Jump to content
Strawberry Orange Banana Lime Leaf Slate Sky Blueberry Grape Watermelon Chocolate Marble
Strawberry Orange Banana Lime Leaf Slate Sky Blueberry Grape Watermelon Chocolate Marble

JoaoW

Senior Members
  • Content count

    234
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    2

Everything posted by JoaoW

  1. [COMPRO] FELLOW PRISMO

    Pra isso o Prismo serve mesmo. E ainda cabe mais um pouquinho de café.
  2. Falar que "não gosto mais" é um pouco forte, sensacionalista... E o assunto do tópico parece coisa do Henrique rs... Mas a situação é real. Como muitos aqui, eu comecei a tomar café a partir do espresso, em cafeterias - no meu caso, italianas mesmo, pois morei um tempo na Itália. E para mim esse era o melhor método de preparo de café, considerava superior etc. Aí foi o percurso tão familiar a tantos aqui: compra um moedor simples (Hario Mini), conhece o Clube do Café, vai conhecendo cafés melhores, vai valorizando torras mais frescas, torras mais claras... Vários métodos, aeropress, prensa, V60... E eis que hoje em dia não só prefiro outros métodos em relação ao espresso, como o próprio espresso também não me agrada mais muito... Como não faço o espresso em casa, deixo para tomar sempre em cafeterias, fora de casa, enfim. E me dei conta esses dias que há um booom tempo, sempre que tomo um espresso penso sempre algo do tipo "hmmm... É isso?" ou "Ok", ou mesmo "Nem devia ter gasto meus cinco reais com isso". E isso em cafeterias com bons grãos também. Claro, há algumas exceções, como os espresso que tomei esses tempos no @Fogo ruivo que estavam muito bons, mas surpreende-me constatar que, hoje em dia, se fosse classificar meus métodos de preparo preferidos, acho que o espresso ficaria lá atrás, talvez à frente do Melittão. Isso é comum entre os demais foristas?
  3. Aeropress

    Oi @Ana Reut voltei aqui porque observei mudança, e tenho que ser justo com o produto. "Do nada" o tal vazamentinho parou. Devia ser algum erro meu no encaixe do Prismo com a AP, sei lá (por mais que tivesse observado com cuidado em mais de uma ocasião). Mas hoje fui mexer com ele (cabe um pouco mais de café nele), olhei, testei, fiz, e normal. Então deve ter sido engano meu. A principal vantagem do Prismo, além de não ter que inverter, é que faz um pouco mais de café. Faz 250g tranquilão, infusão completa. Então se fizer 2x seguidas o processo numa térmica, já tem meio litro de café, uma vantagem considerável, pois invertendo com a AP normalmente, para evitar acidentes, eu faço 200ml de cada vez, resultando em menos de 400 ml de café no fim. Eu só uso com o filtro de papel, filtro de metal na AP não sou muito fã do sabor. Então, se for para comprar, acho que são as principais vantagens. Para mim valeu a pena porque tomo bastante AP e facilita o manejo. Mas não é uma revolução, não. E reiterando, o marketing da espresso-like é pesado mas esse uso do Prismo eu achei meia boca, minha moka dá de 20.
  4. [V60] Técnica 4:6 Tetsu Kasuya

    Ainda brincando com o pó fino, fui testar um lance que eu achava meio mandrake da técnica. O Kasuya diz que, considerando os 40% dos dois primeiros despejos, se fizer o primeiro menor e o segundo maior o café fica mais doce; se for o contrário, enfatiza a acidez. Fiz um café 60g/100g, mais docinho; outro 100g/60g, mais ácido. Nítido. Pior que funciona esse lance. Entrei no Kasuya-team depois dessa, esse japonês é um mago rs
  5. [V60] Técnica 4:6 Tetsu Kasuya

    Eu achei isso, sabor mais completo e complexo. Minha faixa é das moagens média e média grossa em quase todos os métodos, depois vou experimentar com certeza.
  6. [V60] Técnica 4:6 Tetsu Kasuya

