Jump to content
Strawberry Orange Banana Lime Leaf Slate Sky Blueberry Grape Watermelon Chocolate Marble
Strawberry Orange Banana Lime Leaf Slate Sky Blueberry Grape Watermelon Chocolate Marble

Cabral

Senior Members
  • Content count

    2,541
  • Joined

  • Last visited

  • Days Won

    68

Everything posted by Cabral

  1. Coffee Bike

    @Wellington Azevedo, minhas sugestões estão no meu texto, não apenas de o que deve funcionar, com folga e segurança, mas até um link para um modelo interessante para vc ter de referência. Mas você pode pedir pro @sergio.m te ajudar, ele parece bem disposto a isso! Ótimo! Sabe tudo esse cara! Fácil: faça você as contas então, com suas fórmulas ideais num mundo ideal, e ajude o colega. Quero ver funcionar. Aliás, já foi estudar fator de potência em rede alternada ou continua acreditando que isso "não existe"? Ah, mas como não é pra contrariar moderador, volto a sumir de novo. Assim perco menos tempo tentado manter o forum vivo.
  2. Coffee Bike

    Pensei no pior cenário de energia, que seria o melhor cenário comercial, @sergio.m... Preferi considerar que ele vai ter movimento constante e vender sem parar, pois pode acontecer, dependendo do ponto e do modelo de negócio. Foquei em "horas garantidas de operação", essa proposta garante o mínimo, com folgas, podendo sobrar. Se extrair um espresso a cada 3 minutos, a máquina praticamente puxa 70%-80% de sua potência máxima por hora. E o que sobra vai cobrir o consumo do Moedor, que deixei de fora, percebeu? Mas isso foi uma estimativa grosseira, não um projeto completo. Mais pra dar noção de quais as necessidades de um projeto desses.
  3. Coffee Bike

    @Wellington Azevedo, dada a naturalidade com que você mencionou "uma bateria de 12V", assumo que não seja da área de elétrica ou eletrônica... se for, perdoe-me pela excessiva simplificação a seguir... Um conversor de 12V para 115V ou 220V que suporte uma máquina básica de espresso precisará oferecer no mínimo 1200W RMS... Poucas máquinas operam abaixo dos 1100W ou 1150W. Para sua informação, uma bateria de carro 1.0 costuma oferecer 45A/H (fornece 12 Volts com corrente de 45 Amperes por 1 Hora) , e 1200W em 12V "puxa" 100A, o que implicaria em a bateria operar por apenas 25 a 28 minutos, se a bateria for boa e aquentar essa corrente constante. E isso é pouco mais do que o tempo necessário para aquecer uma máquina doméstica pequena e tirar uns 2 ou 3 espressos. E a natureza das baterias automotivas não é compatível com carga alta constante, foram feitas para dar um "pico" na partida e depois operar com corrente mais baixa, alimentando os dispositivos e luzes do veículo paralelamente ao carregamento simultâneo oferecido pelo Alternador. Para para seu tipo de aplicação, deve-se utilizar no mínimo baterias chumbo-ácidas estacionárias, como as que se usam em No-Breaks e sistemas de armazenamento de energia alternativa (solar, eólica etc.), que são mais caras que as automotivas. Para suportar um período de 6h contínuas de operação sem recarga, você precisará disponibilizar 7200W de energia convertida total, lembrando que há perdas em relação à energia armazenada, nenhum conversor tem rendimento de 100%. Na verdade, os conversores simples de "onda PWM" costumam ter rendimento próximo de 50%, e os melhores chegam a 72%. Se você comprar um conversor de potência nominal de 2500VA dos mais baratos, ele deve fornecer 1200W constantes sem queimar, se bem ventilado. Isso implicaria em precisar de um banco de baterias e pelo menos 15KW para aguentar 6 horas operando uma máquina de espresso simples e um pequeno moedor também simples. Esses 15 mil Watts seriam mais eficientes com um conversos DC-AC (corrente contínua para corrente alternada) com entrada em 48V e saída em 220V. Logo, sua máquina e moedor precisariam operar em 220V, algo incomum nos USA. Pode ser em 110V, mas tudo fica mais caro, precisando de fios mais grossos e gerando mais perda nas tomadas (que esquentam). Vamos focar nas baterias. Na minha opinião, a bateria estacionária de melhor custo-benefício (R$ vs A/H x T - potência com qualidade e durabilidade) no mercado atual é a Freedom DF1000 de 12V e 70A/H. Se colocar 4 baterias dessas em série, elas forneceriam 48V com capacidade de 70A, ou seja, 3360W. Para armazenar 15KW em 48V, você precisaria, com um mínimo de folga, de 5 bancos paralelos de 4 baterias em série cada, num total de 20 baterias que totalizariam 16,8KW, suficiente pras 6 horas de máquina e moedor operando na bike com um conversor de rendimento de 50%. Um sistema autônomo para 6 horas de operação precisaria então de 20 baterias que pesam 14,7Kg cada, com os cabos e conectores isso vai passar fácil de 300Kg, E ao custo médio de 300 reais por bateria, seria mais R$ 6.000,00 só de baterias, lembrando que elas duram entre 24 e 36 meses, dependendo da qualidade dos ciclos de carga e descarga. Um conversor como sugeri pode variar entre R$ 2000 e R$ 4800, dependendo da qualidade e rendimento. Isso vc pode trazer de fora, pois se comprar máquina e moedor em 110V, o conversor vendido aí já vai ser compatível. Recomendo no mínimo esse aqui: https://www.amazon.com/Reliable-Compact-Inverter-Converter-Gernerator/dp/B073S3B9BP/ que deve aguentar na boa e é bem barato (U$ 300). Ah, se você montar o esquema com 12 baterias, por exemplo (tem de ser múltiplos de 4 com essa DF1000 de 12V) você deverá ter menos de 4 horas garantidas, mas com esse conversor que linkei da Amazon, se as especificações estiverem corretas e forem honestas, pode passar de 6 horas. Mas é uma aposta. Só pra você considerar os custos e se programar. Talvez assim dê pra entender porque coffee-bike e similares no Brasil dependem de alguém "alugar" uma tomada... Boa sorte!
  4. Café Talian

