Jump to content
Strawberry Orange Banana Lime Leaf Slate Sky Blueberry Grape Watermelon Chocolate Marble
Strawberry Orange Banana Lime Leaf Slate Sky Blueberry Grape Watermelon Chocolate Marble

MarcoC

Senior Members
  • Content count

    138
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    6

Everything posted by MarcoC

  1. La Pavoni - Europiccola e Professional

    Salve pessoal! Ha alguns anos trouxe uma La Pavoni Professional da Italia, e me diverti muito com ela, exceto por um pequeno problema: Um vazamento de algumas gotas de agua pela haste do pistão de extração, logo acima do grupo: Como eram poucas gotas, toquei o barco até que um tempo depois, comprei da orphan o conjunto de buchas de vedação do grupo. Outro tempo se passou e eu protelei a abertura da máquina. Agora que tenho medido o TDS e calculado extrações, recoloquei a Pavoni no Top One de casa por poder executar nela um “pressure profiling” e obviamente, sabores bem bacanas. Resolvi abrir a maquina, retirei a bucha da haste do pistão e assim estava ela: Ela veio com uma parte esmagada de fabrica, com uma parte dela dobrada e presa incorretamente. Pois bem, esse é um dos problemas de se comprar a maquina e ir embora, sem tempo habil pra devolve-la. Quis deixar aqui o relato do achado, no final a troca nao era tão complicada assim, mas de fato precisava de duas ferramentas especificas. Tudo certo, agora funcionando como nunca. Abraços!
  2. Salve Helder! Primeiro é grana, paguei 100 reais nele. Mas tem mais informação aí. O refratometro optico usa uma propriedade simples demais, que é a refracão da luz, criando uma linha limite de sombra no leitor, nada demais alem da fisica mesmo, e por isso, nao da pra dar muito errado. O fato é que tem que calibrar o zero dele com agua destilada, de preferencia na faixa ótima de leitura, que é perto dos 20 graus. Nao pode passar de +-5C. (Ele fala que corrige dos 0 aos 30C mas isso não é uma info confiável). Existe muita imprecisao caso nao respeite a temperatura, fora isso, é tranquilo. Uma coisa que atrapalha a leitura é que os solidos nao diluidos, de fato embaçam a linha de visao, mesmo assim, da pra enxergar um ponto medio sem precisar gastar com filtro de seringa. Como nao preciso de uma medida exata, e sim aproximada, ele vai razoavel. Na pratica, o Brix que tenho aferido varia dos 6 aos 14 no expresso (a tabela de leitura é de 0-32) No filtrado ja é diferente, pois o Brix varia entre 1,5 e 2,0, uma faixa mais estreita, necessitando talvez de mais precisao. Li bastante sobre o condutivímetro, e apesar de muita informaçao desencontrada, a fonte mais precisa e atual falava sobre condutivimetro em solucoes ionicas, no caso para medir a agua usada para a extração, e no caso da bebida, refratometro mesmo, por ter muitos elementos aniônicos na formula, mais ou menos o que o Burny comentou no inicio de um dos topicos de TDS. Enfim, os dois medem o TDS, mas um mais voltado para ionicos e outro para aniônicos. Se eu tivesse com grana e se fosse mais facil de achar, eu pegaria um digital só pela correçao da temperatura de aferição. Na foto anexa temos um Brix de 1,7 num filtrado. A foto distorce as extremidades, mas ao vivo da pra enxergar os traços como nos numeros bem focados do meio da foto.
  3. Olá a todos, Fiz um rápido experimento envolvendo a relação de 3 fatores: * Extração do expresso (em porcentagem); * Desenvolvimento na torra (variando de 13% a 18%); * Grau de moagem. O objetivo da coleta dos dados foi avaliar o ponto ótimo de moagem do grão, usando como critério a extração, de acordo com dois diferentes graus de desenvolvimento na torra (13% e 18%) e comparando com o comportamento do blend do mesmo grão mixando 3 desenvolvimentos diferentes. Método: Máquina de expresso: La Spazialle Mini Vivaldi II Pressão: 5,5 Bar Temperatura na saída do grupo: 94C Pré-infusão mecânica à pistão de 6 segundos Porta Filtro Single Naked Moedor: Mahlkonig EK43 na faixa de expresso, entre 2,0 e 3,1 (Intervalo de fino a grosso 0 a 16) Refratômetro óptico (Lorben), zerado com agua destilada a 22C e com aferições em 22C (+-2C) GRÃO: Catuaí Vermelho do Thiego Dose: 11gramas Brew Weight: 26,5g (+-1,5g) Tempo de extração: 24s (+-6s) Amostras: * Thiego 13% * Thiego 18% * Thiego Blend (⅓ da torra 13%, ⅓ da torra 15%, ⅓ da torra 18%) Gráficos de Torra anexos: Foram realizadas três moagens distintas para cada amostra SO (single origin) e três com o blend. RESULTADO: - O grão mais claro, 13%, ficou com sua melhor extração na regulagem mais fina, em 2,0 no moedor, atingindo 21,01% de extração em 30 segundos. - O grão mais escuro, 18%, mostrou melhor extração numa moagem mais grossa, em 3,1 no moedor, com 20,48% de extração em 18 segundos. * Os SOs isoladamente mostram um padrão mais linear na progressão para o ponto ótimo. * O Blend SO com diferentes desenvolvimentos de torra mostram uma parábola mais estreita, onde o ponto ótimo fica num ponto bem específico da moagem. * Não preciso explicar que o experimento é um esboço, não tem valor científico. Antes de começar o teste, achava que a extração sempre seria maior de acordo com a moagem mais fina, mas não foi o que observei. O Thiego mais escuro extraiu mais com moagem mais grossa. O Thiego mais claro, com moagem mais fina. Provavelmente todos sejam parábolas, sendo que os SOs de desenvolvimento de torra único provavelmente estão representados só em uma perna da parábola no gráfico. O Blend parece que acentuou o intervalo, exibindo melhor a crista da parábola. Enfim, além da possibilidade de baixa amostragem para construir o gráfico, se de fato os dados forem reais, parece que aumentar a extração pela moagem, não é um fator linear.
  4. Concordo Sergio. E vejo que realmente nós subestimamos a canalização. Uso todas as ferramentas possiveis para equalizar o método, de distribuidor bravo ao angulo de 90 graus no braço para respeitar o vetor de aplicação do tamper, mesmo assim, extraio com inconsistencia. Passei a olhar o manometro da la Spaziale e consigo ver o momento em que ele sofre uma discreta queda. Parece que há uma estreita faixa de moagem que consigo fugir mais da canalização. O pior é que acredito que os 5,5 bar nao mudaram muita coisa. Ja nao sei se tento um teste em 3 bar ou volto logo pra casa dos 8-9 bar...
  5. Opa, sem probs. Olha Sergio, acredito que se eu pudesse gastar cafe a rodo, seria esse o achado:
  6. Sergio.m, concordo por definição, é a lógica da coisa. A nao ser que nao esteja sendo extraido adequadamente, dai o fato de a extracao teorica ser uma linear ascendente e da extracao pratica, com o viés da canalização ser uma parábola mais larga ou estreita. A formula que eu usei é EY=(TDS x BW)/Dose. Ey (extraction yield) TDS (total dissolved solids) BW (brew weight) O fator de correcao do refratometro foi: TDS = BRIX x 0,85
  7. Burny, de fato é o que eu desconfiava. A moagem mais fina pode favorecer a formação de um bolo mais resistente e consequente canalização. O Scott Rao tem mostrado a situação altamente prevalente da canalização, justamente após a era do lançamento do “Decent Espresso Machine” que criou um furduncio no conceito da extração do expresso de terceira onda graças ao ajuste de pressão da maquina de acordo com o aumento do fluxo da agua durante a extração. Na teoria, quando há aumento no fluxo, a máquina reage diminuindo a pressão e dando tempo ao colabamento do bolo. Antes de fazer esse experimento ja havia realizado 50 medicoes com o refratômetro e me deparei com uma inconsistencia importante. Por outro lado, quando fazia na La Pavoli de alavanca, sempre um cafe mais doce, extracao ótima e obviamente, uma extracao com pressão controlada pela visualizacao do fluxo de café. Foi a primeira vez que entendi numericamente porque o expresso da La Pavoni é mais gostoso que da La Spaziale. Foi entao que eu resolvi baixar a pressão da La Spaziale para 5,5 Bar, que nao é um ajuste nem de perto parecido à açao da Decent Espresso Machine e à La Pavoni, mas com uma perspectiva de pressionar menos o bolo. E ja foi nesse ambiente que fiz o teste. O café de extraçao mais baixa ficou um pouco mais ácido sim Burny, mas de longe nada mal.
  8. O que você comprou ou recebeu hoje?