    Tenho achado meus V60 meio inconsistentes, sempre fiz algo ou próximo do método do Rao, ou despejo contínuo lentinho, e não tava legal, ou pelo menos estava aquele feeling de "acho que dava para ser melhor". Acabou o grão aqui em casa, e tenho uns Orfeu suave moídos (aliás, finos demais...) comprados por engano por parentes, então até chegarem os grãos novamente (já encomendados com a Roast e com o Fogo rs), estarei me virando com esse Orfeu. Aí pensei, "ah já que meus V60 não estão grandes coisas e esse café aí eu não acerto mesmo, vou no 4/6 do japonês e começo a praticar, não tenho nada a perder mesmo". Isso tudo sabendo que a coisa não daria muito certo porque o café fino demais vai demorar pra "escoar". 400 ml, dos 160 iniciais do "4" fiz com 60 e depois 100, e o resto despejos de 60. Sei que ficou bem melhor que eu esperava, pelo menos. Essa parada tem futuro quando vierem os grãos.
  7. É isso @helderbarreto ! Pegaste na veia, fico feliz que alguém entende o que sinto rs. O espresso é legal, é saboroso, como disse tomei uns bons que me comprovaram isso, às vezes tomo espressos memoráveis também (bem às vezes! rs), mas fui surpreendido pelo sabor que achei nos coados, mais sutilezas... Em outras palavras, mais gostosos rs
  8. Bravo - produtos para café

    Sem pressa, já estou "programando" meu upgrade pro Bravo Mini. Tenho um Handground, de que gosto (bem consistente pras moagens médias, que são a minha faixa), e um Hario Slim, que quebra o galho e tem valor afetivo. Recentemente, numa desenroscada mais rápida, vi que quebrou uma pontinha do copo de acrílico do Slim. Aí olhei pro meu Handground, de vidro e pensei, contemplando a inexorabilidade da vida: "o que é de vidro, cedo ou tarde, quebra". Então, futuramente precisarei de um moedor praticamente indestrutível para evitar desilusões graves. Portanto, já botei uma quantiazinha num fundo de renda fixa em junho, para ficar rendendo, destinada a ser resgatada quando sair o próximo lote do Bravo Mini. No aguardo, pacientemente.
  9. O que você comprou ou recebeu hoje?

    Essas garrafas Stanley são show né... Tenho duas one-hand que uso para fazer os V60, aeropress, coado no pano (esses dois últimos com o auxílio do "funilzinho" da AP"). Muito boa para doses de 400 ml (cabe um pouco menos, mas com a água que fica retida no café, dá pra fazer com 400 ml de água inicialmente).
  10. Aeropress

    Oi @Ana Reut , a bebida não muda muito não com o Prismo. Mas é mais prático mesmo, e acho que passa um pouco menos de resíduos porque ele é fechado nos cantos, o café só vai pelo furinho do meio. Poreeeeém, comecei a observar pequenos vazamentinhos (gotas) no meu Prismo, na parte de plástico, não na válvula. Isso mostra que o produto não é tão bom quanto deveria ser. E a bebidinha "espresso-like" é meia boca mesmo, dá para fazer "igual ou melhor" (sem a espuminha inútil, claro rs) fazendo um AP concentradão sem o prismo.
  11. Excelente espresso com moedor de lâminas Cuisinart

    Já usei uns moedores de lâminas no passado recente, um Cuisinart lá que comprei achando que seria mais rápido que o Hario Slim (bem, mais rápido até é mesmo...) para fazer café para mais gente. Dando umas chacoalhadas é possível pegar uma moagem decente, mas mais para moagens finas, porque aí aperta um montão e fica tudo fino mesmo. Para espresso acho que não deve ser lá essas coisas, mas para algum preparo fino na Aeropress, até que ia. Para moagens mais grossas, as médias, em coados, aí é um terror, ficam vários fines junto com uns cacos gigantes. Fica muito ruim. Para moagens médias recentemente comecei a usar mais o Handground (antes eu fazia quase tudo com moagens média-finas pra baixo), e fiquei surpreso, é bem consistente e dá um sabor muuuuito melhor. Eu era meio descrente no início de um dos mantras do forum, de que moedor é o coração de todo bom café, e hoje tive que rever isso. Especialmente para moagens mais grossas - em que o Hario Slim é ruinzinho. Então particularmente não recomendo esses moedores para nada coado, o café sai cada vez de um jeito, é decepcionante, e fica muito restrita a faixa "ok" de moagem. Aliás estou na casa dos meus sogros e eles têm um moedor desses, com alguns macetes consegui chegar num café maneiro na moka - mas ainda distante do que faço em casa - mas no Melittão fica ruim, ou subextraído ou passa do ponto. Acho que vale mais comprar um bom café já moído na granulometria média que usar esse tipo de moedor. Perde-se o frescor e tudo o mais e bla bla bla, mas ainda se sai ganhando, o sabor é mais consistente e os métodos "funcionam" melhor. E o Henrique é legal, po. O cara até existe. Mas "aventuras de Henrique" seria uma boa.
  12. Coador de pano