    Rômulo, benvindo ao Clube! É sempre muito legal quando um produtor aparece por aqui, participando e trocando idéias, além de oferecer venda direta para nós. Dada a natureza do tópico, o mesmo se enquadraria como um classificado. Se estivesse apenas comentando sobre o café, explicando suas características e detalhando métodos, processos, origem etc, ficaria adequado por aqui mesmo, na área de café torrado. Como está, sugiro que solicite à Moderação (nessa lista) para mover o tópico para os Classificados, se possível. Assim fica mais fácil pra quem navega por áreas encontrar seu anúncio, e fica dentro das normas. Senão fica o "samba da manga" por aqui...
  5. Moka - Venus

    @Tom, é sim bastante interessante pesar o pó depois de encher o filtro (pesando-o vazio e depois de preenchido de café), a água utilizada e a quantidade de bebida obtida, para saber a razão de extração (Brew Ratio) e a quantidade de água retida/não processada. Assim pode-se, com algum controle, escolher a quantidade de água a colocar na caldeira inferior a fim de obter a razão de extração desejada, desde que não ultrapasse o nível máximo. O que não se deve fazer é colocar água acima da válvula de segurança, o que leva ao risco de ruptura ou desencaixe explosivo em caso de entupimento do filtro. Ah! Benvindo ao Clube. E por favor, observe o uso de negritos e caixa alta, não costumamos gritar uns com os outros corriqueiramente (só de vez em quando )
  6. Breville "the Infuser" (BES840XL)

