-dispensa/ O teste consistiu em três amostras de 100g conservados por 10 dias em três ambientes distintos: congelador a -22°C, geladeira a 4°C e dispensa a temperatura ambiente, protegido da luz. Com uma Dalla Corte DC Pro se extraiu com as amostras três espressos padrão, a 93°C e EBF de 50% (15 in/30 out). Traduzindo para o português, estes foram os resultados que obtiveram: "O primeiro a ser avaliado foi o espresso da dispensa: o espresso tinha uma crema cor de avelã elástica e com tigratura, ao nariz tinha aroma de caramelo e biscoito. Dose balanceada com ligeira e prazerosa acidez, amargor agradável. Corpo bom e nenhuma sensação adstringente, retrogusto de chocolate com bastante persistência. O espresso feito com o café da geladeira se apresentou com uma crema avelã sem nenhuma tigratura e menos persistente que a primeira. A intensidade aromática, em comparação com a primeira dose, resultava mais leve e na degustação estava seguramente menos balanceada. O corpo ficou leve e o retrogosto mais amaro e persistente. O terceiro espresso se fez com a amostra do congelador. Seguramente este espresso teve uma crema menos consistente e elástica em comparação aos outros, a intensidade aromática estava parecida com a do espresso feito com o café da geladeira, com uma xícara aparentemente mais balanceada. A corposidade era média e o retrogosto agradável de fruta seca ficou "curto". As três amostras foram então avaliadas em cupping "alla brasiliana" (obviamente a torra para espresso e os 15 dias da data de torra não ajudaram para este teste) e os resultados foram 100% comprovados. A amostra da dispensa foi a menos amarga, com o maior corpo e o melhor voto final. Ao final da prova, os profissionais, baristas e coffeelovers foram unanimes em preferir a xícara preparada com o café armazenado na dispensa à temperatura ambiente."
  2. Salve amigos, vi que já existe um tópico sobre cursos, mas achei melhor postar estas informações aqui nos classificados. Recentemente a BSCA fechou uma parceria com a SCA (Specialty Coffe Association - resultado da fusão SCAA+SCAE) e tornou mais viável a realização de cursos certificados SCA no Brasil. Os amigos devem saber que a SCA é uma organização que representa milhares de profissionais do café, desde produtores a baristas, em todo o mundo, a fim de promover a excelência em cafés especiais, e para isso administra e promove um programa de educação ensinado por Authorized SCA Trainers (AST), ou formadores autorizados, em torno do mundo. O Coffee Skills Program (CSP) ou Programa de Habilidades do Café, é dividido em módulos (green coffee, roasting, sensory skills, barista skills e brewing) e cada módulo em três níveis (foundation, intermediate e professional) oferecendo assim educação especializada para cada etapa da carreira do profissional ou "amante" do mundo do café. Como a indústria dos cafés especiais é bem diversificada, o programa de educação permite que se escolha a área que mais atenda aos interesses e necessidades do aluno/profissional, ajudando-o a desenvolver sua paixão e compartilhar suas habilidades, além de certificar o seu conhecimento em nível internacional. Em parceria com a Argenta Cafés de Curitiba, ministrarei o curso de BREWING INTERMEDIÁRIO, agora nos dias 17 e 18 de janeiro, e temos ainda 2 vagas disponíveis. Diferentemente de um curso de métodos, o módulo Brewing fornece, através dos diversos métodos de preparo e dos conceitos de medição científica da extração, aprendizagem prática que permite entender o desempenho de todas as variáveis que afetam a extração do café. O nível intermediário é recomendado aos profissionais ou amantes do café que desejam dominar a manipulação das técnicas de extração para poder melhorar a qualidade da sua xícara. Tem a duração prevista de 16 horas/aula (divididas em 2 dias), que culminam na aplicação de uma avaliação escrita e de uma prova prática. Atingida a suficiência em ambos os exames, o aluno recebe o certificado e reconhecimento internacional que comprova ter cursado com rendimento o curso de formação do módulo de extração, emitido pela sede europeia da SCA, na Inglaterra. Para aqueles que querem se dedicar à carreira de formação da SCA, cada certificado desse tem uma pontuação específica, e ao atingir 100 pontos o estudante recebe um "diploma de aplicação", que é o reconhecimento da Organização pela sua dedicação ao estudo do café especial. Mais informações sobre o programa vocês podem acessar aqui: https://sca.coffee/education/ Fico à disposição para maiores esclarecimentos, informações, curiosidades, e pra conversa fiada sobre café também por DM, email (schiavon.borgo@libero.it) ou Whatsapp (+39 327 793 5698). Um abraço e bebam com responsabilidade :-)
  3. Café em casa ( planta )