    Achei alguns comentários aqui e ali no fórum sobre coador de pano, mas nenhum tópico específico... Então resolvi criar esse aqui para o que curtem o método. Até hoje nunca tinha dado muita bola para o coador de pano, não achava prático, tinha o lance de conservar, etc. Quando era pra coar algo, usava um coador de titânio da Bodum em cima de um melittão mesmo, ou então melittão de papel. Particularmente gostava mais do de titânio, mas de uns tempos pra cá os resíduos começaram a me incomodar, e também queria buscar um modo de coar o café da pressca mas que não tirasse os óleos, aí pensei em dar uma fervida num coador de pano e tentar. Curti o resultado, segura uns óleos mas deixa passar mais que o de papel, e quase não vai resíduo. Deixa um café mais encorpado, achei mais saboroso. Aí passei a tentar fazer o que eu fazia (em termos de técnica) com o coador de papel ou titânio com o coador de pano, seja segurando ele estilo peneira, seja usando o melittão como suporte. E fiquei fã cara, estou dando preferência de longe em relação ao de metal e ao papel... Seja como coado mesmo, seja dando um boost para filtrar o que faço numa infusão mais longa com a pressca (como o coador de pano é tradicional aqui em Minas, chamo esse preparo aí de "presscoado mineiro" rs) Pensei em montar esse tópico pro pessoal comentar experiências sobre técnicas, diferenças com outros métodos de coado, particularidades, macetes para armazenamento... Atualmente em termos de técnica, faço uma pré-infusão de 45 agitando bastante (estilo Scott Rao no V60), aí vou botando água devagarinho, e no fim raspo um pouco nos cantos. Nisso, antes o coador de papel eu jogo uma água fervente em cima pra "escaldar" e evitar perda de temperatura tão forte, e quando começa a gotejar seguro o coador e dou umas viradas para o café passar por umas partes ainda sem pó, com isso vai mais rápido, até ficar bem pouquinho. É isso. Faço na louca, adaptei umas coisas de outros métodos, e estou curtindo. Até me surpreende, considerando o resultado (minha mulher também percebeu) que mais gente não utilize esse método regularmente, parece bem subestimado! Pra lavar, lavo com água só, deixo secando. E na hora de usar de novo, água fervente. Mas já vi que muitos recomendam armazenar com água gelada na geladeira, estou pensando em fazer também. Então é isso pessoal, quem tiver alguma dica ou consideração, tá aberta a discussão.
  13. Coador de pano

    E aí pessoal, atualizando aqui... Percebi que comecei a errar muito com o coador de pano, especialmente quando queria fazer 400 ml, que é minha receita básica (pra mim e pra minha mulher). Quando é o coador egoísta, pequeninho, beleza, geralmente sai bom, com moagem fininha. Mas no maior, ou passava muito rápido, ou demorava muito e ficava amargo... Enfim, estava difícil. Aí resolvi seguir uma dica que o @Fogo ruivo me deu um tempo atrás e usar o coador de pano mais pra infusões mesmo. E tem uma receitinha que fiz que me surpreendeu bastante, moagem fina e tempo baixo de infusão, e achei que ficaria subextraído - especialmente depois de ver vários tópicos e foristas optando por infusões longas, moagem fina etc. Mas nada. Fica ótimo para torras médias-claras e claras (ainda não testei com torra média-média, pois tomo menos desses). Basicamente é um misto do kökekaffe (café "fervido", basicamente o método da prensa mas com decantação em vez de filtragem), com moagem mais fina, e coado no pano. Quem quiser experimente aí... A BR é 7%, no meu caso, 400 ml de água para 28 de café. A moagem é fina, talvez não finíssima (diria que deve ser tipo uns 8 cliques no meu Hario Mini, no meu caso uso a moagem mais fina possível do Handground). Aí boto a água numa chaleira, fervo, passo para uma pitcher ela já quente, ligo o fogo embaixo da pitcher para ferver (rs), e garantir que a água ali está a 97 graus, que é o que faz no máximo aqui em Uberlândia. Para evitar perda de temperatura. Nisso, boto o café por cima, e mexo até dar aquela dissolvida. Boto um pires em cima, 2 min no cronômetro. Depois de 2 min, mexo (é mais para decantar) e ligo mais 1 min no cronômetro. Nisso, a minha térmica (é uma "one hand" da Stanley) tá bem escaldada, tiro a água, e o coador de pano está embebido em água quente também. Aí é coar no pano o café depois do minutinho final, esperar coar tudo, dar uma mexidinha no café dentro da térmica, tampar e correr pro abraço. No meu caso, eu boto o coadorzinho de pano enfiado ali por cima do funilzinho da aeropress, encaixa bem; e depois só levanto um pouquinho para não ficar tocando o pano no café à medida que sobe o nível na térmica. Fica "bão", viu.
  14. Outros porta filtros para café coado