    Ah, sim... a Twin, se não usar um bom aterramento, tende a dar problemas na eletrônica. Ainda mais do Brasil, e principalmente os modelos 110V. Em 220V, com um bom protetor de linha e aterramento dentro das normas, essa placa não dá defeito fácil, não. O problema é o hábito de "espetar na tomada" sem os devidos cuidados, inclusive com o mal-hábito de cortar pino ou usar adaptadores para eliminar o aterramento. Daí é difícil. Sobre o PID, francamente, sou de opinião completamente diferente. A caldeira ser pequena não torna a temperatura mais estável apenas com termostato. Pelo contrário, dado o pequeno volume de água, a temperatura da água que entra vai fazer o conjunto variar ainda mais em função da temperatura ambiente. Tem de surfar diferentemente dependendo da variação de temperatura do ambiente. Era assim com minha Baby Class. A caldeira pequena e os elementos poderosos embutidos no alumínio (em vez de imesos na água) mudam o perfil de programação do PID, ficando num meio termo entre o Termobloco (como na Infuser) e a caldeira "padrão" (como na Silvia ou nas Classic com caldeira de aço), mas ainda assim um elemento excelente de controle de temperatura, dispensando o Surf por completo. Por ter caldeira para café e Termobloco para vapor, sou da opinião de que a Twin com PID duplo, ou com dois PIDs, faz frente à badalada Crossland em termos de funcionalidade e qualidade de extração. Confesso que só usei a Crossland algumas vezes durante uma visita a um colega, mas não vi ganho na extração em relação à Twin modificada de outro amigo em comum que temos, com PIDs da Auber instalados por ele mesmo, OPV ajustável da Rancílio instalado por mim. Depois que a eletrônica começa a dar problema, o termofusível salva o conjunto quando queima... só trocando a placa e corrigindo a instalação elétrica pra ter sossego depois disso. sobre preço, depende de aparecer... varia bem. Dá uma olhada no tópico do LUW, ele importou uma ECM Barista (HX) direto de fora, saiu mais barato do que comprar uma ECM Classika (SBDU com PID) aqui no Brasil. O Márcio @Carneiro tava vendendo uma Oscar reformada por ele, com os restritores de fluxo e outros badulaques da NS Musica, o que essencialmente transforma a Oscar numa máquina muito, muito boa. Já modifiquei uma seguindo o "manual" dele e ficou excelente. As feitas por ele devem ficar ainda melhores, na minha opinião... Eu mandaria msg pra ele pra ver se já vendeu (link pro anúncio: Se quiser nova, acho que a máquina mais interessante pra quem quer uma HX e não quer investir numa ECM/Rocket/Bezzera/etc, conformando-se com algo inicialmente simples que depois possa dar upgrades por modificações. é a Oscar II, que você encontra na Elektros por 556 euros, e com frete EMS da 687 Euros já enviado e segurado (no Brasil vira Correios, logo imposto menor do que Courier) + imposto e taxa dá (hoje) uns R$ 5.500,00 entregue na sua casa... e com a guia de importação legalizada na mão. ) Se vaporizar leite não for tão importante, e preferir estabilidade térmica, a Bezerra Unica PID na Elektros é uma opção quase imbatível... Dá pra mandar por EMS tb. Com seguro, frete e impostos, entregue em casa, fica (hoje) uns R$ 7.600,00 importando legalmente. Uma HX no nível da ECM Barista é a Bezzera Magica S MN, que no mesmo sistema EMS, com tudo incluso, chega legalmente na mão do brazuca por aproximadamente R$ 9.500,00. Se quiser HX com PID (tem quem goste, eu não gosto), a Bezzera Magica S MN PID chega aqui por mais ou menos R$ 10.600,00 legalmente por EMS/Correios. Pra finalizar, a Dual Boiler com PID da Quick Mill, modelo QM67, que hoje tá sem estoque, sairia + ou - R$ 12.500,00 importando pelos Correios/EMS legalmente. Todas essas máquinas linkadas (sublinhadas) usam bomba vibratória. As mais leves talvez dê pra escolher com bomba rotativa e ainda ser leve o bastante pra mandar por EMS, mas as HX e Dual Boiler não dá, passam do peso limite.
  7. Moka - Venus