    Upgrade no Baratza Vario: - motor novo - correia e polias novas - mós de aço O motor foi por troca preventiva mesmo. A polia original havia cedido e começou a corroer a borda inferior da correia, troquei o conjunto. As mós de aço vieram pra comparar com o EK43.
  9. Comparação de moinhos

    Nossa, de arrepiar não? Olha, ha uns anos eu percebi algo errado com o Boiller de vapor da minha máquina, a serpentina havia estourado e estava vazando corrente eletrica. Mandei e-mail, novamente chriscoffee, concordaram em me mandar um boiller novo. Fiz a troca, tudo ok, e demorou uns 15 dias apenas. Mas como o tópico é comparação de moinhos, deixo registrado que meu Baratza Vario ja foi bastante atualizado por mim, sem muita dificuldade, endossando que é bom a gente mesmo mexer nas máquinas. Hopper novo, porta-filtro de metal, ja troquei a placa principal pois tem um resistor de 100 oms que queima com o tempo. Em alguns dias chega uma correia nova e aproveitei e pedi pra trazer um motor novo tb, pra deixar de backup ja que um pouco do pó da correia antiga entrou no motor e nao sei se vai dar problema com o tempo. É certamente um ótimo moinho pra hobbista fazer a manutenção e as peças estao disponiveis na baratza americana.
  10. Comparação de moinhos

    Impressionante isso Cabral, há um certo amadorismo nesse mercado por aqui. Na La Spazialle Brasil foi a mesma coisa. Precisava das gaxetas pra minha máquina, provavelmente o item mais banal de manutenção que existe. Foi uma semana e varias ligações pra conseguir montar meu Cadastro, apenas o cadastro. Enquanto isso fiz o pedido na Chriscoffee. Apos 10 dias, no dia em que recebi as gaxetas da Chriscoffee em casa, me ligaram pra saber se eu ainda queria comprar as gaxetas aqui em SP... Recentemente, liguei pra eles pra perguntar sobre moedores, perguntaram se eu tinha o famigerado “cadastro”, falei que sim e eles confirmaram. Mas aí, iriam retornar a ligação, virou o ano, e nada.
  11. Comparação de moinhos

    Inclusive, estou ate hoje esperando o pessoal da Astoria me retornar sobre o E37S. Era a minha escolha na epoca, teria comprado, se nao tivessem me ignorado..
  12. O que você comprou ou recebeu hoje?

    Murilo, 24% de desconto. O contato é o Paul, http://www.macchine-per-caffe.com.br/
  13. O que você comprou ou recebeu hoje?

    Justamente, a sacada é o desconto, vale esperar
  14. O que você comprou ou recebeu hoje?

    EK43 usado
  15. Comparação de moinhos

    Acompanhando agora esse trabalho todo idealizado pelo @Burny e com a ampla contribuição dos membros do fórum, incrível mesmo. Passei a tarde de hoje avaliando os gráficos, após uma imersão na interpretação de gráficos de distribuição granulométrica com Matt Perger, e vê-se que foi um trabalho e tanto! Tirando o viés relatado nas amostras do @Freedom Force, há consistência dos achados, respeitando terem partido de um operador e um moedor, representando seu modelo e resultado. O EK43 mantém sua média e moda nas menores granulometrias, seguido do Ceado. Buscando essas informações na net, vemos que o trabalho realizado aqui sai na frente de muitos foruns, fornecendo essa comparação. Meus parabens também ao @Gilberto, o Bravo Mini foi muito bem, junto com o Comandante C40.
  16. (COMPRO) La Spaziale S1 Vivaldi II

    Elektros e clivecoffee. Nao conhecia e fiquei bem feliz de vcs me apresentarem aqui. Realmente, eu estava desatualizado dos bons sites de maquinas. Olha so, ja valeu bem a pena ter ressucitado esse topico esquecido!! Vou pipocar logo mais num assunto de moedor, pois acabei de fazer um upgrade, logo mais compartilho
  17. (COMPRO) La Spaziale S1 Vivaldi II

    Nossa, e um Eureka Mignon por $579! Mas ja foi vendido...
  18. (COMPRO) La Spaziale S1 Vivaldi II