    Uma solução barata pode ser a de usar os coadores de pano pequeninhos em suportezinhos de metal, o "coador egoísta". Galera curte, é rapidão, baratinho, e o resultado na xícara é legal. Acho mais difícil "acertar" a mão com coadores maiores, mas nos pequenininhos geralmente o sabor fica legal, pela minha experiência. Até porque adaptar um outro tipo de suporte deve mudar bastante o sabor e vai exigir apurar técnica, avaliar os resultados, reprodutibilidade, etc., pois as diferenças que observamos entre V60, Melitta, Kono, etc. não são pequenas...
  15. Biscoito de sal antes do café

    Quando quero limpar o paladar (sei lá, se comi algo doce antes principalmente), o que funciona pra mim é um pedacinho de queijo minas...
  16. Pior que não, é no primeiro mesmo.
  17. Aeropress

    Meio na louca, hoje fiz um de manhã sem ir até o fim, e outro depois do almoço descendo tudo. O do almoço estava bem melhor, mais saboroso, encorpado, complexo, talvez por passar mais óleos pelo filtro com a sopradinha extra...? Não sei, mas que estava melhor pro meu paladar, estava.
  18. Aeropress

    Imagino que o manual tenha sido pensado para preparo de cafés de torra média ou escura, pro consumidor geralzão. Aí não fica muito ácido não, nessas condições rs E uma coisa que sempre quis saber: eu desço a AP até o final, mas vejo na net gente que jura de pé junto que tem de parar assim que ou antes de ouvir o chiado. O que vocês acham?
  19. Aeropress

    Para essa receita aí de café em dobro, também estou procurando algo mais prático, em detrimento da "bebida ideal". É para ter na manga quando vem um pouco mais de gente aí em casa e aí tenho que preparar múltiplas coisas. No meu caso aqui, tentei o que falei, 4 min (mais que os meus 3 usuais), mas agitando bem mais, e moendo mais fino (moagem mais fina do Handground, a 1; geralmente eu faço na segunda, 1,5). Ficou bom! Reteve alguma acidez mas ficou docinho. Tá no caderninho de receitas para quando for útil.
  20. Duro dos "espressos porcaria" é a o efeito "máquina do tempo": frequentemente quando tomo um, fico desejando poder voltar no tempo e não ter tomado nada, acho que ficaria melhor rs
  21. Aeropress

    Valeu pelas dicas, vou tentar 28 g com uns 250 ml, afinar um pouco a moagem e agitar um pouco mais, nos mesmos 3 min que costumo preparar, e ver o que rola. @Freedom Force , por curiosidade, quando tomas a "dose única" com 15g, fazes o mesmo tempo de infusão (8-9 min)?
  22. Aeropress