    O catuaí vermelho vinha crescendo que era uma beleza, mas de umas 3 semanas pra cá ele simplesmente estagnou. Achei que tinha relação com o clima (úmido demais, já que tem chovido muito aqui em Floripa, ou quente demais). Nesta última semana as folhas mais novas deram uma boa amarelada, e hoje identifiquei o que parece ser a famigerada ferrugem :-( Algum companheiro tem alguma dica de como posso conter esta contaminação por fungos?
  4. Cafés Torrados - Colômbia e Etiópia

    Olá amigos, Acabo de retornar de uma viagem por Buenos Aires e Montevideo, onde pude visitar vários coffee shops daquelas cidades. Os preços não estavam muito convidativos, mas acabei encontrando dois cafés com preços razoáveis, dos quais trouxe uma certa quantidade que não terei condições de consumir sozinho. São eles: - Colômbia Yumai Estrella Dorada (blend caturra/colombia/típica) torrado por LAB Tostadores em 23/11 - Ethiopia Guji Sidamo torrado por La Motofeca em 28/11. Ambos são lavados, e estão com torra média. Os preços são de R$ 50 e R$ 40, respectivamente, e referem-se apenas aos custos de aquisição e impostos. Caso alguém se interesse, encontro-me em Curitiba e meu número é +39 327 793 5698. Abraço!
  5. O amigo está coberto de razão. O objetivo inicial do post era compartilhar os cafés que tenho em meu moinho, mas a vontade de compartilhar com eventuais interessados os bons cafés que trouxe acabou deixando-o fora do tema abordado pelo tópico. Pedindo desculpas por atrapalhar o bom andamento da troca de informações deste fórum, transferirei meu post para a sessão de classificados. Abraço!
  6. Sobre o passeio por Buenos Aires e Montevideo... Congo Mungano, Sumatra Ketiara, Colômbia Yumai, Ethiopia Shakiso e Sidamo, El Salvador, India monsooned e Ilha de Java. :-) Amigos como o Colômbia do Lab Tostadores (na embalagem tá como blend, mas os grãos são da mesma origem - Nevado de Huila) e o Ethiopia Guji de Sidamo do Motofeca estavam com preços bem em conta, eu os trouxe em boa quantidade. Ambos são lavados e Foram torrados em 23/11 e ontem, respectivamente. O Colômbia tá com torra média e o Ethiopia com torra clara. Estou em Curitiba mas posso enviar por sedex, caso algum companheiro esteja interessado. Basta me chamar por DM ou pelo whatsapp (+39 327 793 5698). Colômbia R$ 50/250g Ethiopia R$ 40/250g Abraço e muito café pra todos nós :-)
  7. Meio frustrado, visitas acham meu café fraco!

    Lembrando que, fisico-quimicamente falando, destas 3 colheres de café usadas, menos de UMA é dissolvida pela água e vai parar na xícara. Assim, a matemática é clara: estão a beber MUITO açúcar, dissolvido em água, com uma mísera pitada de café.
  8. Café em casa ( planta )

    @Bruno Marinho, tá usando o NPK a 04-14-08?
  9. Café em casa ( planta )

    Esse é o catuaí vermelho que ganhei no stand do Cerrado Mineiro. Calculo que deva ter uns 8 meses de idade, mas aceito a opinião dos amigos mais experiente... Esta foto inclusive será enviada pra eles, pra que contabilizem as 50 mudas de espécies nativas que serão plantadas pelo projeto. Como disse o @Allexlimaa2 apesar de estar em Floripa, foi plantada em altitude, está no 8° andar hehehehe. Minha experiência em plantio de mudas: NULA. Provisoriamente (até ter certeza de que ela se adaptará) estou usando terra de jardinagem mesmo, com 30% de matéria orgânica, e até agora adubei uma vez com a solução de NPK a 04-14-08. A aplicação do fertilizante farei uma vez por mês nos meses de verão, e no resto do ano a cada 3 meses (seguindo as orientações de uma cartilha de manejo do IAPAR). A rega está sendo diária. As folhas estão um pouco danificadas da viagem, mas em uma semana já percebi que a muda deu uma boa recuperada. Vamos ver até onde ela chega...
  10. Café em casa ( planta )

