Jump to content
Strawberry Orange Banana Lime Leaf Slate Sky Blueberry Grape Watermelon Chocolate Marble
Strawberry Orange Banana Lime Leaf Slate Sky Blueberry Grape Watermelon Chocolate Marble
Santiago Luz

Torra doméstica - Modificações na fritadeira Kitchen Art da Philco

Recommended Posts

Boa tarde Marcio, confesso que não fiz um batch de fato no teste. Apenas introduzi os 350G de grãos verdes e deixei lá rodando por 3-4 minutos sem ligar as resistências para ver se algum grão ia despencar pra fora do tambor. Mas tem um amigo aqui do fórum que mandei pra ele o acessório e ele já deve ter testado, vou falar com ele hoje e depois volto aqui. Mas em teoria, quanto maior a quantidade melhor deveria ficar a qualidade da torra, não é? Quem tem mais experiência por favor, nos diga rs..

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Oi, Beto!

Eu aqui no meu consigo boa homogeneidade até uns 180g. Depois disso a qualidade cai...

Até pensei em trocar o motor, mas a coisa não é tão simples...

Vou aguardar pra ver a opinião do seu amigo.

Valeu!!

Share this post


Link to post
Share on other sites
Lourenço    37

Beto, por favor coloque uma foto desta modificação !

 

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Em 28/08/2017 at 15:02, Roberto Pimentel beto-o disse:

Boa tarde Marcio, confesso que não fiz um batch de fato no teste. Apenas introduzi os 350G de grãos verdes e deixei lá rodando por 3-4 minutos sem ligar as resistências para ver se algum grão ia despencar pra fora do tambor. Mas tem um amigo aqui do fórum que mandei pra ele o acessório e ele já deve ter testado, vou falar com ele hoje e depois volto aqui. Mas em teoria, quanto maior a quantidade melhor deveria ficar a qualidade da torra, não é? Quem tem mais experiência por favor, nos diga rs..

Beto, em teoria não. Em geral, os fornos de tambor tem o seu auge de estabilidade com 70% de carga aprox.. Acima disso a torra tende a ficar heterogênea. No caso do forninho, imagino que 350g seja muito. Ele não tem muita massa metálica, o que deixaria a temperatura mais difícil de estabilizar. Entrar 350g de grão no forno e ligá-lo no máximo, além de pesar um pouco pro forno, vai demorar pra ele conseguir fazer com que toda essa massa de grãos alcance a mesma temperatura. Imagino eu que a desidratação será bem mais lenta, assim como o desenvolvimento, correndo o risco de deixar o grão assado, e não torrado.

Acho que vale o teste, mas ao meu ver, limita muito a possibilidade de torras. Com 175g acho que rola umas torras mais rápidas, além de poder trabalhar torras com desenvolvimentos mais lentos. Ao meu ver, é muito mais animador e nem tão trabalhoso fazer 2 batchs de 175g do que forçar a amizade do forninho com 350g, hehehe

  • Haha 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Fer, muito bom! MAravilha de explicação. Sobre torrar de 200g no forno, penso da mesma forma, e sempre obtive muito bons resultados assim. Essa adaptação para torrar mais fiz a pedido de uma pessoa que queria comprar o forno, mas precisava torrar a maior quantidade que pudesse, então eu pensei em algo e saiu isso rs. Como eu tinha um pouco de mica aqui que ganhei (material usado para fazer esse acessório) eu já vou aproveitar e mandar nos últimos fornos, pra não ficar aqui pegando espaço rsrs....

Aqui vai uma foto do acessório na boca do tambor, mas por dentro do suporte que prende o tambor. Esse foi o primeiro teste, já não uso o acessório desse tamanho, ele vai apenas até a metade da boca, faz o mesmo trabalho porém pela metade fica possível de tirar e por ele sem precisar tirar o tambor do suporte, e claro, fica possível também de despejar os grãos torrados pela passagem maior que fica da outra metade aberta..

21198302_1407102342660288_1617122649_o.j

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites
Lourenço    37

Olá Beto, dessa maneira fica impossível trabalhar com o termômetro de espeto !

 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Amigo,como eu disse, esse da foto não é o final, isso é só pra dar uma idéia de onde ele vai...o final vai só até a metade do tambor, o termometro passa...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu recebi um acessório desse que o Beto fez. Imagino que eu seja o amigo que ele mencionou.

O meu vai até a metade da altura da boca. Dá pra colocar o termômetro sim.

Mesmo nesse da foto dele, é só fazer um furo e fazer o termômetro atravessar a mica.