    Hum... não tinha pensado na Brikka, acho que com a válvula de pressão o comportamento seja diferente... a água deve subir mais "de repente" e empurrar o café pra cima de uma vez, minimizando a bagunça. Com meia dose de pó e meia dose de água, na Bialetti Express comum de 3 xícaras, sai mais ou menos metade do café em relação ao preparo completo, mas fica aguado e sub-extraído... horrível. Tenho um "desodorizador" de tirar cheiro cítrico das mãos (depois de descascar laranja, por exemplo), pra esfregar na pele sob água corrente ao final da lavagem, cujo formato parece um "menthos" mas é oco e um tanto maior, feito com inox escovado liso. Colocando dentro do filtro da Bialetti com meia dose (coloco um pouco de pó, acomodo essa peça no meio, cubro com pó até completar) fica certinho o volume do filtro cheio usando apenas metade, daí a turbulência não acontece e o café sai bem melhor, praticamente a mesma coisa que preparar uma rodada completa de 3 xícaras. Saiu mais barato do que comprar outras cafeteiras, uma pra cada quantidade... só é um saco limpar depois. Um espaçador desses ficaria muito bom nessa situação, substituindo a gambiarra. E, fala sério... usar a Bialetti pra fazer café em hotel usando o ferro de passar roupas como chapa quente é prático demais... nunca fez isso? ... é só calçar com cuidado pra não virar, fica joinha. (se for ferro com jatos de vapor, esvaziar o reservatório antes, pra evitar vazamentos)
  8. Comparação de moinhos

    @Miguel de Paula, não se desespere... concordo que sim, é melhor mesmo saber arrumar por conta própria, mas pelo menos tem onde vc comprar peças originais, quando precisar. A parte eletrônica dedicada é o que mais preocupa em termos de manutenção, o resto costuma ser padrão de mercado. Não sei como é o serviço da LaSpaziale Brasil (Sampa), mas a CafemaQ (Campinas) tem uma fama até que boa entre os usuários do CdC. Pois é @MarcoC, dá até um constrangimento comparar as posturas, as diferenças são enormes. Mas vou parar de alimentar nosso off-topic antes que a moderação venha dar bronca na gente...
  9. Moka - Venus

    @Luis Paulo, não acho que o foco seria a dosagem volumétrica em si, mas a mecânica da extração... acho mesmo que o "redutor" seja útil também para quem usa balança. Já tentou usar menos café no preparo da Moka? Essas cafeteiras italianas dependem de o filtro estar relativamente cheio pra haver estabilização da pressão com alguma repetibilidade, não é? O bolo deve, ao inchar, tocar/pressionar a tela superior e estabilizar. Se quiser usar "meia dose", por exemplo, para fazer menos café ou mudar a BR, esse tipo de redutor me parece bem prático. Sem um limitador, ocorre turbulência e a integridade do bolo tende a ser rompida, ocorrendo fluxo irregular (similar à canalização) de água diretamente da caldeira para o reservatório/xícara.
  10. Comparação de moinhos

    Pois é! Tive uma saga com a Libermac anos atrás, quando um Preciso comprado novo foi entregue com defeito e tive de levar pra trocar, e a peça que me entregaram na loja (CaféStore) estava com o mesmo problema (aberto e testado na por eles na minha frente!). Depois de mais de um mês de espera, o "técnico" da Libermac disse no relatório que estava fora de garantia porque as peças tinham sido modificadas por mim nas duas unidades, inclusive a que abrimos juntos dentro da CaféStore e deu defeito antes de eu colocar a mão no aparelho. Pior é que me chamaram lá na CaféStore pra retirar o moedor e não falaram nada, cheguei lá e queriam me devolver a peça com defeito e o relatório, pra eu ir resolver na Libermac. Eita profissionalismo, hein? Chamei eles "na xinxa", pedi pra falar com as pessoas que tinham me atendido (incluindo o dono) e o próprio dono da CaféStore ligou na hora pra Libermac e deu um piti com o povo de lá, pois ficou na cara que estavam tentando "tirar da reta" e ninguém tinha noção de nada. No fim me devolveram o moedor funcionando, uns 2 meses depois. E veio sem os pesinhos de silicone, que me mandaram muito depois. "Amdadoresco" no limite. Impressionante é que, mesmo passando boa parte do ano fora do Brasil, o Paul, praticamente sozinho, consegue atender melhor do que essas empresas, que estão "disponíveis" o tempo todo e tem pelo menos alguma infra-estrutura... Go figure...
  11. Breville "the Infuser" (BES840XL)