    São mudas de catuaí vermelho. Eu peguei uma lá, que já está se recuperando de todo o stress da viagem, acomodada, regada e adubada na sacada do apartamento aqui em Floripa :-)
  11. Semana Internacional do Café 2017

    Destaque pra mim foi o microlote de catuaí vermelho fermentado do Leonardo Bittner torrado pela Terroá, de Piatã. Mto complexo e aromático!
  12. Mostre Aqui o Seu Cantinho de Torra

    Falando de solubilidade, os amigos torradores mais experientes saberiam me dizer como ela varia em função da torra? Eu tenho a impressão (que pode ser só uma impressão mesmo, pois carece ainda de um estudo aprofundado) de que quanto mais se avança na torra mais se aumenta a solubilidade. Maior solubilidade implicaria assim em um número maior de TDS na xícara, fazendo um café mais "corposo" (com mais sólidos dissolvidos).
  13. Água

    Grande professor @Lisboa Santos! A interação da água com café é algo fenomenal de ser estudado mesmo, e merece muita dedicação e principalmente testes. E o que mais me apaixona nesse mundo do café é que cada café é único e vai reagir da sua maneira com os elementos químicos presentes na água. Os parâmetros da SCA realmente não podem ser tidos como uma obrigatoriedade, primeiro porque são estabelecidos em sua maioria através de processos subjetivos de percepção sensorial, e segundo porque, como digo às vezes, só quem tem autoridade pra dizer se meu café é bom ou não são minhas papilas gustativas. Sobre sua dúvida, usei água destilada sim. Existe esta confusão aqui também com o nome depurata, mas é a água destilada para uso farmacêutico com menos de 0,001% de resíduos fixos. Concluí se tratar de uma superextração por conta do alto valor de TDS que obtive no refratômetro. Em uma rodada "informal" do teste, feita com um café comercial, a água destilada ficou com 2,05% de sólidos dissolvidos, contra 0,80% da água mineral. Imagino que seja algo relacionado com a hipotonicidade da água, que pode ter feito com que quase tudo que estava dentro das células do café tenha sido extraído. Nos resta continuar testando, estudando, descobrindo e provando. O que não é tão ruim assim hehehe... Um abraço e bons cafés para todos nós (com águas boas!)
  14. Água

    Motivado pela leitura deste tópico fiz um pequeno teste hoje aqui. Mantive exatamente os mesmos parâmetros (moagem, ratio, temperatura) variando apenas o tipo da água. Água destilada (acqua 1), água da torneira (380ppm e oficialmente dureza 32) (acqua 2) e água mineral (146ppm e dureza 14) (acqua 3). Utilizei o método V60 e passei todos eles pelo refratômetro. Refiz o teste na AP. Trago à análise dos companheiros os valores de TDS que obtive. Em termos de extração, água mineral e água da torneira tiveram desempenho parecido. Eu achava que pelo fato de água ser muito mais dura, isso afetaria a extração, mas não ocorreu. Em contrapartida o perfil aromático do café (mirtillo, frutas vermelhas e cítrico) ficou muito mais evidente na água mineral, com certeza fruto da dureza elevada e de outros minerais em excesso na água da torneira. Merece um novo teste, mais qualitativo, que pretendo fazer em breve. A água mineral que usei é uma água bem famosa aqui, muito utilizada nos cafés que não possuem sistema de filtragem. E a água da torneira é aquela mesma, que detona chuveiro, máquina de lavar e caldeiras por excesso de calcário. Com a água destilada houve uma super extração, e praticamente ficou impossível fazer uma análise sensorial, tendo em vista o amargor elevado. Eu vi outro dia um comentário aqui sobre como seria um café feito com água destilada e também fiquei curioso. Resultado: quase vomitei :-D Um abraço e bons cafés a todos!
  15. Clube do Cold Brew - Lançamento

    Que ideia massa! Eu sou muito fã de cold brew, tenho feitos alguns testes com diferentes métodos, perfis de café e também diversas combinações (leites, alcoólicos, etc). Existe um mundo sensorial imenso pra ser explorado no cold brew e no iced coffee também. E os cafés da região de Sidamo na Ethiopia (incluindo Yirgacheff), Quênia e Tanzânia (todos muito frutados e cítricos) são excelentes pra este tipo de extração. Muito boa a ideia mesmo!
×