Pretendo testar hoje de tarde. ainda não tive a oportunidade. Fiquei bem curioso de como fica o encaixa da peça com o metal, se essa peça não vai se soltar ou mexer quando o forno esquentar e acontecer a dilatação do metal. Com o forno frio ela fica certinha no lugar.

Share this post


Link to post
Share on other sites
Rodolfo M    1,373

As modificações estão bacanas!

Sem um restritor na boca do tambor, para quantidades maiores que 200g corre o risco de cair durante a torra e pegar fogo (dependendo da fixação das aletas, cabe mais ou menos por batche).

Na época que o colega Torres fez esta modificação, eu pude ver o forno de dois colegas e foi feito um anel restringindo a abertura do tambor. Funcionava bem, e pelo menos um dos donos torrava 350g por batche.

 

Sobre maior ou menor quantidade do batche, sobre melhorar a torra, depende. Nos torradores profissionais, o aparelho é desenvolvido para utilizar por volta de 70% da capacidade (nunca 100% pois o grão se expande e travaria dentro do tambor gerando risco de incêndio). Eu desconheço que haja alteração na dinâmica da torra (por exemplo, 1,5kg torrar mais homogêneo que 1kg), o que sei é que neste caso (uso comercial), existe a questão custo da torra, e nesse caso o rendimento cairia em aproximadamente 50%. 

 

Vou colocar um adendo para este torrador. Para quem busca automatizar a torra, este não é o melhor aparelho. Claro que ter controle de ET, BT, ajuda muito. Mas por ser um aparelho com baixíssima inércia térmica, por um lado as respostas são rápidas, por outro qualquer fator externo altera o perfil da torra. Para dar um exemplo, um dia frio poderia demandar uns 30 segundos a mais no tempo total da torra (30 segundos fazem muita diferença!).

 

  • Like 5

Share this post


Link to post
Share on other sites
Lisboa Santos    2,220

Mandou bem, o nosso recém formado (pelo Ensei Neto) Mestre de Torras Rodolfo! :ph34r:

Lembro que uma vez minha amiga daqui, Roberta Bazilli, fez uma torra experimental com uns cafés da CC, em que ela torrou 4 cafés (dois da compra e dois dela, que ela conhecia) com lotes de 500g num Atilla de 5Kg e a torra ficou bem homogênea (inclusive nos dois naturais), apenas o tempo total foi muito rápido (pra surpresa dela tb, que costuma torrar lotes de 3-3,5KG), em torno de 6 min, o que não é o desejável. Não tivemos a oportunidade de testar outro perfil, com menos calor e mais longo. Mas mesmo assim ficaram bem desenvolvidas (ela fez, como ela mesmo disse, na raça: no visual e no aroma, eu apenas anotava os tempos e parâmetros do torrador) e sem nenhum destes problemas (como scorching, ou fio central carbonizado) que tenho visto com indesejável e lamentável frequência em torrefações profissionais tupiniquins.

  • Haha 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
Rodolfo M    1,373

Grande Lisboa, tô com saudades da sua AP feita com pressão negativa!

A torra da Roberta de 6 minutos deve ter ficado melhores que as minhas rsrsrsrs

Eu estou morrendo de saudades do torrador que utilizamos lá no Sindicafe (um probatino). Tanto que fiz alguns orçamentos, mas estão cada vez mais inviáveis para uso doméstico.

O probatino está a 35mil e o carmomaq (o equivalente), sai de 21 a 29mil (a diferença se refere ao acabamento).

Não cotei o Atilla pois já tinha cotado anteriormente (15 mil o standard de 5kg, 27mil o gold). No topo da recomendação do curso estão o probatino seguido bem de perto pela carmomaq (parece que a carmomaq está dando um salto muito grande em qualidade nestes últimos tempos). Tentei contato com as marcas Diedrich e Giesen mas estas não responderam.

Eu estou brincando ultimamente de planejar um torrador com alguns amigos, e aguardando ansiosamente a volta do Torres na fabricação do STC (sim, estou atirando para todos os lados, estou ficando com abstinência de torrar kkkkkkkkkkkkkkkkkkk).

  • Like 3

Share this post


Link to post
Share on other sites
Lisboa Santos    2,220

Probatino?! :rolleyes: Diedrich?! :unsure: O Mestre tá poderoso, hein? :ph34r: Ainda que seja só de pensar na possibilidade.... :P

Share this post


Link to post
Share on other sites
Lisboa Santos    2,220
1 hora atrás, Rodolfo M disse:

Grande Lisboa, tô com saudades da sua AP feita com pressão negativa!