    @fabreder, acho que até já rolou essa conversa por aqui, quando a Tramontina lançou as Breville nacionalizadas e já me posicionei antes... sou da opinião que uma Baby Twin modificada com PID é mais interessante do que a Infuser, e que com uma OPV ajustável ficaria ainda melhor. Isso pra quem não tem problemas com equipamento modificado, claro. Essa linha Baby era feita de maneira muito robusta, difícil dar defeito, mas sem os mods dependia de surfar metodicamente e de adaptar dose e moagem à regulagem da OPV fixa vir com aproximadamente 11 BAR. Relatei no tópico específico da Breville Dual Boiler desde o "review" da "lua de mel" com a máquina, depois fazendo um comparativo empolgado com outras máquinas que tive, passando pelo momento em que começou a dar defeito ainda em garantia e minha antiga Baby Class voltou a ser a máquina principal. Só vendi a Gaggia quando comprei a ECM, e a Breville só ficou boa mesmo depois de muitas trocas de peça, modificações e upgrades, e acabou ficando como máquina secundária lá em casa. A saga da Dual Boiler está toda narrada aqui no CdC, inclusive a "solução final" que tá funcionando até hoje, já que depois disso só troquei a bomba principal, algo normal, componente que gasta mais depressa por conta do sistema de controle de pressão por PWM. Lá no meio tem a dica do estabilizador, algo fundamental pra quem usa Breville em áreas com problemas no fornecimento de energia. (os links acima vão aos pontos mencionados no texto, todas postagens dentro do mesmo tópico, mas tem casos em que os posts seguintes são relevantes e complementares)
  12. Comparação de moinhos

    Exatamente o que aconteceu comigo, @MarcoC. Como não estava achando o E37S usado por preço justo, acabei tentando comprar um revisado ou novo da Astoria aqui em SP e tomei uma canseira. Depois de muito tempo sem resposta, acabei achando um bom negócio no T48 e fechei. A Astoria nunca deu retorno.
  13. Tramontina/Breville - Smart Grinder

    @fabreder, acho que, na empolgação, você errou o tópico... aqui se fala do Moedor Express Tramontina by Breville. PF Naked seria no tópico da máquina...
  14. [VENDO] Forno Torrador Brothers Coffee Roaster PRO

    @victorpandolfi, se vc mora em prédio, como os elevadores são trifásicos (380V) ou no mínimo bifásicos (220V) a caixa de entrada de seu apartamento deve ter 220V disponível, seria apenas o caso de conectar e puxar fiação, deve sair mais barato do que um transformador de uns 1500W a 2000W reais (ou 4KVA a 6KVA em padrão "brazuca" de vender transformadores). Se for casa, você pode pedir para a COPEL instalar 220V na sua residência. Embora tenha custo e tarifa diferenciada, usar dispositivos de alta potência em 220V costuma reduzir as perdas e baixar significativamente a conta de luz. Num plano de longo prazo, migrando todo parque de dispositivos, vira economia. Vale muito mais a pena usar chuveiros, torneiras elétricas, condicionadores de ar, refrigeradores, aquecedores, máquinas de café, fornos, fritadeiras, panelas elétricas, secadores etc em 220V. Menos perdas nos fios e conexões com a corrente cortada pela metade (já que a tensão dobrou, a corrente divide por 2, mantendo o mesmo produto de potência), além de poder usar fiação menos espessa em algumas situações. De modo geral, a conta de energia cai mais do que é cobrado na tarifa do bifásico.
  15. Bobina Valvula 3 vias