    Pois é, a que o Tulio perguntou é a única que é exclusiva da ChrisCoffee. Vale lembrar que S1 tem uma lista grande : Armonia; Dream (T), Vivaldi, Mini Vivaldi, Rossini Dosata e Rossini. E que a La Spaziale brasil, ate a última conversa, só traz a S1 Vivaldi para modelos com 1 grupo. Outra coisa interessante é que apesar do projeto e modificações projetadas na Chriscoffee, mesmo a Mini Vivaldi II é toda produzida na itália.
  19. (COMPRO) La Spaziale S1 Vivaldi II

    Olá amigo, so vi agora. A Vivaldi II é projeto exclusivo da https://www.chriscoffee.com, so lá pra comprar... A máquina é fantástica, ajusto a temperatura a cada café (torra clara - torra escura) e ainda tem o offset da temperatura. Recomendo a máquina, caso ainda não tenha comprado.
  20. Igor, trabalho primoroso que vc assumiu nesse forum, com toda boa vontade e dedicação e ainda os custos da manutenção. Confesso que entrei na compra de ultima hora, vi no site “contribuição”, nao tinha ideia do que era e me inseri nela. Agora que li, pensei que eu deveria contribuir ainda mais, por tudo que aprendi aqui e pelos melhores cafés que chegaram na minha casa por conta de vcs aqui, em especial a ti, Igor, o figura que me ensinou os maiores pulos do gato nas torras, e se rolar orelha quente de vez em quando é porque vira e mexe eu cito teu nome como um maluco que manja de torra animal, la de BH! Valeu, precisando tamo junto, a visita em BH e o cafezinho ai na sua torra é lei agora!
  21. Salve Povo! Pois é, a organizacao desta compra coletiva esta nota 10! Mais uma vez meus parabens ao profissionalismo dos organizadores e super justo o item contribuicao! Encomenda feita e paga, fico disponivel com o grupo de SP para organizacao do recebimento.
  22. KitchenAid Café

    Se nao me engano, o conjunto mecanico dessa Pro Line de espresso é da Gaggia Baby Twin
  23. @Igor, excelente sua apresentação da torra do IAPAR do Leandro! Hoje eu concluí meu quarto experimento com o mesmo grão, então vou passar minha impressão HOTTOPiana. Foram 3 batches iniciais com 250g e o quarto em 200g, na sequencia os Batches: #81: RoR reto, FC em 177C, Drop em 185C em 10min, 15%RAO, perda 12,8%; #82: RoR descendente, FC em 172C, Drop em 180C em 10:57min, 16,4%RAO, perda 13,4%; #83: RoR esquisito (tentativa de prolongar a torra), FC em 172C, Drop em 176C (stall) em 12:48min, 15,2%RAO, perda 13,1%; #84: RoR descendente, FC em 177C, Drop em 188C em 7:18min, 19,9%RAO, perda de 13,2%. O que eu percebi: O batch 81 foi o melhor, saiu bem doce, nao senti (consegui fazer) muito chocolate em nenhum deles. O 84 foi o teste da reduçao do tamanho do bach e carga termica inicial mais alta, pra ver se alterava as temperaturas finais dos graos, mas vi que apesar da torra ultra-rapida (7 min) nao fugi muito do FC entre 172-177C e o Drop nao passar dos 188C, visto que nao queria desenvolver o grao mais do que 20%RAO. Isso me faz pensar que meus criterios de temperatura final devem ser baseados nesse sensor da Hottop, meio atrasado em relacao ao que acredito que seja a temperatura real. Seria isso mesmo? Pelo que vi no roastlog de outras hottops os FC sao em temperatura apresentada mais baixa mesmo. Vcs mudariam algo? Sugestoes? O ultimo batch, de 7 min, acabei de fazer, mas comi um grão ao final da torra, e ele me pareceu o mais doce de todos...
  24. Amigo Oculto de café torrado

    @Igor, relendo o Post vi que a imagem do Roastlog nao tinha aparecido na sua publicacao no meu tapatalk, agora carregou. Valeu!
  25. Amigo Oculto de café torrado

    Igor, que massa! O grao torrado tem cara de colheita nova, e no aeropress ficou super doce. É um grao e uma torra bem diferente do café do Leandro, que é o que estou em teste agora! Ao abrir o pacote, aroma doce, lembrou leve fruta vermelha, morango. Assim que der, manda o log de torra no STC que vou tentar reproduzir na Hottop e ver se consigo aproximar os sabores com a comparação das duas máquinas. No mais, dispor desse cafe na Roast Cafés acredito ser um diferencial enorme, pois a impressão que tive dele, algo muito diferente do que ja vi!
×