:lol: Não tinha pensado sobre este ângulo, ainda... mas não é que é verdade, uai! :D Não só uso a AP invertida, como também inverti o uso da AP: extrair com antipressão! :ph34r:

  • Like 1
  • Thanks 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
Vitor Costa    208

Pessoal, alguém chegou a implementar o arduino com a interface para o SSR controlar a curva de temperatura? Logo no início do post é comentado sobre isso mas não vi mais detalhes. Depois vi o tutorial do Bruno (muito bom por sinal), mas ele desenvolveu só a parte de log de curva. No próprio site do RoastLogger eles falam de um componente chamado TC4, mas não vi mais detalhes ainda.

Estou começando a estudar essas modificações pra minha pipoqueira...

Share this post


Link to post
Share on other sites
Vitor Costa    208

Maravilha, @André Santos Savini era isso que eu queria!

E sim, na pipoqueira, já vi projetos de torrador muito legais baseados nela.

Tem esse vídeo aqui, que apesar de não ser uma pipoqueira leva o mesmo conceito (usam uma pistola de ar quente + soprador de ar + software artisan)

 

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites
Vitor Costa    208

Alguém sabe qual tipo de SSR foi usado, tipo estado sólido ou tipo dimmer?

E olhando os códigos fiquei com uma dúvida. Ele até indica o ponto que deveria ser comentado para usar somente um termopar, mas acho que está trocado. Ele diz pra comentar o termopar2 que é justamente o que é usado pra ajustar o PID do SSR. Alguém chegou nesse nível de detalhe?

Share this post


Link to post
Share on other sites
Vitor Costa    208

Olhando um pouco mais o código entendi que está sendo usado um SSR simples com apenas 2 estados. Isso responde minha primeira pergunta...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Só um detalhe para não ficar perdido nas ligações dos fios no arduino, no quadro em que o lipe fez um esquema das ligações, ele cita D10=GND2. Observei que esse é o único equivoco, ok? O correto é GND2=GND

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Vitor Costa    208

Olá pessoal!

Nessas últimas semanas, eu e o @riozebratubo estivemos trabalhando na automação de um torrador. Nossa base foi usar uma pipoqueira elétrica e o código que o @lipe_oa divulgou nesse tópico. Nossas principais inspirações foram o vídeo que postei anteriormente (https://youtu.be/BZEuagSot7E) e o torrador de amostras ikawa (https://www.ikawacoffee.com/for-professionals/). Desde então fizemos muitas modificações de software e hardware, esbarramos em muitos problemas e aprendemos muito no processo (arduino, eletrônica, etc). Nosso projeto ainda está um pouco distante de terminar, mas nós gostaríamos de dividir com vocês nosso avanço até agora. No estado atual, nosso torrador já pode:

- captar a temperatura dos grãos

- controlar a potência da resistência (heater)

- controlar a potência do ventilador (fan)

- fazer uma torra manual controlada via Roastlogger

- fazer uma torra automática controlada via Action Table (sequência de ações de acordo com a temperatura)

- fazer uma torra automática controlada via PID (ainda com algumas imperfeições)

Algumas fotos...

Alguns dos componentes usados

photo4927101338995763222.thumb.jpg.f93978c56b03509102e46fd5befbf1b6.jpg

Visão da bancada de trabalho

photo4927101338995763221.thumb.jpg.060b79db3446204d3ca6ac52844ec117.jpg

Não economizamos nos dissipadores ;)

photo4927101338995763223.thumb.jpg.9b437e6fbbdb98729787675645f6ff5a.jpg

Curva de temperatura no modo automático via Action Table

photo4927101338995763225.thumb.jpg.26a0314c01889b29e76a8ed735af4736.jpg

Curva de temperatura no modo automático via PID (as "barrigas" são as imperfeições que ainda precisamos melhorar em nosso projeto)

photo4927101338995763224.thumb.jpg.6ad86b91692381f52649868db9cff034.jpg

Agora segue um vídeo do torrador funcionando no modo PID

 

 

Pretendemos criar novas features e melhorar as que já existem. No futuro queremos criar um tutorial detalhado de todo o projeto, caso alguém queira replicar em casa. Antes disso, se alguém quiser falar sobre o projeto, saber detalhes, tirar dúvidas ou nos ajudar, só falar com a gente!

Valeu, galera!

  • Like 13
  • Thanks 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
tencelcal    92

Parabéns pelo projeto! Estou usando o arduino no RoastLogger com o código do Lipe mas sem SSR, apenas tentando controlar o BT, e sofro com essas oscilações, tinha conseguido diminuir bastante colocando um proteção na ponta do termopar, sendo que ela caiu aí voltei ao mesmo problema. Fica essa dica de proteger a ponta do termopar pra evitar essas oscilações tão altas.