    @DiogoBem, recomendo fortemente comprar uma bobina de marca melhor, as OLAB são péssimas. Aliás, francamente, esperar o problema reaparecer e trocar a válvula inteira faz mais sentido... seu diagnóstico invertendo as bobinas deveria ter transferido o problema, o que não parece ter acontecido (segundo sua descrição). Poderia ser o comportamento momentâneo da rede elétrica, ou algum mal-contato num conector, ou mesmo o movimento mecânico de soltar e recolocar mangueiras e bobinas tenha mudado o alinhamento físico das peças ou o alinhamento eletromagnético do campo gerado pela bobina sobre o êmbolo. Aconteceu comigo e troquei OLAB por Parker na minha Dual Boiler, nunca mais tive problemas com válvula. Verifique também a Potência (em VA ou W), além da tensão (ou Voltagem, V) e o diâmetro do furo. Se sua OLAB é de 10,5VA (~10,5W), comprar mais fraca pode não acionar o êmbolo da válvula, e comprar mais forte pode queimar o componente da placa eletrônica que controla a válvula. Respeite a tolerância básica de 10% pra cada lado e compre algo entre 9,5W e 11,5W pra não corre riscos. No meu caso, como troquei a válvula inteira, não tinha essa restrição à potência mínima, então 9W ficou OK e deu mais folga pro circuito da placa. Essa é a mesma válvula 3 Vias utilizada nas Rancílio Época comerciais (e algumas Sílvia). Creio que vc achará uma válvula compatível (seja duas ou três vias) melhor e mais barata do que a original na Café Cozinha e Cia. ou em qualquer outra empresa do tipo...
  16. @flabrada, não costumo fazer postagens questionadoras de valor nos classificados, mas um amigo novato (que decidiu que quer um Breville mas perdeu a promo de 1180 da Via Inox e de 1230 da Premier mês passado) viu seu classificado e me pediu para sondar sua base de referência para cobrar esse preço num item usado (mesmo que com apenas 1 mês de uso, não é novo e não tem caixa nem manual). Achei que vc tinha feito as modificações sugeridas pelo Gurjão no tópico do moedor, sugeri mesmo que ele fizesse uma boa contra-oferta se fosse o caso, pois vir já corretamente modificado seria um valor agregado... Bom, as escolhas são suas, o moedor é seu, certo? Vc tem a prerrogativa de cobrar o que quiser, e mesmo de ser rude no fórum, só não espere que sua reação aos comentários que fizemos entusiasme compradores entre os usuários mais experientes... E sim, o produto está temporariamente esgotado, sugeri a meu amigo que espere a Tramontina entregar o lote de importação que atrasou. Informaram que normaliza na segunda quinzena do mês que vem. Boa sorte na venda. E ao comprador, na compra. Caveat Emptor!
  17. Desculpe-me pela curiosidade, mas a descrição está completa? Estou tentando entender o valor... está digitado corretamente? Você fez alguma modificação para agregar valor ao moedor?
  18. (COMPRO) La Spaziale S1 Vivaldi II

    Sai muito mais barato na Elektros, @MarcoC, 312 Euros mais ~80 de frete e ~8 de seguro, dá 400 Euros pra mandar pra cá. Vem por EMS, ou seja, Correios. Em são paulo, isso dá 60% de I.I. mais R$ 15 de tarifa. Ou seja, menos de 650 Euros entregue aqui, perto de R$ 3200~3300 já em Sampa. https://www.elektros.it/br/en/mignon/perfetto_16cr_black.html Pegando nos EUA por U$ 579 + uns $100 de frete USPS pro Brazil já passa de 2700 sem o imposto (USPS/Correios se alguém nos USA mediar, recebendo e reenviando pra cá, a ChrissCoffee só manda por Courier), acabaria dando $1086 -> R$ 4290 pelo câmbio de hoje, mais os 15 dos Correios... passando de R$ 4300 entregue aqui. Se vier por Courier, usando o frete mais barato, incide ICMS e IPI além do I.I., então passaria dos R$ 5500. .... Agora, teve algum motivo pra você reativar o tópico do @TulioDuca, que não logou no CdC desde dois dias após abrir esse classificado, quase 3 meses atrás? Só curioso, pois tá meio na cara que o OP não teve resposta rápida e sumiu... (tanto que estamos num off-topic lascado aqui)
  19. (COMPRO) La Spaziale S1 Vivaldi II