    Caras, uma pergunta aí. Eu curto fazer 400 ml de aeropress, para mim e para minha mulher. Atualmente, faço dois em seguida, numa térmica One-Hand da Stanley; com o funil da AP funciona legal. Uso o Prismo também (com filtro de papel), aí não tem que ficar invertendo e tal. Faço 200 ml de cada vez, deve dar uns 370 ml de bebida, e cabe na térmica (eles dizem que a capacidade é de 354 ml ali, mas é um pouco mais). A receita é 14g, moagem média fina, despejo devagarinho rodando, depois umas 5 mexidas, tempo total de infusão 3 min, aí desce o êmbolo e beleza. Em uns 10 min esquentando, moendo, preparando, etc. faço 2 vezes e tenho meu café de aeropress na dose desejada. Até aí ok. Mas gostaria de ter um ás na manga para fazer "direto", vejo que é comum diluírem posteriormente o café da AP, preparam quantidade maior de café, uns 250 ml (com o Prismo devem caber até uns 270), e no fim botam água quente. Gostaria de ter uma boa receita assim. Porém não faço ideia de qual o truque aí para ter um bom equilíbrio entre um café mais concentrado + diluição chegando numa bebida semelhante ou próxima da que tomo "normalmente". As vezes que tentei, ficou meio ácido. Também não sei se dá na mesma fazer a mesma moagem pelo mesmo tempo ou um tempo maior; moagem mais grossa ou mais fina, enfim... Não sei se tem algum modo mais "padrão" ou aconselhado para proceder e chegar num bom café com diluição. Alguém aí tem algum macete maneiro para chegar numa boa bebida dessa forma?
  23. E aí pessoal, como todo mundo aqui eu gosto de café, mas pesa no bolso ficar pegando aqueles cafés de 100, 120 reais o quilo. Gosto de tomar, e tomo, mas tento contrabalançar com alguns grãos mais baratos, com bom custo / benefício. Até mesmo porque aqui em casa tomamos muito café, e às vezes quero um café bom mas tenho que moer na noite anterior (para não fazer barulho de manhã em casa), ou então para quando vou tomar meio rapidão, gosto de ter uns cafés um pouco mais baratos mas ainda beeem à frente do "café comum" terrível de supermercado. Aí pensei nesse tópico para compartilharmos indicações de grãos saborosos e bem torrados a 40-50 reais o quilo - se for mais barato e bom, ou um pouco mais caro, pode ser também rs... Terá que corrigir a inflação também com o passar do tempo - para essas ocasiões e outras. Pensei no tópico depois de ver o tópico aberto ontem pelo @Ricardo Esteves, sobre o makeinfarm, iniciativa de venda direto do produtor: vi que há vários cafés com bons preços, mas fiquei me perguntando: "será que é roubada?" rs. Sem referências de outros, é difícil arriscar comprar uma boa quantidade "no escuro", pra valer o frete, e depois correr o risco de ficar não com um bom café, mas com um tremendo abacaxi na mão! Particularmente, gosto do Fazenda S. João da Daterra/Nossa Casa Café (R$ 50 o quilo), o Excelência de Araxá (R$ 46 o quilo) é um pouco inferior, mas quebra o galho (achei meio irregular, acho que pode ser variação nas torras; uma vez achei ótimo, noutra não tanto), e tem também o grão comum do Seleção do Mário, acho que tá R$ 40 o quilo (encomendei ontem). O Blend da Unique é R$ 56 o quilo. Já vi aqui no Forum falarem também do Café 3R, do Robson, quero experimentar, não sei o preço. Bem, é isso.. Fica aberto para que possamos compartilhar indicações nessa faixa de preço e com boa qualidade!
  24. Ontem fui novamente lá no @Fogo ruivo comprar um pouco de café e trocar uma ideia, e ele gentilmente se dispôs a preparar alguns shots para me "introduzir ao mundo do espresso" rs. Usou um grão torra clara da Nuance (acho que era do produtor Pedro Rossi, frutado ou floral, não lembro ao certo), e preparou numa Arin (é esse o nome?) e numa Gaggia. Concentrações variadas, acho que na Arin (bem, lembro que era espanhola) foram 8,5 g para uns 40 ml, na Gaggia 17 g para uns 60 ml. Ou seja, concentrações um pouco mais "à Italiana", não o esquema 3a onda. Algumas impressões: 1. Café preparado com cuidado, bom grão, técnica, fica uma bebida beeem superior às cafeterias por aí. Ou seja, no fim, para tomar café bom mesmo, a gente acaba tomando em casa. Coado ou espresso. 2. O grão com torra clara, especialmente na Arin, já deu uma bebida bem saborosa para o meu paladar. E gostei mais da concentração inferior. Acho que, claro, parte da minha preferência atual por coados diz respeito à qualidade da bebida, grãos etc. que estou tomando em casa comparado com bebidas meia boca fora (o coado profi x o espresso porcaria, a comparação injusta acima rs). Mas acho que o que mudou mesmo desde que comecei a melhorar e aprender nessa coisa de café foi a torra e a concentração da bebida que considero ideal. Gostei mais do espresso com concentração menor, o que já é um indicativo forte. E a torra também. O café que comprei do Fogo dessa vez tinha torra média, acho que da primeira vez era torra bem clara mesmo. Preparei em casa em alguns métodos, não amarga, nada, mas percebo que a torra clara me conquistou de vez, e no mesmo grão rs. As receitas em que obtive melhor resultado com a torra média do Terra de Minas foram com moagens bem mais grossas a que estou acostumado. Então pelo jeito é isso, meu paladar foi "clareando". Com base nisso da torra, fico me questionando um pouco, afinal parece-me que a preferência nesse método está relacionada a torras médias (ou seja, não as claras). Talvez o "espresso ideal" vá para um caminho que está meio na contramão do caminho que tomei mesmo! Mas vamos aprendendo, experimentando. Valeu Ricardo pela oportunidade!
  25. Vai chegar uma encomenda da Unique aqui, acho que o do Robson será o próximo!
×