Boa sorte na continuação do projeto

Edited by Igor
Quote removido

Share this post


Link to post
Share on other sites
Vitor Costa    208

@tencelcal Legal! Qual o tipo do seu torrador (tambor, pipoqueira, outro) ? A dinâmica muda um pouco de acordo com cada tipo.

O termopar que eu usei já vem com uma proteção de metal, a leitura é até bem estável. O problema que tenho são dois:

1. Por eu usar uma pipoqueira e um SSR para controle do aquecedor, a resistência fica variando em ciclos pequenos entre ligada e desligada. Quando está desligada, como quase não tenho massa térmica retida, logo começa afetar (levemente) a temperatura dos grãos, mesmo nos poucos milissegundos que fica desligada. É possível perceber isso apenas na linha do RoR (que fica oscilando), no BT mesmo não é possível notar.

2. O meu cálculo de PID não está respondendo rápido o suficiente aos estímulos do ambiente para conseguir corrigir a curva de temperatura, por isso as barrigas ficam visíveis no BT.

Para resolver os problemas tenho pensado em algumas coisas, mas ainda não apliquei nenhuma.

1. Botar alguma peça dentro da pipoqueira para acumular calor (chapa de aço, por exemplo); Dessa forma a inércia térmica será maior e a tendência é ter uma variação menor da RoR.

2. Fazer melhorias no software e nas configurações do PID.

Obrigado pela dica! Vou atualizando aqui os avanços.

Share this post


Link to post
Share on other sites
tencelcal    92

@Vitor Costa, eu uso o forninho (kitchen art), no acompanhamento em tempo real a curva da taxa de crescimento (RoR) oscila bastante, pois ele gera log de 5 em 5 segundos, no final, o app dá um smooth na curva. No caso do meu termopar, eu comprei um que vem com uma proteção toda metálica, mas não conseguia passar a ponta pelo torrador, aí tive que retirar, e improvisei um caninho pra poder direcionar o termopar até os grãos.

20180219_173412.thumb.jpg.5a6cd4cf63b1106488696ea16c620b64.jpg

https://www.dropbox.com/s/vvgwf516t7mxjrd/Afonso 31.png?dl=0

Obs.: Não estou conseguindo fazer upload de algumas imagens. Esse link é da última torra que fiz. Foi do Café do Afonso, ontem.

Também tenho tido alguns problemas com travamentos do RoastLogger, peguei uma dica com o @lipe_oa de retirar todos os periféricos usb, e também tenho deixado o notebook em modo avião, parou mais de travar.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
Vitor Costa    208

@tencelcal As oscilações estão baixas então! Acho que alguma oscilação é normal, não vai ficar tão smooth quanto o BT.

Na minha cabeça esses torradores caseiros de forninho com tambor tem a temperatura mais estável, logo o RoR mais estável. Isso porque não tem um vento soprando pra afetar a massa térmica. Fora que não sei como você controla a temperatura aí, se for um dimmer ao invés de um SSR fica ainda mais estável.

Eu testei primeiro o Roastlogger pra mac e travava muito. Agora estou usando no Ubuntu e não travou nenhuma vez. Depende muito do SO que você usa pra rodar ele também.

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites
RogerioD    1,832

Pessoal tenho um forninho também comprado aqui com as modificações da turma do forum Brothers, acontece que o meu acho que veio com problema e nunca consegui utilizar a contento, e como sou um zero a esquerda com eletrônica as vezes possam me ajudar, a resistência  o dimmer só funciona no máximo, se diminuo a potencia desliga. será que é problema no dimmer? ontem fiz uma torra pra dar mais uma testada, me arrependi, perdi um batch de um café da Etiópia, o próximo daí fiz no Gene.

 

Bagunça de ontem rss

e2c30f3178b3fcd5d9e9f2f55eed1db6.jpg

259519e2433e3d5acfdac886f3449839.jpg61d8307d10308798ea94652bb8652845.jpg

Share this post


Link to post
Share on other sites
tencelcal    92
Em 31/05/2018 at 19:56, Vitor Costa disse:

@tencelcal As oscilações estão baixas então! Acho que alguma oscilação é normal, não vai ficar tão smooth quanto o BT.

Na minha cabeça esses torradores caseiros de forninho com tambor tem a temperatura mais estável, logo o RoR mais estável. Isso porque não tem um vento soprando pra afetar a massa térmica. Fora que não sei como você controla a temperatura aí, se for um dimmer ao invés de um SSR fica ainda mais estável.

Eu testei primeiro o Roastlogger pra mac e travava muito. Agora estou usando no Ubuntu e não travou nenhuma vez. Depende muito do SO que você usa pra rodar ele também.