    Hum... talvez tenha sido exclusiva por algum tempo (afinal, a participação deles foi anterior a 2006), mas nesse momento tem na WLL também @MarcoC...
  20. @Mesquita, e demais colegas que responderam, o forum é aberto para leitura sem precisar de cadastro... colocar e-mail aqui é pedir pra ser colhido por bots e incluído em infinitas listas de SPAM/digi-marketing. Se quiser evitar isso, sugiro editar removendo o e-mail e tentar contato por MP com a OP... Só sugerindo...
  21. Philco PHC 19

    @WilliamPaulino, bem vindo ao Clube. Se você parar o pointer sobre o nome do colega que postou a mensagem referida por você verá que ele não loga no Clube desde abril de 2017 e, se clicar em Conteúdo, verá que ele não há postagens mesmo depois desse período. Sugiro que se adiante com uma leitura atenciosa do tópico e o uso da Busca do fórum para localizar a informação desejada, caso ninguém poste uma resposta direta aqui. Boa sorte.
  22. @ivoesazevedo, é isso que o @Luke S falou, mós com tinta iriam apenas contaminar o café! Ainda bem que não foram pintados. Sobre estática, o policarbonato do Hario Slim deveria ser supostamente anti-estática, mas os dois que tive sempre grudaram pó no copinho... a solução mais simples é aquela que o @Carneiro mencionou aí em cima: umedecer a dose que se vai moer. Costumo manter um borrifador pequeno no meio das tralhas de café, pra quando vou usar o Pharos ou o Crushgrind, que costumam dar problemas nesse sentido. Acho mais fácil dar um borrifo e umedecer tudo do que tentar distribuir gotas pelos grãos da dose... Aterrar o moedor deve ajudar, mas tenha em mente que a tinta dos novos produtos MIMOSO e Botini costuma ser epoxi eletrostática, o que complica bem pra resolver a retenção por meio de aterramento... mas se tá fácil testar, conte depois pra gente se deu certo! Boas moagens.
  23. MOEDOR OXO BREW É BOM?

    Hum... na verdade acho U$ 131+ bem caro, @johnny... na Amazon tá 99 dólares fora de oferta. tava 59,90 no banner da queima de final de ano. https://www.amazon.com/OXO-Conical-Burr-Coffee-Grinder/dp/B07CSKGLMM/ Não conheço o moedor, mas 15 faixas de ajuste é pouco e acho improvável que sirva pra espresso. Talvez fique aceitável ou mesmo bom pros métodos de infusão mais lenta (coado, prensado etc) que aceitam moagens mais grossas e são menos exigentes com qualidade de moagem (exceto prensa francesa, que fica cheio de "lama" se o moedor gera muitos fines). Pra importar, pagando impostos, não acho que valha a pena. Com essa verba de 131 e pouco que você tá pensando, mais frete e impostos, chega nos 1200 reais fácil... dá pra pegar coisa melhor por aqui: se quer um elétrico, um Tramontina-Breville pra todos os métodos, inclusive espresso, ou um Baratza Encore (motor mais forte) se não tiver interesse no espresso - o Encore não é recomendado pra espresso e tem manos ajustes que o Tramontina-Breville. Se puder ser um manual, um moedor Bravo Mini, fabricado pelo @Gilberto aqui do CdC, sai pouco mais do que isso e é absurdamente melhor do que todos que mencionei. E tem o novo "mini-mini' que tá pra sair, será menos de 1000 reais, pelo que parece, e vai dar baile nesses elétricos todos.
  24. App para espresso

    @EduardoAlemao, eu comecei anotando num caderno quadriculado e nunca passei pro computador... é um tabelão com os campos mencionados aí em cima. Acho que já postei imagens de algumas páginas aqui, mas no celular é ruim de dar busca... se eu fizer uma planilha no micro eu compartilho aqui, mas acho que outros já compartilharam algumas no passado. @fabreder, sim, o distribuidor-alinhador ajuda a desempelotar e distribui alinhando sem pressionar demais o pó. Se usar direto o dinamométrico e o pó estiver mal-distribuído, o bolo até fica reto, mas um lado fica melhor compactado do que o outro. Os melhores resultados são obtidos pelo uso do par...
  25. App para espresso

    @Marcos Sampaio, se você está repetindo os procedimentos e os resultados variam, algo está falhando no caminho. Sua Fiamma com Arduíno deve dar uma boa repetibilidade. Vou assumir que o algoritmo PID instalado está calibrado adequadamente para o melhor perfil de manutenção térmica do conjunto durante a extração. Ter um arduíno e um bom algoritmo não resolve tudo, você precisa colocar os fatores de Proporção, Integração e Derivação otimizados para seu grupo, o que involve massa e material da caldeira, válvulas, tubulações e cabeça de grupo, bem como capacidade da caldeira e a massa de água média a ser aquecida. Os fatores de dissipação e interferência da entrada de água fria acabam fazendo parte da dinâmica do PID. Já vi PID mal regulado que fica pior que termostato barato... Quem regulou sua máquina? Considerarei também que você está usando o Preciso e que o mesmo está sem nenhum problema... é comum o anel de regulagem quebrar um componente e a moagem flutuar aleatoriamente entre operações, não é sempre óbvio e muita gente demora meses ou anos pra descobrir o motivo dos cafés ruins, mas creio que sendo metódico em sua coleta de dados você já deva ter verificado a integridade de seu equipamento. Assumo que você esteja usando o tamper dinamométrico do Gil, listado no seu perfil... tem o alinhador também? Se sua técnica de distribuição do pó antes do socamento for adequada e consistente, acho muito estranho estar variando assim pra você. Não fiz um App, mas uso uma planilha simples mais ou menos com as mesmas informações que você coleta e vou preenchendo manualmente conforme faço meus preparos, depois anoto minhas impressões sobre os resultados. Ao longo dos anos isso tem sido muito útil, principalmente depois que comecei a torrar e anotar os perfis de torra também, junto à informação do grão. Cafés conhecidos, como as torras de um mesmo café da DaTerra pela NCC costumam ficar razoáveis "de primeira", seguindo minhas anotações anteriores. Faço ajustes mínimos em torno dos ajustes da experiência anterior para afinar a experiência. Quando eu mesmo torro um mesmo grão que já torrei e consigo reproduzir o mesmo perfil de torra, num novo batch desse grão que tenho guardado (embalagem impermeável no primeiro ano, congelado a vácuo se mais de 1 ano de beneficiamento), mesmo que meses depois, o ajuste de moedor no mesmo ponto que anotei gera uma extração de aproximadamente a mesma duração para mesmo volume de café. E sabor muito, muito próximo do esperado por mim. É só eu não errar em algo que gere canalização que obtenho excelente repetibilidade. E olhe que minha máquina é uma HX com Pressostato, depende do flush pra acertar temperatura, então tenho um elemento humano a mais do que você... se eu purgar de menos, queima o café. Demais, azeda. Treinei algum tempo com um termômetro na cabeça de grupo e hoje faço "de orelha", com base naquela aprendizagem inicial do uso da ECM. Faz anos que só uso o T48 na moagem pra espresso que vou consumir puro, então todas minhas notas recentes são com ele. Cabe notar que uso o alinhador e o tamper dinamométrico do Gil, itens não listados no meu perfil... O que estou dizendo é que com o mesmo grão, de mesma qualidade, torra e todas características, se todo seu equipamento estiver OK e for estável, dos 5 "M"s (Miscela, Macinadosatore, Macchina Espresso, Mano dell'operatore e Manutenzione) talvez seja a hora de verificar a "M"ão do barista. Mas isso é apenas uma opinião minha, claro.... nada a ser levado muito a sério.
×