O meu é no dimmer sim, depois que usei o pc em modo avião em periféricos não travou mais nenhuma vez.

4 horas atrás, RogerioD disse:

Pessoal tenho um forninho também comprado aqui com as modificações da turma do forum Brothers, acontece que o meu acho que veio com problema e nunca consegui utilizar a contento, e como sou um zero a esquerda com eletrônica as vezes possam me ajudar, a resistência  o dimmer só funciona no máximo, se diminuo a potencia desliga. será que é problema no dimmer? ontem fiz uma torra pra dar mais uma testada, me arrependi, perdi um batch de um café da Etiópia, o próximo daí fiz no Gene.

 

Bagunça de ontem rss

e2c30f3178b3fcd5d9e9f2f55eed1db6.jpg

259519e2433e3d5acfdac886f3449839.jpg61d8307d10308798ea94652bb8652845.jpg

@RogerioD, Olha só o meu dimmer:

5a84da9856834_20180214_2049032.thumb.jpg.2e02b44973dd983b932a79670d02d574.jpg

Aqui é 220v, sendo que só trabalho com o forninho nesses tracinho marcados de caneta, o que chamo de:
P30, P31, P32, P34, P36, P38 e P40, pois antes disso, as resistências nem acendem direito, e após o P40 eu tenho medo de incendiar tudo kkkkk.

Então creio que é questão de calibragem mesmo, coloca algum termômetro e avalia a temperatura de equilíbrio em cada nível.

Pra você ter uma noção, eu aqueço o meu no P34, aí antes de colocar os grãos eu baixo pro P30, depois do turning point (para RoR contante) eu jogo para P32, depois P34 ... a depender do grão eu ainda chego no P40, mas é raro, pois é muito forte. Quando chega perto dos 170ºC ~ 180ºC eu já baixo pro P34 (por exemplo), no crack eu geralmente volto pro P30 pra ele não subir tanto (e abro a gavetinha embaixo).

Com isso fica fácil perceber que de todo intervalo, a gente usa uma faixa muito pequena. Minhas torras são entre 11min a 14min a depender do que quero trabalhar, até pq o forninho queima muito fácil os grãos, principalmente cafés de muita qualidade.

Percebi inclusive que os cafés da CC são muito mais sensíveis que os cafés "gourmet" que a gente compra. Alguns exemplos das minhas experiências:

Cafés da CC em 207ºC ~ 210ºC o crack começa (no meu arduíno), se deixar chegar em 220ºC o café já tá queimado.

Café da Unique eu chego em 220ºC e ele ainda tá marronzinho sem estresse nenhum.

Café da Pagliaroni eu já levei a 230ºC e nem chegou no 2º crack.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
RogerioD    1,832

Valeu  @tencelcal, vou tentar dar uma testada em cada fase do dimmer com termometro e ver o que acontece, queria ter a engenhosidade q vcs tem para mexer com isso, instalar um controle via roastlog nos meus dois fornos, tenho um pid que comprei para uma reliquia de uma máquina de espresso de 19 anos, parecida com a rancilio silvia mas esta lá parado até hoje porque sei que é simples mas não faço nem ideia de instalar e nem me arrisco tbm hehehehehe

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
Vitor Costa    208

@RogerioD Esse comportamento do dimmer de ficar sempre no máximo costuma indicar que o dimmer queimou, nesse caso seria necessário substituir ele. Faça só esse teste com o termômetro que o @tencelcal falou, veja se você percebe diferença de temperatura.

Se você quiser instalar o Roastlogger só pra pegar a temperatura é muito simples! Recomendo esse tutorial que o Bruno aqui do fórum fez: https://medium.com/@brunoportnoy/f63c1c714638

Apenas com o Roastlogger traçando o gráfico já vai te ajudar imensamente a traçar perfis de torra, ter o RoR das suas torras, poder compartilhar de forma fácil, etc.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites
RogerioD    1,832

Valeu @Vitor Costa também estou achando que é problema do dimmer e já veio assim, pois ele não tem meio termo, ou liga no máximo ou não liga, vou acabar comprando o que o @tencelcal indicou, o que veio nele é mais bonito e ficava embutido, mas não sei onde encontrar igual...

Já sobre o Roastlog, gostaria de deixar automatizado, acho um saco ter de ficar anotando temperatura de minuto a minuto, infelizmente não tenho paciência para anotações em torra, só no início na faze de aprendizagem fiz bastante anotações e automatizando poderia já deixar perfil criado e não ter o trabalho de ter que ficar o tempo todo em cima da torra rsss  obrigado pela ajuda 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now


×